Diferenças entre animais selvagens e domésticos

· agosto 9, 2018

Conhecer e respeitar as diferenças entre animais selvagens e domésticos é fundamental para a preservação das espécies e para não criar riscos desnecessários.

Diferenças entre animais selvagens e domésticos: hábitos e biologia

É verdade que a beleza de alguns animais silvestres é tão impressionante que chama nossa atenção. No entanto, é preciso se conscientizar a respeito das diferenças entre animais selvagens e domésticos.

Condenar um animal selvagem, de espírito livre, a uma vida de confinamento em uma casa, é um ato de egoísmo. Só porque nós gostamos de estar na moda ou admirar sua beleza exótica que temos o direito de aprisioná-los.

A seguir, apresentamos as três principais diferenças entre animais selvagens e domésticos para ajudar você a entender a necessidade de respeitá-las.

tigre e seu filhote

1. Capacidade de domesticação

A domesticação acaba sendo um processo de adaptação muito longo e complexo. E algumas espécies passaram por esse processo durante seu desenvolvimento histórico.

Não existe um consenso sobre a explicação do porquê isso aconteceu exatamente com alguns animais e não com outros. O que é consenso é que algumas espécies demonstraram naturalmente ter predisposição para conviver com os seres humanos.

Encontramos nos cães o melhor exemplo do fenômeno da domesticação. Supõe-se que tudo começou quando o lobo mais manso da alcateia se aproximou de um grupo de homens buscando refúgio e calor. O ser humano utilizou a companhia para otimizar sua estratégia de caça e proteção da sua família.

A transformação genética gradual do lobo em cão se somou a fatores externos e a mudanças culturais. E isso permitiu o surgimento de diferentes raças de cães.

O cão é um animal doméstico, da mesma forma que o gato. O próprio lobo, da mesma forma que a maioria dos animais selvagens pode ser domado, mas não domesticado. E não se trata de proporcionar seu adestramento, é uma questão genética.

2. Características da infância na fase adulta

Talvez seja a mais importante das diferenças entre animais selvagens e domésticos. Significa que alguns animais são capazes de manter características de sua infância durante toda a sua vida.

Isso explica por que cães e gatos são capazes de controlar seus instintos e conviver como membros de uma família. Os animais selvagens não têm esse traço genético e desenvolvem seus instintos, ainda quando estão na criação em cativeiro.

Por isso, criar um animal selvagem é tão perigoso para os humanos quanto para essas espécies silvestres.

3. Autonomia e independência

Devemos tirar da nossa cabeça que os animais selvagens precisam de nós para protegê-los, fazer carinho ou cuidar deles. Na verdade, eles são capazes de ser mais independentes que os seres humanos.

A liberdade é uma condição indispensável para o desenvolvimento saudável desses animais. Para se desenvolver corretamente, o animal selvagem precisa intensificar seus instintos e colocar em prática sua autonomia. Humanizá-los é um risco desnecessário para todas as espécies.

O perigo das modas

As sociedades criam hábitos e tendências diferentes ao longo do seu desenvolvimento. Alguns deles são maciçamente difundidos pelos meios de comunicação, dando origem às modas.

A anorexia e a bulimia são transtornos que afetam a saúde de muita gente. Trata-se da  exigência doentia de ter um corpo digno de uma modelo para se encaixar na sociedade, e desfrutar dos benefícios da moda.

Infelizmente, os animais também não escaparam da moda. Existem espécies que se tornam um furor em determinada década. Em parte, esse fenômeno se explica por causa do cinema e do comportamento dos famosos.

Essas celebridades internacionais se tornam ícones. E muitas pessoas imitam seus hábitos, buscando melhorar sua qualidade de vida ou sua autoestima.

serpente

Posse legal e responsável

Nunca é demais lembrar que muitos animais não têm permissão para serem usados como bichos de estimação. Na Espanha, existe uma detalhada lista de espécies exóticas cuja posse é considerada ilegal.

Além disso, é necessário esclarecer que a criação em cativeiro de espécies em risco de extinção é ilegal. O dono pode sofrer sérias sanções econômicas e outras penas.

O tráfico de animais silvestres é uma triste realidade que aflige muitos países. Por isso, é fundamental ter a certeza sobre a origem do animal e escolher conscientemente onde adquiri-lo. Não se recomenda negociar com particulares ou Pet Shops sem registro oficial reconhecido por órgão competente.

O perigo de terminar financiando o mercado negro de compra e venda de animais é muito alto.

Respeitar as diferenças entre animais selvagens e domésticos é a melhor forma de conviverem em harmonia com o meio ambiente.

Fonte da imagem principal: yokopakunayoko