Cuidados com o peixe-palhaço

O peixe palhaço é um animal de estimação fácil de cuidar, a parte difícil é manter um aquário marinho saudável. Portanto, sua criação só é recomendada para os tutores mais experientes em aquarismo.
Cuidados com o peixe-palhaço

Última atualização: 02 Maio, 2021

Os cuidados que o peixe-palhaço exige não são muito complexos. Como qualquer aquário de água salgada, o problema não é o cuidado com os peixes, mas o controle dos parâmetros da água e a criação de um ecossistema que funcione perfeitamente como um todo.

De acordo com aquaristas experientes, o peixe-palhaço é um animal perfeito para quem quer se iniciar no mundo dos aquários marinhos. Claro, o tutor deve ter muita experiência anterior em aquários de água doce e os possíveis problemas que podem ocorrer. A seguir, vamos explicar como manter um peixe-palhaço no aquário marinho.

Habitat e cuidados do aquário

Existem cerca de 30 espécies diferentes de peixes-palhaço no mundo. Embora todos tenham necessidades muito semelhantes, neste espaço vamos nos concentrar no Amphiprion percula, que é o peixe-palhaço mais popular e conhecido.

O peixe-palhaço selvagem vive em águas quentes – como o Mar Vermelho – ou em áreas de recifes de coral no Oceano Pacífico. Esse animal cria uma relação simbiótica com as anêmonas, razão pela qual elas são essenciais para a sua sobrevivência no ambiente natural.

Quando um peixe-palhaço coloniza uma anêmona, toda a microbiota que ele possui sobre a pele sofre alterações. A anêmona é um animal venenoso, mas não faz mal ao peixe que, ao mesmo tempo que se alimenta de restos de algas e invertebrados que a anêmona desperdiça, a limpa de restos que podem deixá-la doente.

Dessa relação, o peixe-palhaço obtém abrigo e alimento e a anêmona, serviço de limpeza gratuito, além de proteção.

 

Cuidar do peixe-palhaço é simples.

Cuidando do peixe-palhaço no aquário

Como dissemos, os peixes-palhaço vivem em águas pouco profundas e quentes acima dos recifes de coral. Dessa forma, esse tipo de ecossistema deve ser criado no aquário para poder acomodar os peixes.

Embora esse peixe seja muito fácil de manter, as anêmonas não são tão fáceis assim. Portanto, antes de introduzir o peixe-palhaço, é necessário projetar um tanque destinado às anêmonas, que precisam de um aquário de pelo menos 150 litros e um grau de luz diferente, dependendo da espécie escolhida.

No entanto, você também pode manter esses peixes sem a presença de anêmonas. Nesse caso, o aquário pode ser um pouco menor. Em todo caso, destacamos que um tanque marinho com menos de 150 litros envolve muito mais trabalho quando se trata de manter todos os parâmetros estáveis.

As características físico-químicas de que o peixe-palhaço precisa para viver são as seguintes:

  • A faixa ideal de temperatura da água deve ser estabelecida entre 23 e 26 ºC, portanto um aquecedor é essencial em determinadas épocas do ano.
  • O pH do aquário deve ser ligeiramente básico, entre 7,8 e 8,4. Essas medidas são válidas para quase todos os tanques marinhos em que se pretende introduzir corais.
  • A gravidade específica ou densidade da água do aquário deve variar entre 1,021 e 1,026.
  • A salinidade da água também deve ser controlada adequadamente, a qual deve ficar em torno de 29 e 35 ppt.

Alimentação do peixe-palhaço

Em relação à alimentação, é fácil cuidar do peixe-palhaço. Por ser um animal onívoro, ele pode aceitar diversos tipos de alimentos. Obviamente, você deve oferecer uma dieta variada de nutrientes de origem animal e vegetal para proporcionar tudo o que ele precisa.

Na natureza, esses peixes se alimentam de copépodes, uma grande variedade de pequenos crustáceos, algas de diferentes espécies, tentáculos quebrados das anêmonas, ovos de outros peixes e larvas de animais.

Dentro do aquário, se o animal introduzido for um peixe-palhaço selvagem recém-coletado da natureza, ele deve ser alimentado com presas vivas para diminuir os níveis de estresse. Isso também incentiva a reprodução dentro do aquário.

Outros alimentos que podem ser oferecidos ao peixe-palhaço são camarões, peixes congelados bem picados e flocos de espirulina, para garantir a parte vegetal da dieta.

O peixe-palhaço é uma espécie em extinção?

De acordo com a UICN (União Internacional para a Conservação da Natureza) em seu último relatório sobre a espécie Amphiprion percula, o peixe-palhaço não está em perigo de extinção e suas populações parecem estáveis.

Um dos principais perigos para a espécie é a coleta de exemplares para o aquarismo. No entanto, essa atividade é atualmente altamente regulamentada – pelo menos na Austrália – e não representa um perigo real para os animais.

O problema dessa espécie – e de todas as outras cujo estilo de vida está totalmente ligado aos recifes – é o branqueamento dos corais. A mudança climática está aumentando a temperatura dos oceanos. Se a temperatura da água em um recife subir apenas um grau acima de sua faixa ideal, as algas que vivem em simbiose com os corais morrerão.

Essas algas fazem parte do sistema digestivo dos corais, portanto, se morrem, os corais ficarão brancos e deixarão de viver dentro de poucos dias. Embora após o elevado pico a temperatura volte ao normal, algumas horas de calor são suficientes para matar um recife de coral inteiro.

 

Um grupo de peixes-palhaço em uma anêmona.

O branqueamento de corais é o acontecimento que está destruindo todos os recifes e, portanto, coloca em risco as espécies que neles vivem. Além disso, os recifes são o berço da vida nos oceanos do mundo.

Sem eles, dentro de poucos anos as espécies consumidas pelos seres humanos deixariam de existir, causando uma crise alimentar global. Portanto, cuidar dos oceanos deve ser uma prioridade para os governos do mundo todo.

Pode interessar a você...
Mare Nostrum: por que cuidar dos oceanos é mais importante do que nunca
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Mare Nostrum: por que cuidar dos oceanos é mais importante do que nunca

As leis internacionais têm a sua parcela de responsabilidade, mas cada um de nós precisa cuidar dos oceanos da melhor forma possível.



  • Jenkins, A., Allen, G., Myers, R., Yeeting, B. & Carpenter, K.E. 2017. Amphiprion percula. The IUCN Red List of Threatened Species 2017: e.T188372A1865631.
  • Kumar, T. T., Setu, S. K., Murugesan, P., & Balasubramanian, T. (2010). Studies on captive breeding and larval rearing of clown fish [a 1], Amphiprion sebae (Bleeker, 1853) using estuarine water.
  • Robert. (August, 2019). The Definitive Clownfish Care Guide: Is Nemo The Fish For You?. Fish keeping world. Disponible en: https://www.fishkeepingworld.com/clownfish/