Algas em seu aquário

fevereiro 3, 2019
Elas podem causar um desequilíbrio no aquário, por isso é essencial aplicar o tratamento necessário de acordo com o tipo de alga que se proliferou, daí a importância de identificá-la. 

As algas são pequenas plantas aquáticas que podem eventualmente aparecer em nossos aquários. Embora pareçam totalmente inofensivas, sua proliferação pode prejudicar o equilíbrio no ecossistema dos aquários. Portanto, conheceremos as principais causas e possíveis soluções para algas em seu aquário.

Tipos de algas em seu aquário, suas causas e soluções

A princípio, é importante entender que existem diferentes tipos de algas que podem aparecer em seu aquário.

Saber identificá-las é essencial para estabelecer um tratamento adequado e combatê-las de forma eficaz. A seguir, resumiremos as espécies de algas que se desenvolvem mais facilmente em aquários de peixes.

Algas em seu aquário

Alga verde

As chamadas “algas verdes” podem ser consideradas as mais inofensivas devido ao seu comportamento não agressivo.

Em geral, elas se proliferam quando há excesso de fertilização no aquário, principalmente devido à alta concentração de nitratos. Elas também podem aparecer por causa de um desequilíbrio no nível de fosfatos.

Para evitar a presença dessas algas, recomenda-se trocar de 30% a 40% da água e suspender provisoriamente o uso de fertilizantes (exceto o potássio).

Além disso, será necessário limpar cuidadosamente os cristais das algas, utilizando sempre produtos adequados para uso interno no aquário.

Posteriormente, meça os níveis de nitrato e fosfato na água, para descobrir qualquer desequilíbrio.

Com os resultados, será possível verificar se existe um suprimento excessivo de alguns fertilizantes e regular suas doses.

Alga Marrom

As algas marrons geralmente aparecem em aquários e podem ser uma verdadeira dor de cabeça para iniciantes.

Isso porque elas se reproduzem rapidamente e, devido à sua cor marromdão ao interior do aquário uma aparência enferrujada.

Em casos mais avançados, observa-se que o fundo do aquário também adquire uma coloração escura.

Geralmente, sua proliferação está relacionada a uma concentração excessiva de fosfatos na água, mas a iluminação fraca também pode estimular seu crescimento.

Felizmente, elas são fáceis de serem combatidas e muitas vezes desaparecem rapidamente na ausência de fertilizantes.

Para eliminar estas algas, troque 30% da água e suspenda a administração de fosfatos e nitratos. Em seguida, verifique se a iluminação do aquário está adequada. Recomenda-se também fazer uma aspiração para eliminar o máximo possível de algas.

Com essas precauções, é mais provável que as algas completem seu ciclo e desapareçam. Então podemos limpar e renovar a água do aquário.

Antes de retomar o uso de substratos, é importante medir os níveis já presentes na água. Dessa forma, podemos equilibrá-los.

Algas diatomáceas verdes

Estas são as algas mais problemáticas e mais fáceis de identificar. Proliferam-se rapidamente e tornam a água turva, dando ao aquário uma aparência suja.

Se não forem eliminadas rapidamente, sua concentração deixa a água esverdeada, com uma aparência muito desagradável.

Embora seja mais comum em aquários novos, a razão exata que leva ao seu aparecimento ainda é desconhecida.

De fato, algas diatomáceas têm sido observadas em aquários com diferentes concentrações de substrato, com muitas e poucas plantas e com várias espécies de peixes, etc. Portanto, seu tratamento é um pouco complexo.

A princípio, devemos evitar a troca permanente da água. O ideal é fazer uma única alteração de 50% do volume total antes de iniciar o tratamento. E só faça isso novamente no final de cinco dias, quando uma redução de algas for verificada.

Em outra fase, deixaremos de administrar qualquer substrato (micros ou macros) e, também, CO2. Também será necessário reduzir radicalmente a incidência de luz no aquário. A iluminação artificial deve ser retirada e a luz solar pode ser reduzida, cobrindo o aquário.

Alguns especialistas também recomendam adicionar uma lâmpada germicida para acelerar o tratamento e aumentar sua eficácia.

Em geral, com todas essas ações, as algas diminuem ou desaparecem após cinco ou sete dias. Só então poderemos trocar a água do aquário novamente.

Aquário com peixes variados

Dicas para prevenir algas em seu aquário

  • Equilibrar os níveis de substratos, micros e macros: geralmente, a proliferação de algas está associada a um excesso de substratos micro e macros. Portanto, para evitar seu crescimento, é essencial fazer medições periódicas dos níveis de nitratos, fosfatos, potássio, CO2, etc.
  • Garanta uma boa iluminação: a iluminação é um aspecto fundamental para a vida em nosso aquário. O excesso e a deficiência de luz favorecem o desenvolvimento de algas.
  • Antes de escolher a iluminação artificial e a localização do seu aquário, é essencial pensar na intensidade da luz que será oferecida. Além disso, durante o verão, é necessário ter um cuidado especial para não superaquecer a água: a água quente acelera o crescimento das algas.