Como contar ao meu filho que seu animal de estimação morreu?

Contar ao seu filho que o animal de estimação morreu é doloroso, mas pode ser feito de maneira saudável e sincera. É possível lidar com a perda desde cedo.
Como contar ao meu filho que seu animal de estimação morreu?

Última atualização: 29 Abril, 2021

Contar a uma criança que seu animal de estimação morreu é uma bebida amarga para qualquer pai e mãe. Além disso, é algo que deve ser feito com delicadeza. Embora os adultos estejam familiarizados com o ciclo da vida, os pequenos podem não entender muito bem.

Os animais que convivem com humanos acabam se tornando mais um membro da família. Infelizmente, eles geralmente vivem menos do que nós, então passar pela sua morte acaba sendo um acontecimento inevitável. De qualquer forma, é possível enfrentar uma perda de forma saudável e sincera, sem evitar o luto. Descubra como fazer isso a seguir!

Como contar ao meu filho que seu animal de estimação morreu?

As crianças criam fortes vínculos com os animais com os quais convivem. Além disso, nessas idades elas geralmente ainda não vivenciaram a morte de um ente querido. Por isso, é preciso ter cuidado para que essa dor seja vivida da maneira mais natural possível.

Nas linhas a seguir, você vai encontrar algumas dicas para lidar corretamente com essa situação. Em primeiro lugar, tenha paciência, pois nem todas as pessoas sofrem da mesma maneira e as crianças não são uma exceção.

Prepare o terreno

Quando se trata de uma morte anunciada, o ideal é preparar psicologicamente seu filho para esse momento. Alguns adultos preferem não saber quando um ente querido vai morrer, mas tenha em mente que essa preferência decorre da experiência com o luto, que falta às crianças. Você pode fazer isso da seguinte maneira:

  • Explique à criança a situação do animal: isso é muito útil para evitar a sensação de incompreensão quando ela se perguntar por que seu animal de estimação morreu.
  • Fale sobre a morte com naturalidade: a tristeza e a morte fazem parte da vida. Aceitar esses acontecimentos e suas emoções como naturais é essencial para um luto saudável.
  • Aproveite os últimos dias: antecipar a dor pela perda pode fazer com que seu filho veja a morte como algo sempre traumático, o que pode gerar medo nele. Aproveite os últimos dias para que o animal de estimação, seu filho e você possam preencher seus dias com amor.
Criança abraçando uma ovelha.

A sinceridade é o segredo

Não minta nem amenize a situação. É inútil evitar esse processo de luto, pois, mais cedo ou mais tarde, toda criança terá que passar por um momento como esse. Além disso, os pequenos são extremamente intuitivos e sabem quando algo está errado.

A aceitação e o processamento adequado do fato devem ter como base a realidade, tanto para os adultos quanto para as crianças. Ter uma despedida emocional do animal é tão importante quanto superar sua partida, então não evite a situação.

Normalize os sentimentos que surgem quando o animal morre

A criança pode não saber como se sentir se essa for a primeira vez que ela enfrenta uma perda. Sentimentos negativos como a tristeza, se não forem processados adequadamente, podem se enraizar ou serem vistos como algo ruim.

A tristeza é algo normal na vida e pode ser vivida com a mesma normalidade da alegria. Compartilhar seus sentimentos com seu filho vai ajudá-lo a entender que não há problema em chorar ou se sentir mal. Dessa forma, você também saberá que é normal que a emoção negativa passe por si mesma e sem traumas.

Você também pode realizar uma pequena cerimônia para dizer se despedir do animal. Os rituais funerários são úteis para a transição psicológica ao entendimento de que alguém se foi.

Responda suas perguntas

As crianças perguntam sobre o que não sabem e sua atitude inquisitiva deve ser levada em consideração. Preparar respostas simples e honestas para as dúvidas que a criança possa ter é muito útil para lhe transmitir uma ideia adequada sobre a morte.

Também é importante ajustar a fala à idade da criança. Eufemismos ou metáforas não são necessários, mas você pode precisar usar frases mais curtas e um vocabulário mais simples para entender.

Seu animal de estimação morreu e não pode ser substituído

Nas gerações atuais das crianças, existe uma ideia relativamente implantada: para aliviar a dor da perda do animal, pode-se comprar ou adotar outro. Essa opção não é apenas ineficaz – esse animal tem uma identidade – como também encoraja a concepção de seres vivos não humanos como objetos substituíveis.

Isso não significa que não poderá haver outro animal na casa. Como acontece com qualquer perda, é necessário tempo para assimilar e se recuperar antes de passar para outro estágio. Não tenha pressa e viva o luto com seu filho: seu vínculo ficará ainda mais forte se você demonstrar compreensão.

Um menino puxando um carrinho com um Labrador dentro.

A descendência humana tem a capacidade maravilhosa de nos trazer de volta aos sentimentos e às ideias mais simples. Muitas vezes, ajudar as crianças a amadurecer envolve revisar suas próprias ideias e evoluir quando você pensa que já está totalmente definido.