4 principais causas da colite em cães

dezembro 4, 2019
Em alguns casos, a colite em cães pode ser um sintoma de algo mais sério. Por isso, obter informações sobre as suas causas é algo valioso para impedir que o seu cachorro tenha esse problema.

A colite em cães é uma doença comum caracterizada pela irritação do cólon. Na verdade, ela não é uma doença em si, mas sim um sintoma de várias outras doenças e problemas.

Literalmente, colite significa ‘inflamação do cólon’. O cólon é o último segmento funcional do trato gastrointestinal (GI), e é o responsável pelas fases finais da digestão.

Como entender a colite em cães

Quando o revestimento do cólon fica irritado e inflamado, a última parte do processo digestivo é interrompida. Como resultado, são produzidos mediadores que promovem o estado inflamatório, cujo progresso afeta a integridade da parede intestinal.

Em outras palavras, a barreira que separa o conteúdo intestinal da corrente sanguínea é danificada com a colite, resultando em ulcerações. Ao mesmo tempo, a inflamação desencadeia secreções de muco e outras substâncias do revestimento do cólon, que interferem na motilidade intestinal normal.

A nível celular, a capacidade do cólon de absorver a água dos resíduos alimentares e armazenar e transportar as fezes se reduz. Isso faz com que as fezes fiquem soltas, aguadas, gordurosas, e às vezes com manchas de muco ou de sangue vermelho fresco.

Cocô de cachorro no chão

Os animais de estimação com colite não conseguem nos dizer o que estão sentindo, mas esta doença é muito semelhante à colite em humanos. Dessa forma, podemos supor que um cachorro com essa condição esteja lidando com muito desconforto e dor.

Principais causas da colite em cães

1. Alteração da microbiota ou disbiose intestinal

A microbiota intestinal é o conjunto de todos os micro-organismos vivos – bactérias, fungos, protozoários e vírus – que habitam o trato gastrointestinal. As bactérias são os micróbios mais abundantes no intestino.

Embora o termo ‘flora intestinal’ seja usado frequentemente na literatura tradicional, ‘microbiota’ – do grego ‘bio’: ‘vida’ – é o termo mais apropriado.

A diversidade de espécies bacterianas que habitam o intestino é enorme. Elas habitam o intestino e estabelecem o seu próprio ecossistema; quando o estado de saúde é bom, esse ecossistema atinge um equilíbrio.

Estima-se que o número de bactérias no cólon esteja na ordem dos bilhões de células. Isto é, aproximadamente 10 vezes mais do que o número de células do corpo do cachorro inteiro; daí a sua importância.

A alteração do equilíbrio normal da microbiota é conhecida como disbiose intestinal. Entende-se como alteração as mudanças na composição ou na riqueza, ou seja, na diversidade de espécies bacterianas únicas.

Essa alteração da microbiota pode ser induzida por uma variedade de fatores, desde um tratamento com antibióticos até uma dieta inadequada e estresse.

Os estudos em humanos e cães já associaram a disbiose intestinal a vários distúrbios gastrointestinais. Entre eles estão a doença inflamatória intestinal, a colite granulomatosa e a síndrome do intestino irritável.

Embora nem sempre fique claro se a disbiose é a causa ou o efeito da doença gastrointestinal, sabe-se que a restauração da microbiota tem um efeito favorável no tratamento da doença.

2. Estresse

O estresse canino é uma importante causa de colite, especialmente em cães que vieram de abrigos. Eventos como viagens e mudanças podem causar estresse, mas cada cachorro tem o seu próprio gatilho para o problema, que pode levar à colite.

3. Infecções ou parasitas

Escherichia Coli, Salmonella, Giardia, vermes e outras infecções por bactérias e parasitas do intestino podem causar a colite. Os cães são infectados através de alimentos ou água contaminados, ou ainda por meio de outros cães.

Por isso, lembre-se de levar uma garrafa de água e uma tigela retrátil durante as caminhadas mais longas, para que o seu cachorro não fique com vontade de beber a água empoçada. Também tenha em mente que até mesmo a água que parece limpa pode estar contaminada.

4. Alergias

Os cães podem ser alérgicos aos mesmos alérgenos que os seres humanos, desde alimentos até o ambiente e utensílios domésticos. Assim como acontece com as alergias humanas, as alergias em cães podem ser difíceis de diagnosticar.

A importância da raça para o desenvolvimento da colite em cães

Sabe-se que os fatores genéticos são importantes quando falamos sobre doenças inflamatórias intestinais.

Os cães da raça boxer, por exemplo, são predispostos à colite ulcerativa histiocítica, que está associada à doença inflamatória intestinal canina, enquanto os pastores alemães têm uma maior incidência de enterocolite linfocítica-plasmocítica.

Cachorro com olhar perdido

A síndrome do intestino irritável, uma causa comum da colite em cães, costuma ser observada em animais nervosos. Os animais de estimação que comem indiscriminadamente, bem como os animais que vagam sozinhos ao ar livre, também têm um risco aumentado de colite.

Como você pode ver, é possível prevenir ou reduzir os fatores que podem levar o seu cachorro a desenvolver a colite. A chave está em permanecer devidamente informado e consultar um veterinário diante de qualquer dúvida.

  • Bush, B. (1995). Colitis in the dog. In Practice, 17(9), 410-417.
  • Suchodolski, J. S. (2016). Diagnosis and interpretation of intestinal dysbiosis in dogs and cats. The Veterinary Journal, 215, 30-37.
  • Ackerman, N. (2017). The canine microbiome. The Veterinary Nurse, 8(1), 12-16.
  • Bhagat, R., Sheikh, A. A., Wazir, V. S., Mishra, A., & Maibam, U. (2017). Food allergy in canines: A review. Journal of Entomology and Zoology Studies, 5(6), 1522-1525.
  • Heilmann, R. M., & Allenspach, K. (2017). Pattern-recognition receptors: signaling pathways and dysregulation in canine chronic enteropathies—brief review. Journal of Veterinary Diagnostic Investigation, 29(6), 781-787.