Meu cão está com o focinho inchado: o que isso significa?

Um dos sentidos mais sensíveis que os cães têm é o olfato, com o qual são capazes de detectar odores a vários metros de distância. Por isso, eles usam o nariz como uma das principais ferramentas para conhecer o seu entorno.
Meu cão está com o focinho inchado: o que isso significa?
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 06 dezembro, 2022

Os cães tendem a ser animais bastante curiosos, por isso é muito comum que em algum momento comam, mastiguem ou brinquem com coisas ou substâncias inadequadas. Consequentemente, há uma alta probabilidade de que o cão se machuque e faça com que seu focinho pareça inchado.

Embora seja verdade que esses tipos de problemas geralmente não são causados por lesões graves, é melhor prestar atenção e detectar a causa o mais rápido possível. Continue lendo e descubra algumas das razões mais frequentes pelas quais um cachorro pode ficar com o focinho inchado.

Por que é comum o cão ficar com o focinho inchado?

Ao contrário dos humanos, os cães não podem usar facilmente seus membros para agarrar, manipular ou perceber o ambiente ao seu redor. Portanto, eles usam a boca como uma ferramenta que lhes permite conhecer seu mundo. No entanto, a mucosa oral não é projetada para lidar com algumas substâncias ou objetos irritantes, o que acaba promovendo a inflamação.

Os sentidos dos cães são muito sensíveis aos cheiros, mas não tanto aos sabores. Portanto, se cheiram algo que chama a atenção, começam a lamber ou morder, independentemente de ser agradável ao paladar. Além disso, eles não questionam se é um objeto perigoso, um inseto ou mesmo materiais inertes, como pedras.

cheiro de cachorro

Quais são as causas do focinho inchado nos cães?

Existem muitas razões pelas quais um cão pode ficar com um focinho inchado. Embora nem todos representem um risco iminente para a qualidade de vida ou o bem-estar do animal, é sempre melhor tentar reconhecer a causa para evitar complicações. Entre os agentes causais mais frequentes deste problema estão os seguintes.

1. Reações alérgicas

É uma reação excessiva do sistema imunológico a uma ou várias substâncias (alérgenos) que podem ser desde objetos até qualquer alimento. A inflamação produzida depende de cada caso, mas varia desde reações leves ou quase imperceptíveis, até situações graves que podem obstruir a respiração.

2. Picadas de artrópodes

Vários invertebrados produzem certas substâncias irritantes que podem induzir inflamação na boca do cão. Normalmente, esses tipos de mordidas são causados quando o animal tenta morder ou comer um inseto “venenoso”.

3. Neoplasias ou tumores

As neoplasias são causadas pelo crescimento descontrolado de certas células em qualquer região da boca. Elas geralmente são vistas como uma massa amorfa em crescimento contínuo, que pode se assemelhar um pouco à inflamação. Ao contrário do que se poderia pensar, a cavidade oral é um dos locais mais comuns onde ocorrem neoplasias.

4. Infecções orais

A boca também contém muitos tipos de bactérias e até fungos que podem infectar algumas feridas na cavidade oral. Além da inflamação, esses tipos de complicações também apresentam outros sintomas, como mau hálito, perda de apetite e dor constante.

À medida que envelhecem, os cães tendem a apresentar mais alterações dentárias, que favorecem a presença de diferentes tipos de infecções. De fato, a inflamação das gengivas (gengivite) é um dos casos clínicos mais frequentes em cães.

Gengivite em cães: causas

5. Osteopatias

Existem algumas doenças crônico-degenerativas que podem fazer com que o focinho do cão fique inchado. Um exemplo disso é a osteopatia craniomandibular, que se torna evidente nos primeiros anos de vida.

6. Traumatismo

Golpes severos na mandíbula podem causar inchaço temporário na área, mas problemas mais sérios também são possíveis, dependendo da gravidade do trauma. Especialmente nos casos em que a integridade da mandíbula e sua estabilidade são afetadas, como fraturas ou luxações.

7. Objetos presos

Devido ao hábito de morder ou mastigar objetos duros, os cães podem fazer com que certos fragmentos fiquem presos em sua mucosa oral. Se não forem removidos, isso provavelmente irritará várias áreas da boca e levará à inflamação.

Como reduzir a inflamação no focinho do cão?

É importante ressaltar que, para ajudar a desinchar o focinho inchado do pet, é preciso saber exatamente o que causou a inflamação. Caso contrário, é melhor evitar o uso de remédios caseiros que possam colocar em risco a integridade do animal.

Uma opção adicional é tentar verificar o interior da boca do cão para detectar onde está a inflamação. Com isso, também é possível identificar se há algum objeto preso ou abscesso que indique a presença de infecção. Observe que esta verificação só deve ser realizada se o cão permitir. Não tente forçá-lo, pois provavelmente causará muita dor.

Embora seja verdade que muitos cães com nariz inchado se curem sem ajuda, é melhor consultar um veterinário imediatamente. Dessa forma, o especialista poderá detectar com maior certeza a origem do problema e lhe dará o tratamento adequado.

Qual é o tratamento para cães com focinho inchado?

O tratamento dependerá da causa que causa a inflamação do focinho do cão. Obviamente, seu veterinário provavelmente prescreverá anti-inflamatórios para tratar a dor e o desconforto do seu animal de estimação. No entanto, também é provável que sejam usados:

  • Anti-histamínicos: para alergias.
  • Antibióticos: para infecções bacterianas.
  • Antifúngicos: para infecções fúngicas.
  • Profilaxia dentária: procedimento clínico que limpa a boca do animal (realizado por especialistas).
Gengivite em cães: tratamento

Nos casos mais graves, como fraturas, neoplasias ou osteopatias, o veterinário pode recomendar uma ou mais cirurgias. Mais uma vez, apenas o especialista poderá informá-lo sobre a situação e o prognóstico do seu animal de estimação. Lembre-se: evite automedicar seu animal de estimação e ofereça a atenção médica que ele merece.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Jaramillo Cisneros, F. J., & Palomino Díaz, H. S. (2021). Evaluación de un protocolo de prevención de la hipotermia durante anestesia general en perros domésticos sometidos a profilaxis dental.
  • Chilón-Cornejo, V., Diaz-Coahila, D., & Gonzáles, Y. C. (2020). Osteopatía craneomandibular en un canino mestizo. Revista de Investigaciones Veterinarias del Perú, 31(3).
  • Páucar Perez, J. L. (2015). Frecuencia de neoplasias en cavidad oral de caninos y felinos, diagnosticadas histopatológicamente en el laboratorio de histología, embriología y patología veterinaria de la FMV-UNMSM (periodo 2007-2013).
  • Castejon, R., Calvo, I., Trobo, J., San Román, F. (2003). NEOPLASIAS MALIGNAS DE ORIGEN NO ODONTOGÉNICO DE LA CAVIDAD ORAL DEL PERRO. COVELMA Pequeños animales, 34-36.
  • Grandez, R., & Porras, C. (2006). Frecuencia de alteraciones dentales y periodontales en perros atendidos en la clínica veterinaria de la Universidad Peruana Cayetano Heredia durante mayo–octubre. Salud tecnol. vet.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.