Estegossauro: tudo que você precisa saber

Um dos dinossauros mais conhecidos do período Jurássico esconde vários segredos. Incluindo uma cauda pontiaguda a um possível segundo cérebro, o estegossauro se destaca por suas peculiaridades.
Estegossauro: tudo que você precisa saber

Última atualização: 17 Março, 2021

O estegossauro é um dos dinossauros mais conhecidos que viveram no planeta Terra. Com seu característico dorso coberto de espinhos e sua cauda mortal, é um membro notável da grande família dos dinossauros jurássicos.

Seu corpo curioso suscitou debates acalorados na comunidade científica: qual é a função das espinhas em seu dorso? E da cauda pontiaguda? Existem várias teorias sobre esse tema. Se você quiser saber mais sobre esse curioso dinossauro, continue lendo.

O estegossauro é um dinossauro popular, bem conhecido do público em geral. Com seu corpo arqueado e seu famoso dorso com espinhos, o estegossauro despertou fascínio e dúvidas em igual medida.

Quando falamos estegossauros, nos referimos a um gênero com 4 espécies conhecidas. Trata-se de um tipo de dinossauro quadrúpede, herbívoro e o maior membro da família Stegosauridae. Seu tamanho pode chegar a 9 metros de comprimento e 4 de altura. Seu peso – em adultos – pode chegar a 9 toneladas: uma verdadeira fera do Jurássico.

Um estegossauro em um fundo branco.

Descoberta do estegossauro

O Stegosaurus viveu há cerca de 150 milhões de anos, no final do período jurássico. Seus primeiros fósseis foram descobertos na América do Norte, em uma expedição em Morrison – estado do Colorado, Estados Unidos – em 1877.

O paleontólogo Othniel Charles Marsh descobriu os fósseis e os famosos espinhos dorsais. Essas placas dorsais o fizeram lembrar das telhas de uma casa, por isso ele o chamou de estegossauro, “dinossauro com telhado”. Mais tarde, outros especialistas descobriram que as placas eram dispostas verticalmente, como espinhos.

Mais tarde, novas espécies desse gênero foram descobertas. A princípio, pensava-se que só poderia ser encontrada na América do Norte, mas em 2006 fósseis desse dinossauro foram encontrados na Europa.

O modo de vida do estegossauro

O estegossauro era essencialmente herbívoro. Sua boca tinha dentes achatados em forma de folha, que eram usados para cortar, mas não eram muito eficientes para triturar as plantas. Isso fez com que os paleontólogos não tivessem certeza de qual era a estratégia de alimentação desse dinossauro, então hoje existem várias teorias.

Os espinhos no dorso: para que serviam?

Quanto ao seu dorso espinhoso, existem muitas hipóteses sobre sua função. A principal delas deduz que esses animais usavam tais placas para regular a temperatura corporal. Isso aconteceria por meio dos vasos sanguíneos que, ao passarem pelos espinhos, permitiam a troca de calor com o exterior.

Outras teorias parecem indicar que os espinhos do estegossauro poderiam servir de defesa contra dinossauros predadores, como o Tyrannosaurus rex ou o Allosaurus. Alguns especialistas indicam também que essas estruturas podem mudar de cor para atrair a atenção e assustar outros animais.

A temível cauda espinhosa do estegossauro

Quanto à cauda espinhosa, a maioria dos especialistas concorda que provavelmente servia de defesa. Essa cauda era composta de 2 ou mais espinhos alongados, com cerca de 75 centímetros de comprimento. A flexibilidade da cauda indica que o animal poderia movê-la em ambos os lados do corpo, afastando os predadores, com os quais compartilhava o habitat.

Devido ao seu enorme peso e ao formato do corpo, o estegossauro era um animal lento. Portanto, sua estratégia de defesa incluía o uso da cauda e da força, além da velocidade na fuga.

O segundo cérebro do estegossauro: realidade ou ficção?

O estegossauro foi um animal que surpreendeu muito quando foi descoberto. A cauda pontiaguda e o dorso espinhoso eram apenas o aperitivo: seus descobridores acreditaram ter encontrado um animal com 2 cérebros.

Isso ocorreu porque os paleontólogos descobriram um enorme canal neural na área do quadril. Essa descoberta os fez pensar que os estegossauros tinham um “segundo cérebro” na cauda. A função desse “cérebro complementar” poderia ser o controle dos reflexos na parte posterior do corpo.

Apesar da curiosidade dessa descoberta, pesquisas mais recentes a refutam. Sabe-se que essa área onde parece haver outro cérebro pode ser formada por acúmulos de glicogênio, um polissacarídeo do qual se nutre boa parte do sistema nervoso, presente em outros tipos de sáurios.

O esqueleto de um estegossauro.

Então, como se pode perceber, o estegossauro é um dinossauro interessante. Seu dorso espinhoso, sua temível cauda defensiva e seu formato curioso nos deixa cada vez mais interessados nesse interessante sáurio que viveu na época do Jurássico.

Pode interessar a você...
A tuatara: um sobrevivente da era dos dinossauros
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A tuatara: um sobrevivente da era dos dinossauros

A tuatara é um fóssil vivo cuja linhagem remonta a pelo menos 200 milhões de anos. Elas foram contemporâneas dos dinossauros.