A estrutura social dos macacos

· outubro 15, 2018
A organização social busca garantir a sobrevivência do grupo. Algumas ações importantes para a reprodução e proteção da prole são a busca por comida e o alerta sobre a presença de predadores.

Sempre se falou da semelhança entre a família dos macacos e o ser humano. De fato, esse relacionamento transcende semelhanças físicas e o comportamento social; a estrutura social dos macacos tem coincidências com o comportamento de relacionamento do ser humano.

Os macacos geralmente vivem em grupos. Isso lhes dá maiores garantias de sobrevivência ao procurarem por comida e ao se defenderem de predadores. Além disso, beneficia a reprodução e a proteção da prole.

Assim como nos humanos, a socialização dos macacos está ligada às emoções. Isto é, a maneira como ele se sente em seu grupo social.

Assim, situações de estresse ou conflitos são decisivas para romper relações ou formar outro grupo social.

Estrutura social dos macacos

A estrutura social dos macacos varia de acordo com a espécie. No entanto, a maioria tem certa semelhança em termos de comportamento de socialização.

Em muitos casos, os grupos sociais têm um líder dominante que controla o funcionamento do grupo.

Macaco em árvore

Os grupos de macacos podem ser integrados por espécies do mesmo sexo ou de diferentes gêneros. Também é possível ver grupos muito grandes em que outros círculos sociais menores vivem.

Além disso, isso não afeta a coexistência de todo o grupo.

Segundo as espécies, os grupos sociais em liberdade são formados por entre cinco e cem membros.

No caso dos macacos noturnos, sua estrutura social é pequena, porque são monogâmicos.

Então eles têm círculos de dois a quatro membros, onde o casal mora com um ou dois jovens.

Comportamento social dos macacos

A maneira pela qual a estrutura social dos macacos é concebida visa alcançar a sobrevivência. Cada indivíduo cumpre suas funções de acordo com a designação.

É por isso que existem espécies onde as fêmeas devem procurar comida, enquanto os machos cuidam dos jovens ou vice-versa.

Em geral, as espécies de macacos têm um macho dominante. Em alguns casos, este é o único membro reprodutor do grupo, como nos Caiararas.

O líder tem até o benefício de comer mais e de ser “limpo” por outros membros do grupo.

estrutura social dos macacos

Em grandes grupos, é comum que as fêmeas e suas crias fêmeas formem um círculo social.

Por outro lado, os filhotes do sexo masculino deixam esse círculo para formarem outra família dentro da mesma estrutura social dos macacos.

Formas de socialização dos macacos

Macacos são mamíferos muito sociáveis. Para isso, eles fazem uso de vários recursos que lhes permitem estabelecer ligações dentro de sua estrutura social e fortalecer seu papel dentro do grupo.

  • Macacos são capazes de reproduzir diferentes sons que os ajudam a estabelecer conversas. Por exemplo, os gritos eles servem para afastar outro grupo de macacos ou para alertar sobre algum risco.
  • As brincadeiras são uma atividade muito importante para os macacos, porque representam uma das formas mais genuínas de socialização. Através delas eles não só se divertem, mas também são capazes de praticar a empatia. Além disso, ajuda-os a controlar o estresse.
  • Talvez um dos comportamentos mais comuns dos macacos seja o asseio. O banho tem muitas funções dentro da estrutura social dos macacos. A princípio, é uma maneira que eles têm de se aproximarem de outro membro ou de transmitir afeto. Eles também usam isso como uma terapia antiestresse ou para obter favores.

Comunicação não verbal entre os macacos

Algo que é muito característico em macacos é a capacidade de fazer expressões faciais. Isso é conhecido como comunicação não-verbal e é mais visível em espécies como chimpanzés, símios e gorilas.

Comunicação macacos

Através dessas expressões, os primatas buscam gerar empatia com o outro para estabelecer um relacionamento. O mesmo acontece no comportamento social do homem.

Os seres humanos sentem maior empatia com as pessoas cujas expressões são mais semelhantes às deles.

Este tipo de gestos, se os observarmos bem, pode transmitir muitas sensações diferentes. As expressões servem para transmitir medo, raiva, tristeza ou afeição, entre outras coisas.

Outra manifestação da comunicação não verbal dos macacos é o abraço. 

Acima de tudo, em adultos, esse comportamento pode ser recorrente na presença de filhotes ou de novos membros.

É o jeito particular que eles têm de receber.