Criação de codornas: cuidados e conselhos

· fevereiro 24, 2018

A criação de codornas vem ganhando cada vez mais adeptos nas últimas décadas. São animais inteligentes e sociáveis, mas requerem muita atenção quanto a sua higiene e nutrição. Conhecer os cuidados específicos que essas aves requerem é fundamental para preservar a saúde de seus animais de estimação e do lar.

Características da espécie

O termo “codorna” denomina popularmente a menor espécie de ave galinácea da família Phasianidaeque habita a Europa. Seu corpo é pequeno e arredondado, mas com longas asas, permitindo a elas a capacidade de voar longas distâncias. Uma anatomia ideal para uma ave nômade que migra entre os 5 continentes, principalmente entre a África e a Eurásia.

Outra característica importante é a coloração de sua plumagem. Os tons pardos, marrons e negros permitem uma camuflagem quase perfeita com o solo e com os troncos das árvores. Isso confunde seus predadores e ajuda a proteger a espécie.

Diferenças entre machos e fêmeas

Machos e fêmeas são muito parecidos. No entanto, os machos se destacam por possuírem uma pequena mancha negra (parecida com uma âncora) em sua garganta, no início do bico.

Codorna

Fonte: Luis Miguel Bugallo Sánchez

As fêmeas também costumam ser um pouco maiores: enquanto um macho de codorna pode pesar entre 70 e 100 gramas, uma fêmea costuma atingir entre os 85 e os 135 gramas.

Existem diferentes raças de codornas. As que se encontram mais comumente em lojas de animais e criadouros de aves são a Gambel, a Blue Valley, a Giant White e a Pharaon. Cada uma delas possui sua própria característica reprodutiva e se adapta melhor a uma determinada função.

Por isso, é importante pesquisar melhor sobre as raças e seus comportamentos antes de investir na criação de codornas.

Conselhos básicos para a criação de codornas

Os conselhos para a criação de codornas, em resumo, se baseiam nas principais medidas preventivas para conservar a saúde do animal e de seu meio.

  1. Higiene

As codornas são naturalmente limpas e fáceis de cuidar. No entanto, bem como todas as aves, podem se tornar vulneráveis a infecções por parasitas internos e externos. Estes microrganismos costumam se reproduzir com facilidade pelas jaulas, acessórios, e também por todo o lar.

É fundamental higienizar de 2 a 3 vezes por semana as casinhas ou as jaulas de suas codornas. Também se recomenda retirar e higienizar a bandeja de excrementos diariamente.

Não se deve permitir o acúmulo de restos de alimentos e/ou excrementos no fundo da jaula, no comedouro e/ou no bebedouro. Todos os acessórios devem ser muito bem lavados e desinfetados para evitar o aparecimento de fungos e bactérias.

Também é uma boa prática verificar com frequência suas patas e suas plumas. Ao observar qualquer ferida, alteração de cor, textura ou aparência diferente, é indispensável recorrer rapidamente a um veterinário especializado em aves.

2. Alimentação

Proporcionar uma alimentação balanceada é um aspecto fundamental da criação de codornas. Os nutrientes obtidos de sua dieta diária permitem desenvolver seu sistema imunológico e prevenir diversas doenças.

Como é uma ave migratória, a codorna em estado selvagem apresenta mudanças em sua dieta em função da estação do ano e do habitat onde se encontra.

Durante a primavera, sua dieta é em maior medida proteica, para repor as energias gastas na longa viagem durante o inverno. Alimenta-se principalmente de pequenos insetos, como formigas e besouros, além de vermes.

Com a chegada do verão, costumam comer em maior medida grãos e reforçar sua hidratação.

A codorna doméstica

A alimentação de uma codorna doméstica deve conter pellets de madeira e misturas variadas de milho. Isso melhorar a digestão desses animais e fornece-lhes gorduras, carboidratos e proteínas para o seu organismo. Existem misturas já equilibradas disponíveis para compra nas lojas de animais.

Pode-se complementar com grãos, outros ingredientes naturais e, também, com arroz, milho e verduras. No inverno, é altamente recomendável reforçar a contribuição de proteínas para suas codornas.

Os filhotes normalmente são alimentados com papinhas, com o auxílio de conta-gotas ou seringas.

Muita facilidade de adaptação

Na verdade, as codornas tendem a se adaptar a uma grande variedade de alimentos. No entanto, é importante não oferecer nem deixar a seu alcance substâncias que podem ser tóxicas para sua saúde.

Codorna com frio

Fonte: Guérin Nicolas

Alimentos que devem ser evitados

  • Alimentos industrializados, embutidos e/ou condimentados.
  • Chocolates e guloseimas em geral.
  • Frituras.
  • Sal e açúcar.
  • Café e produtos com cafeína.
  • Leite e lacticínios com muita gordura.

Preparar o ambiente

Ainda que possam viver soltas, é recomendável contar com jaulas para acomodar as suas codornas. Será sua moradia, onde poderão descansar e se sentir seguras. Por isso, é importante escolhê-las conscientemente, para proporcionar um habitat apropriado para seu crescimento saudável.

Os comedouros e bebedouros devem ser apropriados ao tamanho do animal, para evitar sujeira e futuras contaminações.

A localização deve ser adequada para o desenvolvimento da ave. Não é prudente deixá-la exposta ao frio, calor, vento, sol e chuva. Uma insolação ou frio extremo podem levá-las a adoecer gravemente.

Fonte das imagens: Raniero Massoli Novelli, Luis Miguel Bugallo Sánchez e Guérin Nicolas.