Cão Boxweiler: características e curiosidades

As raças mestiças estão cada vez mais na moda, pois combinam as vantagens de seus pais (mas também seus problemas). Aqui apresentamos a você o boxweiler.
Cão Boxweiler: características e curiosidades

Última atualização: 16 setembro, 2022

O boxweiler, como muitas outras raças mestiças, foi criado buscando combinar as melhores características de suas duas raças progenitoras. Neste caso, este cão é resultado de uma mistura entre um boxer e um rottweiler.

Se você quiser conhecê-lo, aqui contamos sua origem, as características resultantes dessa mistura e os cuidados necessários para preservar sua saúde. Não perca nada, pois como todas as outras raças e mestiços, estes cães têm muito amor para dar. Vamos lá!

Características do boxweiler

Um boxweiler é, como foi dito antes, a raça mestiça resultante da união de um boxer e um rottweiler. A partir disso, obtêm-se cães com aspectos bastante diferentes, tanto na aparência quanto no tamanho (embora as raças de de origem sejam de tamanho semelhante).

Quanto às cores, variam do preto ao branco, passando pelo marrom, tigrado e malhado. Eles também tendem a herdar características combinadas de ambas as raças, como os lábios caídos do boxer ou a forte estrutura óssea craniana do rottweiler.

A expectativa de vida deste cão mestiço é de 8 a 13 anos.

A história da raça

O boxweiler começou a ser conhecido na década de 1980, por isso é uma miscigenação recente. Como sempre, esta mistura responde aos gostos estéticos e funcionais do ser humano, que procurou obter um cão de proporções robustas, forte e com grande tendência a estabelecer laços com os seus tutores.

A partir desta configuração, são obtidos cães de guarda e defesa. No entanto, há também um mercado bastante amplo que busca criar raças com configurações estéticas de acordo com a moda. O focinho achatado do boxer, por exemplo, é uma característica altamente valorizada.

O caráter do boxweiler

Geralmente, esses cães desenvolvem um forte vínculo com sua família. Eles são leais, afetuosos e até um pouco superprotetores se não forem devidamente educados. Do boxer, eles herdam essa eterna paixão por brincar e, do rottweiler, sua atitude de guarda pessoal.

Assim, o resultado é um cão fiel que se preocupa com sua família. Infelizmente, isso também significa que eles têm dificuldade em conviver com outros animais ou lidar com estranhos, mas não é nada que não possa ser corrigido com apresentações adequadas e educação consistente.

A teimosia também se destaca em muitos exemplares. É difícil fazê-los entender que não podem realizar certos comportamentos, mas também são cães muito inteligentes, por isso não terão problemas para aprender nada.

Saúde geral

O boxweiler está predisposto às mesmas doenças que suas duas raças progenitoras. Isso se deve ao fato de ambas serem raças puras, razão pela qual carregam certos problemas congênitos por centenas de gerações. Vamos ver as mais importantes:

  • Displasia articular: anomalia do desenvolvimento ósseo nas articulações que produz sua instabilidade, com a consequente dor e problemas motores.
  • Sarna demodécica: causada por um ácaro (Demodex canis) naturalmente presente nos folículos pilosos. Diante de cuidados deficientes com a pele ou queda nas defesas, eles se proliferam e causam vermelhidão da pele, coceira e alopecia na área afetada.
  • Doença cardíaca: os problemas cardíacos são herdados diretamente do boxer. As mais frequentes são as estenoses arteriais, as cardiomiopatias e as arritmias.
  • Osteossarcoma (OSA): é um tumor das células primitivas do osso muito comum em raças grandes. A taxa de sobrevivência é baixa: apenas 15-20% dos espécimes vivem até um ano após o aparecimento do tumor.
  • Dilatação-torção gástrica: também típica de cães grandes. Nesse distúrbio, o estômago se dilata e pode se dobrar sobre si mesmo (como um balão). É uma emergência veterinária e coloca em risco a vida do animal.
  • Problemas de tireoide: tanto o hipotireoidismo quanto o hipertireoidismo são doenças comuns no boxweiler. Essas doenças consistem na falta de atividade da glândula tireoide ou sua hiperatividade, respectivamente.
  • Problemas oculares: retinopatias, ectrópio e outros são comuns em raças com pele facial frouxa, como o boxer.

Cuidados especiais com o boxweiler

filhotes de boxer

Para manter um boxweiler em ótima saúde, você precisa prestar atenção ao seu pelo, orelhas e pés. Verificar diariamente e fazer limpezas regulares manterá parasitas e infecções afastados.

No campo psicológico, os pontos a serem considerados são a educação e o enriquecimento ambiental. Como são animais teimosos e um tanto desconfiados com estranhos, será necessário ensiná-los a socializar sem medo ou agressividade.

Por outro lado, são cães inteligentes e com alto nível de energia, por isso precisarão se exercitar e brincar diariamente. Caso contrário, eles podem desenvolver problemas como ansiedade, depressão ou comportamentos destrutivos.

E, por fim, respeitar o calendário de vacinação e desparasitação, bem como fornecer uma alimentação adequada, é a base para garantir a saúde e boa vida do seu cão. Lembre-se de que a felicidade que esses animais trazem deve ser recíproca.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Meurs, K. M. (2004). Boxer dog cardiomyopathy: an update. Veterinary Clinics: Small Animal Practice34(5), 1235-1244.
  • Malm, S., Fikse, W. F., Danell, B., & Strandberg, E. (2008). Genetic variation and genetic trends in hip and elbow dysplasia in Swedish Rottweiler and Bernese Mountain Dog. Journal of animal breeding and genetics125(6), 403-412.
  • FCI. (s. f.). ROTTWEILER. Recuperado 8 de agosto de 2022, de https://www.fci.be/es/nomenclature/ROTTWEILER-147.html
  • FCI. (s. f.-a). DEUTSCHER BOXER. Recuperado 8 de agosto de 2022, de https://www.fci.be/es/nomenclature/BOXER-144.html

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.