Alopécia em gatos: saiba mais sobre

dezembro 22, 2018

A alopécia pode ser facilmente detectável pelo dono, pois o felino vai se coçar ou lamber a zona em que o pelo cai.

Entretanto, não pode ser tratada com remédios caseiros, já que a doença pode ser algo leve ou grave, inclusive pode ser um sintoma de câncer. Neste artigo, saiba mais sobre a alopécia em gatos.

Os gatos cuidam de seu pelo mantendo-o limpo e brilhante, o que é um sinal de sua boa saúde. No entanto, a queda excessiva de pelo ou alopécia é um sinal de que o animal está sofrendo com alguma doença.

As causas da alopécia felina são muito variadas. O médico veterinário é quem deve examinar o animal e determinar a causa, determinando o tratamento adequado.

Em seguida, veremos as causas mais frequentes:

Causas de alopécia em gatos

Gatos perdem o pelo naturalmente. Entretanto, quando essa perda é excessiva e deixa áreas de pele à mostra, inflamada ou com irritações, significa que existe um problema subjacente.

Pulgas e ácaros

Os gatos são alérgicos às picadas de pulgas e ácaros, o que os faz coçar o local das picadas e tirar os pelos.

Isso causa problemas como a alopécia, sobretudo em zonas como as costas e o rabo. A mordida pode até causar uma infecção na pele, que ficará vermelha e escamosa.

Os ácaros se enfiam embaixo da pele do gato, o que produz a sarna. O prurido é tão intenso que o gato se coça e lambe a pele para se aliviar, o que faz partes do seu pelo cair.

Em casos graves, a doença pode se estender por todo o corpo.

Gato se lambendo

Micose

A micose é um fungo que se apresenta no rosto, orelhas, cabeça e, às vezes, nas patas dos gatos. Além da alopécia, a pele pode ficar descamada, seca ou com crostas.

Além disso, o animal também pode apresentar um prurido intenso. Essa patologia é contagiosa, tanto para outros animais de estimação como para o ser humano.

Alergias

Elas podem ser causadas por alimentos, como algumas proteínas específicas (peixes, frango e boi). Nesse caso, a pele vai apresentar manchas vermelhas.

A alergia a certos produtos químicos, plásticos, borracha e lã também provocam dermatite e alopécia em gatos. O tálio e o iodo são altamente tóxicos para os felinos e causam perda de pelo imediata.

Hormônios

O sistema endócrino é o que regula o crescimento de pelos nos gatos, o que faz com que qualquer problema hormonal gere alopécia.

São exemplos casos da diminuição de hormônios sexuais após a castração ou o excesso deles em machos dominantes.

Quando a causa da alopécia é um desequilíbrio hormonal, a perda de pelo se manifesta em todo o corpo do animal de maneira uniforme. Nesse caso, é mais simples para o dono identificar o problema.

Doença de Cushing

É uma patologia das glândulas suprarrenais, que produzem excesso de hormônios esteroides. É caracterizada por causar alopécia em gatos simetricamente por todo o corpo.

Psicológico

Os gatos são animais muitos sensíveis e propensos a estressar-se frente a mudanças drásticas e outros fatores psicológicos.

Além disso, ficar preso e entediado pode levar o felino a se coçar em excesso, o que gera a queda de pelo.

Tireoide

O gato pode sofrer de hipo ou hipertireoidismo. Esse transtorno das glândulas tireoides não apenas causa perda de pelo, mas também manchas, descamação e dor, além de febre.

Gato se coçando

Câncer

A alopécia é acompanhada por úlceras na pele, que podem se infectar produzindo secreções purulentas. Essa é uma das causas mais graves da perda de pelo em gatos, pois indicam a presença de carcinoma.

Diagnóstico e tratamento da alopécia em gatos

A alopécia em gatos pode ser facilmente identificada por seus donos, que encontram tufos de pelo por toda parte.

Além disso, será observado que o gato apresentará zonas de pele nua e machucada, lambendo e mordendo a região afetada.

O veterinário fará um exame completo no gato para determinar a causa específica de sua alopécia. Se necessário, ele tomará amostras de pelo, pele, sangue e urina, que ajudaram no diagnóstico.

O tratamento dependerá da causa da alopécia. Algumas delas são simples de tratar, como as pulgas ou micose.

Além disso, há outras causas que podem acarretar problemas de saúde graves, que põem em risco a vida do felino.

Dessa forma, a partir dos primeiros sintomas, é importante fazer uma consulta com um profissional e evitar os tratamentos caseiros.

Devemos lembrar que algumas medidas preventivas podem ser de grande ajuda para cuidar da saúde do gato no lar.

É vital manter o ambiente livre de pulgas, carrapatos e ácaros, ainda mais se você tiver outros animais de estimação.

Outros bons hábitos, como oferecer uma alimentação adequada à idade do animal, podem garantir a saúde da pelagem. Além disso, evite situações que possam estressar o seu pet.