Pododermatite em coelhos: causas, sintomas e tratamentos

A pododermatite em coelhos é uma doença comum em fazendas, sendo causada por más condições de alojamento. Descubra do que se trata aqui.

Última atualização: 04 dezembro, 2021

A pododermatite em coelhos é uma condição comum em fazendas que criam esses animais. As más condições de vida existentes nesses locais dão origem a múltiplas doenças, sendo esta a mai frequente em fazendas de reprodução que não seguem padrões éticos e sanitários.

Ao longo deste artigo, você aprenderá a reconhecer essa lesão em coelhos e saberá como ela é tratada. Você verá que é uma doença que, apesar de não afetar nenhum órgão vital, é capaz de comprometer a vida do animal a longo prazo.

O que é a pododermatite em coelhos?

A pododermatite em coelhos é uma doença que afeta o tecido epitelial da planta das patas, especialmente das patas traseiras (uma vez que suportam mais peso). Os coelhos não possuem almofadas como cães e gatos, por isso recebem a pressão do substrato diretamente sobre a pele.

Por diversos fatores, essa pressão pode ulcerar a derme do coelho e posteriormente infeccionar, causando necrose nos tecidos se não for tratada a tempo. A progressão da doença é fácil, pois as plantas das patas desses lagomorfos estão cobertas de pelos e é difícil visualizar a lesão se a saúde do animal não for verificada periodicamente.

Sintomas de pododermatite em coelhos

Os sinais de pododermatite em coelhos aparecem quando a doença está avançada e grave. Esses animais, por serem presas, procuram esconder as evidências de suas doenças para não parecerem fracos. Portanto, os sintomas que você pode observar são os seguintes:

  • Prostração.
  • Claudicação ou tentativa de não apoiar as pernas afetadas.
  • Anorexia (falta de apetite).
  • Posturas antiálgicas (para evitar dores).
  • Pele inflamada, vermelha ou rachada na planta da pata.
  • Crostas na área afetada.
  • Necrose.
Um coelho cujas patas traseiras não funcionam.

Causas da pododermatite

Essa pododermatite em coelhos depende de vários fatores para aparecer. Aqui estão os mais importantes:

  1. Substratos inadequados: nas fazendas os pisos são geralmente de malha metálica, pois os buracos permitem que as fezes caiam da gaiola. Essa é a principal causa das pododermatites em coelhos, já que a tela exerce uma pressão muito forte sobre a planta (sem falar nas bordas e na falta de acabamento que causam lesões).
  2. Má higiene nas instalações para coelhos: as fezes que não passam pela malha e a urina são o terreno fértil perfeito para as bactérias. Quando as gaiolas não são higienizadas, essa doença é favorecida.
  3. Obesidade: uma dieta pobre faz com que o animal ganhe mais peso do que o recomendado, então suas pernas suportam mais peso. As fêmeas grávidas em criadouros tendem a acumular gordura com suas gestações constantes, portanto, são mais propensas a desenvolver pododermatite.
  4. Genética: alguns coelhos são mais propensos a pododermatites, principalmente aqueles cujo pelo é fino e cai facilmente, deixando a pele exposta.

Diagnóstico de pododermatite em coelhos

Nenhum exame específico é necessário para detectar a pododermatite. O diagnóstico é feito pelo exame físico, pois a lesão é significativa e visível.

Um antibiograma pode ser necessário para determinar qual antibiótico é mais eficaz no tratamento do animal. Por outro lado, e dependendo do estado de saúde do coelho, podem ser necessários exames como exame de sangue ou radiografias (para observar lesões internas ou infecções sistêmicas).

Um coelho pode não se mover de dor, o que torna impossível a alimentação. O desconforto em coelhos causa interrupções digestivas que podem ser fatais.

Tratamento

O tratamento básico para a pododermatite em coelhos é uma combinação de anti-inflamatórios, antibióticos e analgésicos. Além disso, é necessário retirar o tecido necrosado e limpar bem a ferida, eliminando todo o material purulento.

O uso de pomadas antibióticas e anti-inflamatórias é restrito aos animais que não lambem o produto. Embora esses medicamentos sejam geralmente produzidos considerando que o animal possa ingeri-los, sua eficácia é reduzida se não forem deixados na lesão por tempo suficiente para fazerem efeito.

Além disso, doenças secundárias a esse problema necessitarão de tratamento específico. Por exemplo, se o animal estiver desnutrido, uma dieta de recuperação será essencial, assim como uma fluidoterapia se estiver desidratado.

O que é miíase em coelhos?

Previsão e considerações

O prognóstico para essa doença é reservado. Depende muito do estágio em que é detectada, se o tratamento está sendo aplicado (nas fazendas costumam optar pela engorda para consumo humano ou morte do animal) e das medidas preventivas. É claro que, sem um solo e uma higiene adequados, o coelho não será capaz de se recuperar de uma pododermatite.

Os coelhos que vivem em casas como animais de estimação também podem sofrer dessa doença, mas geralmente o quadro não se desenvolve ao ponto de necrosar. Mesmo assim, tente manter seu coelho nas melhores condições possíveis e leve-o ao veterinário a cada 6 meses para um exame de saúde.

Pode interessar a você...
Encephalitozoon cuniculi em coelhos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Encephalitozoon cuniculi em coelhos

O patógeno Encephalitozoon cuniculi é típico de coelhos, mas também pode saltar para outros mamíferos e humanos. Saiba mais!



  • A. (2020, 21 julio). Tipos de manifestaciones y signos clínicos de la pododermatitis en conejos. Ateuves, para el auxiliar veterinario. Recuperado 1 de noviembre de 2021, de https://ateuves.es/tipos-de-manifestaciones-y-signos-clinicos-de-la-pododermatitis-en-conejos/
  • DE LA AFECCIÓN, CAUSAS. Factores predisponentes de la necrosis plantar en conejos. Recuperado 1 de noviembre de 2021, de https://www.mapa.gob.es/ministerio/pags/biblioteca/revistas/pdf_Cuni/Cuni_1995_80_46_47.pdf
  • Lozano, C. T., Pla, M., & Garcia, F. (1986). Nivel de respuesta en el tiempo a un control de seguimiento sanitario en conejos. In XI Symposium de cunicultura (pp. 145-152). Asociación Española de Cunicultura (ASESCU).
  • Lozano, C. T., Pla, M., & García, F. (1986). Análisis del estado sanitario y de la pérdida de hembras durante la lactación del conejo. In XI Symposium de cunicultura (pp. 131-138). Asociación Española de Cunicultura (ASESCU).
  • Roy Pérez, T. J., & Egea de Prado, M. D. (1991). Estudio de la renovación de las hembras en una unidad de selección de conejos. Cunicultura16(91), 0154-160.