Coccidiose em cordeiros e bezerros

março 3, 2019

Nutrição inadequada ou má higiene podem causar a coccidiose em cordeiros, que frequentemente afeta de forma grave animais jovens.

A coccidiose em cordeiros e outros ruminantes é uma das doenças que mais afeta as fazendas, por isso é importante saber como se manifesta.

Embora surjam cada vez mais casos de coccidiose em cães, a doença continua afetando mais os cordeiros.

O que é coccidiose?

As coccidioses são todas aquelas doenças cujo agente etiológico, ou seja, o agente patogênico causador da doença, é um coccídio (tipo de parasita).

Especificamente, nos referimos aos parasitas que pertencem ao gênero Eimeria. Eles se instalam no intestino de ruminantes, causando uma diarreia bastante problemática em animais jovens.

A coccidiose em cordeiros, e especialmente os seus sintomas, dependem do número de oocistos ingeridos (ovos dos parasitas), do tempo da infecção, das espécies de parasitas e das espécies animais que estão infectadas. Além disso, há a possibilidade de coccidiose com infecções mistas, o que agrava a doença.

A coccidiose em cordeiros e outros ruminantes é um processo que não é autolimitante. Ou seja, não se cura com o tempo, sozinha, mas precisa de tratamento.

Mesmo assim, após um mês ou um mês e meio, o animal geralmente deixa de ter sintomas, apesar de continuar infectado.

coccidiose em cordeiros

Sintomas de coccidiose em cordeiros e bezerros

Embora a coccidiose em cordeiros tenha grande frequência, ela também afeta outros ruminantes, como os bezerros.

No caso do gado, a coccidiose se manifesta com uma série de sintomas: os animais ficam fracos, perdem peso, têm diarreia amarelada e dor abdominal.

A coccidiose aguda ocorre em animais com menos de seis meses, nos quais a diarreia sanguinolenta perdura por vários dias.

Além disso, ocorre anemia, perda de peso em abundância e tenesmo, ou prolapso retal. A recuperação é lenta e leva mais de uma semana.

Estes animais também podem sofrer de uma coccidiose crônica, por exemplo, numa reinfecção, que produz diarreia intermitente com fezes, que podem ser ralas ou com sangue. Assim como perda de peso, fraqueza, apatia, pelo áspero, olhos encovados e orelhas inclinadas para trás. Com esses sintomas, geralmente temos um número baixo de oocistos nas fezes do animal, ao contrário dos processos agudos.

É importante notar que algumas espécies de Eimeria causam sinais nervosos em animais, com tremores, tombos, incoordenação ou mesmo cegueira.

Animais afetados por coccidiose apresentam mau cheiro e diarreia, que pode ter sangue.

Geralmente é acompanhado por sinais gerais, como fraqueza, desidratação e anemia. Nestes casos, é comum observar vários cordeiros manchados pelos restos de diarreia.

Menina abraçando cordeiro

Diagnóstico e tratamento em cordeiros

O diagnóstico é feito pelos sintomas e pelo uso de exames laboratoriais, principalmente com amostras de mucosa intestinal.

Além disso, é feita uma busca por oocistos nas fezes, por um veterinário. Esta doença pode ser confundida com outras que causam diarreia em animais jovens, por isso, deve ser confirmada com um exame de fezes.

Nas fazendas, os cordeiros costumam ser vermifugados por uma droga conhecida como toltrazuril.

Ela é administrada em todos os animais, afetados por coccidiose ou saudáveis. Isto se dá porque a doença pode afetar os animais sem apresentar sintomas.

As condições de manejo são muito importantes. A higiene deve ser reforçada. E a separação de cordeiros filhotes de animais adultos também é importante, preferencialmente na área de umidade mais baixa da instalação.

Ter cuidado com a alimentação das ovelhas também é fundamental, pois erros na dieta podem causar distúrbios digestivos que pioram a coccidiose.

  • TAYLOR, m. Diagnosis and control of coccidiosis in sheep. In Practice, v17, p. 172-177, 1995.
  • VERCRUYSSE, J. The coccidia of sheep and goats in Senegal. Veterinary Parasitology, v. 10, p.297-306, 1982.