Câncer de cólon em cães: causas e sintomas

As causas exatas do câncer de cólon em cães não são conhecidas atualmente, mas existem vários fatores que podem predispor o animal à doença.
Câncer de cólon em cães: causas e sintomas

Última atualização: 10 Janeiro, 2021

O câncer de cólon em cães começa com a formação de pólipos ou tumores benignos, chamados adenomas, que invadem uma área do cólon. A progressão normal desses tumores é o desenvolvimento de câncer. Por isso, quando detectados, o mais comum é removê-los cirurgicamente.

Os tumores no intestino grosso do cão aparecem principalmente na parte distal do cólon e do reto, e eles podem ser benignos ou malignos. A maioria dos pólipos caninos é benigno, embora o aparecimento de adenomas no intestino grosso possa predispor ao desenvolvimento de câncer de cólon.

Sintomas de câncer de cólon em cães

Normalmente, uma série de exames é necessária para detectar esse tipo de câncer, pois o animal pode se sentir bem emocionalmente e ter uma vida normal sem contar problemas digestivos.

Dependendo do grau de evolução da doença, os sintomas costumam ser defecações muito frequentes e diarreias acompanhadas de sangue e muco. Consequentemente, o animal emagrece progressivamente com o tempo e pode ter problemas de digestão.

Sintomas de câncer de cólon em cães

Como é detectado?

Se o cão estiver aparentemente bem, o veterinário terá que realizar exames, desde testes mais gerais até testes um pouco mais invasivos, como a endoscopia.

  • Um exame de sangue para verificar se os parâmetros sanguíneos estão corretos e se afetam outros órgãos do sistema digestivo. É normal observar sinais de anemia em casos de câncer de cólon em cães, que podem ser corrigidos com tratamento.
  • Uma exame de fezes, para descartar a presença de parasitas como as giárdias que podem estar causando essas diarreias frequentes ou o aparecimento de sangue nas fezes.
  • Ultrassom do abdômen. É usado para ver os órgãos internos do abdômen, como rins, baço, fígado, bexiga, próstata… O ultrassom do trato intestinal pode detectar pequenas massas que se formam na parede do órgão. Contudo, pode ser complicado se houver muitos gases no trato digestivo. Portanto, às vezes é complementado por outros exames.
  • Radiografias de tórax e abdômen, para verificar alterações em órgãos ou corpos estranhos que possam obstruir parte do intestino.
  • Endoscopia digestiva completa. É um exame um pouco mais invasivo do que os anteriores, mas também é uma técnica segura e a melhor forma de visualizar e coletar amostras de tecido. A endoscopia digestiva é a mais comum. Para isso, é necessário anestesiar o animal.
  • Biópsia de tecido intestinal. Normalmente, as máquinas de endoscopia possuem uma pinça de biópsia embutida para coletar amostras de tecido ou remover corpos estranhos. Alguns dispositivos têm até alças para remover pequenos pólipos.

Uma vez obtidas as amostras do tecido suspeito de câncer, um laboratório especializado fará uma análise detalhada que o veterinário da clínica poderá interpretar e, a partir disso, avaliar a evolução da doença e encontrar a solução mais segura para o animal.

O que causa câncer de cólon em cães?

Em suma, a causa dos tumores intestinais não é totalmente compreendida. Alguns fatores que predispõem a esse tipo de câncer em cães são a dieta e doenças inflamatórias intestinais crônicas, como colite ou gastrite.

Como prevenção, recomenda-se oferecer uma dieta de qualidade ao animal, principalmente se ele costuma apresentar problemas de digestão com regularidade. Já existem alimentos de alta digestibilidade para ajudar com esses problemas.

Por outro lado, é muito importante acompanhar o veterinário e observar problemas digestivos ou perda de peso perceptível no cão. A detecção oportuna desses tipos de patologias é por vezes vital para que o veterinário possa oferecer um prognóstico favorável.

Pode interessar a você...
As raças de cães que mais sofrem de câncer
Meus Animais
Leia em Meus Animais
As raças de cães que mais sofrem de câncer

Saber quais raças de cães mais sofrem de câncer irá ajudá-lo a aumentar a frequência das consultas de rotina com o veterinário e a tomar um maior c...



  • G. Valle, L. Arauzo. Adenomatosis intestinal, adenoma intestinal, perro. Clin. Vét. Peq. Anim., 26(1): 23-26, 2006.
  • N. Díez Bru. Dpto. Patología Animal. Facultad de Veterinaria de Madrid. Ecografía abdominal en pequeños animales.
  • Canis et felis. Endoscopia en animales de compañía.Madrid, Acanthis, 2010.