Cães epiléticos, como tratá-los?

A epilepsia não é uma doença fácil, em nenhum caso. Infelizmente, nossos animais de estimação também sofrem com ela. Ver como os cães epiléticos sofrem não é agradável. No entanto, existem diretrizes que podem ser seguidas para tratá-los.

A epilepsia pode ocorrer em qualquer cão, embora existam raças que são mais suscetíveis. Estas são: pastor alemão, São Bernardo, Setter, Poodle, Basset Hound, Dachshund e Beagle.

Quase sempre, sua causa é de origem hereditária. Os ataques geralmente começam a partir dos seis meses aos cinco anos de idade. No entanto, saber como agir diante de tais ataques é essencial para ajudar o nosso animal a ter uma melhor qualidade de vida.

Como tratar os ataques de cães epiléticos?

A epilepsia em cães é semelhante a dos seres humanos. É uma doença cerebral que se apresenta em ataques que acontecem sem qualquer ordem. Eles são causados ​​por descargas produzidas no cérebro.

Estes ataques levam o animal a ter movimentos excessivos de suas extremidades, saliva abundante, nenhum controle de seus esfíncteres e perda de consciência.

O que podemos fazer diante desses ataques epiléticos?

  • Acima de tudo, não fique nervoso. Mantenha a calma e tente colocar seu animal em algum lugar onde ele não possa cair ou ser atingido por um objeto.
  • Deite-o em algo macio, como um colchão ou almofadas. Isso irá amortecer os golpes que ele pode dar no solo devido às convulsões.
  • Embora você ache que seja uma boa ideia mexer na língua do cão, não é. Assim você só conseguirá com que morda e faça mais danos.
  • Coloque-o num lugar calmo quando tudo tiver terminado. Ele irá precisar de alguns minutos de relaxamento, porque as convulsões vão deixá-lo muito cansado e sem energia.
  • Se o seu veterinário recomendou alguma medicação para relaxá-lo, após o ataque é o momento certo para a dar. Normalmente são relaxantes musculares administrados por via retal.

Como posso saber se meu cão vai sofrer um ataque?

Nem todos os ataques são iguais, alguns serão mais fortes do que outros. O que acontece entre todos os casos são alguns sinais que antecipam que o cão vai sofrer um ataque.

Por exemplo, o cão pode se mostrar muito nervoso e inquieto, porque ele próprio está sentindo que algo vai acontecer em seu corpo, e desse modo você também fica avisado.

Por que é importante prestar atenção a estes sinais? Porque dessa forma você poderá prevenir golpes colocando o cão em algum lugar onde ele não irá se ferir, nem cair.

Existe uma cura para os cães epiléticos?

Apesar de ser terrível, felizmente essa doença não é fatal. Obviamente, não é agradável para nenhum dono ver como o seu cão sofre, porque embora sejam poucos minutos ou segundos, para o dono de um animal epilético pode pode parecer uma eternidade.

Normalmente, os cães epiléticos não precisam ir para a emergência. Apenas devem ser levados quando os ataques se repetem com muita frequência ou entre um curto espaço de tempo.

Se a epilepsia é idiomática, que geralmente é a que se herda, esta sim é incurável e o seu cão deverá ter tratamento ao longo da vida.

No entanto, há a epilepsia provocada por um tumor cerebral ou uma isquemia, que pode ser erradicada ao operar o animal.

Geralmente, a epilepsia acontece como algo herdado e não têm cura, mas estar ciente das condições de seu animal de estimação e saber quando os ataques irão ocorrer, tomando medidas para ele não se machuque, irá facilitar muito as coisas e melhorar sua qualidade de vida.