Os cavalos de Chernobyl: como eles sobrevivem?

Na Zona de Exclusão de Chernobyl, onde a radiação atinge níveis extremamente perigosos, prospera uma das poucas populações de cavalos de Przewalski do mundo.
Os cavalos de Chernobyl: como eles sobrevivem?

Última atualização: 11 Maio, 2021

O desastre de Chernobyl causou a evacuação da cidade e seus arredores. Após a explosão, estimou-se que toda a área permaneceria como um deserto inabitável por milhares de anos. No entanto, após o desaparecimento dos humanos, a vida selvagem floresceu novamente e os cavalos de Chernobyl são a prova viva disso.

Apesar dos altos níveis de radiação, Chernobyl se tornou um refúgio para sua exuberante biodiversidade. Espécies de animais que estão desaparecendo de outros lugares por causa da pressão humana colonizaram esse local e contam com populações numerosas.

Esse é o caso dos cavalos de Przewalski, que foram introduzidos em Chernobyl 12 anos após a explosão. Esses equídeos estiveram à beira da extinção, portanto, suas populações crescentes na Zona de Exclusão constituem uma oportunidade única para sua conservação. Se você quiser aprender mais sobre eles, continue lendo.

Características dos cavalos de Chernobyl

Até alguns anos atrás, acreditava-se que os cavalos de Przewalski eram a única espécie de cavalo selvagem remanescente no mundo. No entanto, estudos recentes publicados na revista Science descobriram que eles são descendentes ferozes de cavalos domesticados pelo Botai, uma das primeiras culturas que domesticaram esses animais.

Atualmente, esses equinos são classificados na subespécie Equus ferus przewalskii. Embora não sejam realmente cavalos selvagens puros, eles são a coisa mais próxima que existe deles. Como tal, eles conservam muitas das características que os antigos ancestrais selvagens exibiam.

Os cavalos de Przewalski são menores, mais curtos e mais musculosos do que os espécimes domésticos típicos. Seu aspecto geral é robusto e um pouco rechonchudo e a cor da pelagem é castanha ou laranja na maior parte do corpo, tornando-se mais escura na cabeça.

O focinho e a barriga desses cavalos são brancos. As patas, a cauda e a crina, que vai do pescoço à cabeça, são pretas. Durante o inverno, esses mamíferos desenvolvem pelos grossos, enquanto no verão são mais curtos.

 

Um cavalo de Chernobyl olha para a câmera.

Ecologia do cavalo de Przewalski

Esses cavalos geralmente vivem em manadas, que geralmente consistem de um macho adulto, várias fêmeas e sua prole. Quando os jovens atingem 2 ou 3 anos de idade, eles abandonam a manada. As fêmeas jovens costumam se juntar a outras manadas já estabelecidas.

Os machos, por outro lado, formam novas manadas com outros machos jovens ou machos velhos demais para defender grupos de fêmeas. Quando atingem cerca de 5 anos, os machos tentam formar suas próprias manadas, roubando-as de outros machos ou atraindo fêmeas dispersantes.

Sua extensão natural foi quase completamente destruída pelo uso humano. Portanto, eles são encontrados atualmente apenas em partes da China, Mongólia e, claro, nos arredores de Chernobyl na Ucrânia e na Bielorrússia.

Em relação aos seus habitats, esses cavalos geralmente são encontrados em pastagens, estepes ou áreas semidesérticas. É importante a presença de vegetação herbácea ou matagais para sua alimentação. Os cavalos de Chernobyl costumam usar estruturas humanas abandonadas como refúgio para se proteger do frio ou dos parasitas.

Como os cavalos de Chernobyl sobreviveram?

Os níveis de radiação em Chernobyl diminuíram desde a explosão. Mesmo assim, ainda são incrivelmente perigosos para todos os seres vivos multicelulares, incluindo os humanos.

Hoje em dia, os efeitos específicos da radiação em animais nessa área não são totalmente conhecidos. Contudo, observou-se que esses equídeos apresentam maior taxa de mutação, mais deformidades e defeitos, menor expectativa de vida e uma série de outros problemas que ameaçam sua saúde.

Além disso, parece haver menos abundância de alguns animais em áreas com maior quantidade de radiação. As espécies de invertebrados parecem sofrer especialmente com esses efeitos.

Por outro lado, é possível que os animais estejam desenvolvendo adaptações fisiológicas ou comportamentais para resistir à radiação, embora isso ainda esteja sendo investigado.

Apesar de tudo isso, está claro que os animais de Chernobyl estão prosperando como em poucos outros lugares do planeta. Isso parece especialmente verdadeiro para as espécies de grandes mamíferos, cada vez menos abundantes no resto do mundo.

Essa estranha situação parece indicar que a pressão exercida pelo ser humano sobre o meio ambiente é ainda mais grave do que a explosão de um reator nuclear. Apesar dessa radiação tão prejudicial, os animais selvagens são capazes de prosperar desde que os humanos e sua influência desaparecem.

 

Uma vista panorâmica de Chernobyl.

Chernobyl serve hoje como um refúgio incomum para a vida selvagem. Diante dessa oportunidade inesperada, é importante proteger a área e não retomar a atividade humana. Isso permitirá a conservação de suas espécies e garantirá a saúde das pessoas.

Pode interessar a você...
O guardião dos animais de Fukushima
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O guardião dos animais de Fukushima

Naoto Matsumura cuida, sem desanimar, de muitos animais que foram abandonados à própria sorte em Fukushima depois do acidente nuclear.