Como calcular melhor as porções de comida dos cães

novembro 7, 2019
Se queremos manter nosso animal de estimação em perfeitas condições de saúde, uma das maneiras é através de sua dieta; te ensinaremos a calcular as porções de comida do seu cão.

A hora de comer é um dos momentos pelos quais todos os animais de estimação esperam impacientemente. Por isso, está em nossas mãos garantir que eles se alimentem na medida certa. Se você ainda tiver alguma dúvida sobre essa última questão, falaremos sobre como calcular melhor as porções de comida dos cães.

Quais fatores influenciam a alimentação?

Assim como nós, cada animal tem necessidades nutricionais básicas. Se transferirmos isso para os cães, há vários parâmetros que determinarão, por exemplo, o tipo de ração mais adequada. Esses parâmetros são facilmente identificáveis:

  • Tamanho, raça e peso: estes são os indicadores fundamentais ao calcular as porções de comida dos cães.
  • Nível de atividade: varia se o seu cão é mais ativo ou, pelo contrário, prefere ficar quieto em casa. Este parâmetro tem uma certa relação com a raça.
  • Idade.
Cães comendo

A seguir, explicaremos todos esses parâmetros, pois conhecê-los pode ajudá-lo a calcular as porções de comida do seu cão.

Tamanho, raça e peso

Como já indicamos, esses parâmetros são os que mais ajudam a calcular a quantidade de alimento de que o animal de estimação precisa.

É evidente que o tamanho tem uma grande influência, mas, ao contrário do que se pensa, um cão pequeno gasta mais recursos energéticos, proporcionalmente, do que um cão grande. Isso não significa que você deve aumentar a dose.

Quanto à raça e peso, o ideal é consultar as tabelas que alguns órgãos oficiais costumam publicar. Nelas, podemos encontrar um guia que relaciona raça e peso, e que indica a quantidade ideal de alimento.

Por exemplo, no caso de um cão anão – como um Chihuahua – com um peso que não exceda os três quilogramas, sua ração diária deverá variar entre 50 e 90 gramas.

Saiba calcular as porções de comida do seu cão

Se, por outro lado, seu amigo é um cachorro grande – um Terra Nova, por exemplo – com uma faixa de peso acima de 50 kg, sua ração diária não deve ser inferior a 500 gramas.

As porções de comida dependem da atividade e da idade dos cães

A energia que o cão demonstra no dia a dia também irá influenciar a sua dieta.

Se o nível de atividade for alto, devido a longas caminhadas ou outras atividades, a ingestão calórica necessária será maior, portanto é necessário aumentar a quantidade de comida oferecida. Isso não acontece no caso de cães mais sedentários.

Por último, a idade também condiciona a dieta dos cães, tanto em quantidade quanto em qualidade. Nesse caso, o tipo de dieta deve variar conforme o cão cresce.

Em sua fase de filhote, e depois de deixar a amamentação para trás, é aconselhável oferecer alimentos de alto valor energético, cerca de quatro vezes ao dia.

À medida que cresce, o tipo de alimento e a frequência variam até atingir a idade avançada. Nesse caso, a dieta deve ser pobre em gordura e em quantidades moderadas para evitar o excesso de peso causado pela falta de mobilidade.

Cachorro comendo ração

Ferramentas adicionais para definir as porções de comida dos cães

Se você ainda tem dúvidas, existem alguns recursos que podem ajudá-lo. O mais comum é recorrer às instruções do fabricante nas embalagens de alimentos. Ali, podemos encontrar informações detalhadas sobre o tipo e a quantidade de alimento, dependendo das suas características.

Da mesma forma, também é útil ter um copo medidor. Se você já sabe qual é a quantidade necessária de alimento, esse utensílio irá facilitar a dosagem exata. A tecnologia também está a serviço dos animais de estimação, e existem calculadoras na Internet para o controle da ingestão calórica dos cães.

Por último, mas não menos importante, ir ao veterinário é sempre uma boa opção para entender as necessidades nutricionais específicas do seu cão.

  • Domínguez, M. S. G., & Bernal, L. (2011). Diagnóstico y manejo de la obesidad en perros: una revisión. Revista CES Medicina Veterinaria y Zootecnia6(2), 91-102.
  • Rohlf, V. I., Toukhsati, S., Coleman, G. J., & Bennett, P. C. (2010). Dog obesity: can dog caregivers'(owners’) feeding and exercise intentions and behaviors be predicted from attitudes?. Journal of Applied Animal Welfare Science13(3), 213-236.