Como o hiperparatiroidismo afeta os cachorros

março 23, 2020
O hiperparatiroidismo é um transtorno caracterizado por uma secreção anormal do hormônio da paratireoide. Esse hormônio atua em diferentes processos do organismo.

A tireoide é uma glândula pequena, caracterizada por ter forma de borboleta e estar localizada na região do pescoço. Ela pode não funcionar corretamente e provocar doenças como o hiperparatiroidismo, que pode ocorrer diferentes animais, incluindo gatos e cachorros.

O que é o hiperparatiroidismo?

No dicionário do Instituto Nacional do Câncer, o hiperparatiroidismo aparece definido como “uma condição causada pelas glândulas paratiroides – quatro órgãos do tamanho de uma ervilha que se encontram na tireoide – que produzem muito hormônio da paratireoide. Isso provoca perda de cálcio nos ossos e uma concentração mais alta de cálcio no sangue. Os sintomas incluem dor nos ossos e problemas renais”.

As glândulas paratiroides são de pequeno porte e têm um papel essencial na manutenção da concentração de cálcio. As glândulas secretam o hormônio paratiroide (PTH), cuja função é aumentar a quantidade de cálcio na corrente sanguínea. Além disso, esse hormônio atua nos intestinos, nos ossos e nos rins.

Entretanto, uma das principais missões do hormônio da paratireoide é a indução da hidroxilação da vitamina D em um nível renal. Ao ativar a vitamina D, é desencadeada uma cascata de reações; ativam-se proteínas que regulam a absorção do cálcio intestinal.

Tipos

Essa patologia foi subdividida em dois grupos. Eles se denominam hiperparatiroidismo primário e hiperparatiroidismo secundário.

Hiperparatiroidismo primário

A doença se classifica como primária quando é uma alteração funcional da glândula paratiroide. A principal consequência é uma secreção anômala de grandes quantidades de hormônio da paratiroide.

Parece que a causa principal do desenvolvimento do hiperparatiroidismo primário é a presença de adenomas solitários. No entanto, também já foi mencionada a presença de carcinomas e de hiperplasias.

Diante da hipersecreção de PTH, o cálcio é reabsorvido em diferentes regiões do organismo e, como resultado, ocorre uma hipercalcemia.

A hipercalcemia, por sua vez, dá lugar a alterações em diferentes regiões do corpo, como nos rins, no trato urinário inferior, no cardíaco etc.

Cachorro doente

Hiperparatiroidismo secundário

O hiperparatiroidismo secundário se subdivide em dois tipos. Ele é desenvolvido como uma resposta homeostática gerada por baixos valores de cálcio ionizado no sangue.

O hiperparatiroidismo renal secundário é causado por uma redução da concentração plasmática do cálcio. Além disso, ele supõe um aumento da secreção de PTH e a diminuição da filtração glomerular.

O hiperparatiroidismo nutricional secundário é definido como um distúrbio metabólico. Esse transtorno é provocado por uma liberação excessiva e durante um longo tempo do hormônio da paratiroide.

Em ambos os tipos de hiperparatiroidismo, o cálcio tem um papel essencial. O cálcio é um mineral que cumpre uma missão essencial no organismo por ser um componente estrutural dos ossos e dos dentes.

Por outro lado, o cálcio também cumpre diversas outras funções. Entre elas se encontra a de atuar como mensageiro intracelular e participar dos processos de coagulação sanguínea e contração muscular.

Como o hiperparatiroidismo afeta os cachorros?

Em geral, é estranho que os cachorros sofram dessa doença, e é ainda mais difícil que ela se apresente em gatos. Assim, normalmente os afetados são animais idosos ou com uma certa idade.

Como o hiperparatiroidismo afeta os cachorros

Dependendo dos sintomas que o animal apresentar, o prognóstico poderá ser mais ou menos favorável. Os sintomas mais comuns são: poliúria (aumento da necessidade de ir ao banheiro), incontinência, fraqueza muscular, vômitos ou tremores. Contudo, no momento em que se detectar uma infecção renal, o prognóstico piora.

Na hora de diagnosticar a doença, um dos exames que deverá ser realizado será uma análise de sangue. Isso vai permitir confirmar se o paciente sofre dessa doença e, além disso, em que estado ela se encontra.

Segundo o diagnóstico obtido, o veterinário poderá decidir que tratamento aplicar. Se for detectada uma hipercalcemia, o tratamento deve ser imediato, ainda que se desconheça qual é a causa da mesma.

Caso exista um tumor na paratiroide, é possível que o veterinário sugira duas opções: ou realizar uma extirpação cirúrgica, ou uma opção menos agressiva, como, por exemplo, a remoção com etanol. A decisão final vai depender do tamanho do tumor.

Após fazer a operação, o veterinário vai ficar de olho no nível de cálcio no sangue. Às vezes, depois da operação, o animal pode desenvolver hipocalcemia. Uma forma de revertê-la é administrando vitamina D e cálcio.

Devemos levar em conta que, dependendo do tempo que demore para realizar o diagnóstico, o tratamento vai variar. O veterinário vai controlar as possíveis sequelas renais que possam ter ocorrido.