Devo operar os esporões do meu cachorro?

Os esporões são dedos com muitas funções biológicas presentes nos cães. Portanto, não devem ser operados a menos que uma patologia importante justifique essa medida.
Devo operar os esporões do meu cachorro?

Última atualização: 22 dezembro, 2021

Algumas partes do corpo dos cães que antes eram consideradas puramente estéticas foram retiradas para facilitar a vida dos tutores. As unhas, parte da cauda e até as pontas das orelhas foram modificadas sem qualquer remorso. Felizmente, hoje em dia essas práticas são consideradas antiéticas e até ilegais na maioria das regiões.

Apesar de a extração de estruturas caninas (por menores que sejam) ser mais do que proibida, ainda existem dúvidas em relação a órgãos como os esporões, que às vezes parecem fazer mais mal do que bem ao animal. Neste espaço, vamos informar se um profissional deve operar os esporões do seu cachorro e extraí-los ou se, pelo contrário, ele precisa mantê-los por toda a vida.

O que são os esporões do cachorro?

Os esporões, conhecidos como dewclaws em inglês, são dígitos (dedos) presentes em várias espécies de mamíferos, pássaros e répteis. Essas estruturas tendem a crescer a uma certa distância do resto da pata, a tal ponto que animais digitígrados (que apoiam os dedos ao caminhar) e ungulígrados (que apoiam apenas as pontas dos dedos) não tocam o solo durante a locomoção.

Os esporões são homólogos ao polegar humano. Em cães, eles estão presentes nos membros anteriores e se parecem com uma espécie de pequeno gancho na parte interna da pata. Simplificando, eles seriam o “quinto dedo” que permanece escondido na pele. Eles ficam longe das almofadas dos dedos e do centro da extremidade, mas são visíveis apenas se prestarmos atenção.

Ao contrário do resto dos dedos, os esporões são compostos de 2 ossos em vez de 3. No entanto, e como qualquer outro dedo, eles têm um suprimento nervoso, muscular, sanguíneo e locomotor para ficarem presos ao resto da pata. Você não verá um cão mover sua espora, mas isso não significa que essa estrutura não seja inervada e vascularizada.

Além disso, deve-se observar que a forma e a firmeza dos esporões variam de acordo com a raça. Muitos cães têm um em cada pata dianteira, que fica bem ancorado, enquanto outros apresentam esporões traseiros ou duplos muito mais soltos e instáveis. A funcionalidade destes últimos ainda não foi descoberta.

Alguns cães não possuem esporões, mas os cães domésticos os apresentam nas patas dianteiras. Eles não devem ser confundidos com as almofadas metacarpais.

O esporão de um cachorro em um fundo branco.
Os esporões ficam longe do resto dos dedos do cão.

Os esporões têm alguma função?

Para responder a essa pergunta, você deve ter em mente que nada ocorre ao acaso na natureza. A seleção natural favorece a permanência de caracteres úteis e elimina os deletérios, razão pela qual raramente existem vestígios de órgãos nos animais. O ser humano é uma exceção a essa regra, pois não seguimos os mecanismos de sobrevivência típicos.

Os dentes do siso e alguns músculos da orelha parecem vestigiais em humanos.

Quando os cães correm, as patas dianteiras geralmente se dobram o suficiente para que os esporões toquem o solo. Isso dá ao membro uma melhor capacidade de tração e fornece um ponto de apoio para estabilizar as articulações das patas. Portanto, é considerado útil durante a locomoção.

Além de correr, os cães também usam os esporões para melhor manipular alimentos grandes (como um osso), para escalar certas superfícies ásperas (como árvores) e para se agarrar a elementos em momentos de perigo (como uma queda na água, por exemplo). Essas estruturas estão firmemente presas ao resto da pata e ajudam muito na sustentação.

Posso operar os esporões do meu cachorro?

Como você pode ver, os esporões são muito úteis no mundo canino, principalmente os firmes e dianteiros. Portanto, sua remoção não é recomendada a menos que seja necessária e indicada por um profissional de medicina veterinária.

Essa prática é legal hoje em dia, embora algumas pessoas a considerem mutilação ao nível da desungulação ou o corte da cauda. Geralmente, é praticado antes de o cão completar 5 dias de vida, antes que ele abra totalmente os olhos. Embora seja um procedimento minimamente invasivo, anestésicos locais específicos devem ser usados para evitar que o filhote sinta dor.

Algumas pessoas temem que as estruturas fiquem presas em algum tecido ou outro lugar. Portanto, decidem operar os esporões do cachorro, apesar do fato de não relatarem nenhum dilema de saúde evidente. Esse ato só é recomendado em espécimes que possuem esporões traseiros ou duplos, pois eles são menos fixos na pata e tendem a causar mais problemas a longo prazo.

Quintos dedos também podem ser removidos de um espécime adulto com danos mínimos. De qualquer forma, quase nunca é necessário.

Em quais casos os esporões devem ser operados no cão?

Em raras ocasiões, é recomendado remover os esporões caninos, especialmente se houver uma massa tumoral ou uma infecção muito grave ao redor. Em qualquer caso, somente o veterinário poderá estabelecer se é esse o caso e como agir no pós-operatório. Nunca tome a decisão de fazer isso sozinho ou você tornará a condição do seu animal ainda pior.

Um exemplo entre a artrite canina e a osteoartrite.

Um procedimento quase sempre desnecessário

Os esporões não são vitais para a vida de um cão, mas o ajudam a correr, a segurar objetos e a escalar certas superfícies. Portanto, recomendamos que você não os remova de seu animal a menos que seja necessário e indicado por um profissional. Lembre-se de que um animal nunca deve sofrer intervenção por motivos estéticos ou utilitários.

Se você tem medo de que essas estruturas fiquem enganchadas em alguma superfície, aproveite para fazer os cortes de unha relevantes, desde que estejam compridas (o que inclui os esporões). Essa é uma solução mais barata e ética do que submeter o filhote a uma cirurgia em um momento tão delicado de sua vida.

Pode interessar a você...
Cauda equina em cães: causas e tratamentos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Cauda equina em cães: causas e tratamentos

Cauda equina em cães é uma doença degenerativa da articulação lombossacra. Causa muita dor e problemas de mobilidade. Saiba mais aqui!