Proteínas para cães: quais são as melhores?

A exposição crônica à mesma fonte de proteína pode causar intolerâncias alimentares.
Proteínas para cães: quais são as melhores?

Última atualização: 09 Janeiro, 2021

As proteínas são um dos macronutrientes essenciais na dieta de todos os seres vivos. Sua variedade e equilíbrio são essenciais, principalmente no caso das proteínas para cães cujo consumo se dá por meio de formulações especializadas.

As proteínas são um componente básico da alimentação animal. A nível molecular, são constituídas por aminoácidos, elementos funcionais em termos de desenvolvimento muscular, reparação de tecidos e fornecimento de energia. Porém, é conveniente conhecer as fontes proteicas mais eficientes, visto que nem todas possuem o mesmo valor biológico.

Esses macronutrientes, disponíveis em uma ampla variedade de alimentos de origem animal e vegetal, diferem em sua composição de aminoácidos.

Grande parte da comunidade veterinária concorda que as melhores proteínas para cães são as que vêm da carne. Isso não significa que uma dieta com outras proteínas de origem animal seja inviável, podendo até ser benéfica devido a uma maior diversidade de nutrientes.

Em relação à administração de proteínas de origem vegetal, poderia ser mais contraindicada no que se refere a garantir o consumo adequado de aminoácidos essenciais.

Melhores formulações de proteínas para cães

O consumo direto da fonte de proteína animal costuma ser bastante incomum em animais de estimação, além de ser indigesto. Portanto, ao comprar, é aconselhável avaliar a composição proteica dos diferentes alimentos.

Melhores formulações

Desde que o cão não tenha sensibilidade alimentar, ele poderá ingerir as formulações mais comuns do mercado. Dentre estas, destacam-se as elaboradas com frango, boi, peru, cordeiro ou coelho, com as respectivas misturas entre si. No entanto, é verdade que a maioria das alergias alimentares em animais de estimação se deve à exposição crônica à mesma fonte de proteína.

Para evitar esses tipos de distúrbios digestivos, os especialistas recomendam o consumo rotativo de fontes de proteína para cães. Dessa forma, além de garantir uma alimentação mais variada e nutritiva, o animal se sentirá estimulado a experimentar novos alimentos.

Se a opção de rotação for complexa, é melhor incluir formulações tão variadas e completas quanto possível. Ovos e peixes podem ser opções muito saudáveis, principalmente os peixes, porque, além das proteínas, fornecem ácidos graxos essenciais como o ômega 3.

Em outras ocasiões, as sensibilidades digestivas se devem à forma como a comida é preparada, quando são utilizadas farinhas de milho, trigo ou arroz. Nesses casos, quando o animal ingere o alimento em questão isoladamente, cozido ou não, normalmente não há intolerâncias. Portanto, a análise da ração e a observação do animal são fundamentais para o seu bem-estar.

Quantidade proteica recomendada

Embora a proteína seja essencial para a vida, seu consumo deve ser equilibrado. Algumas estratégias de marketing de rações se baseiam no alto nível de proteína das suas formulações. No entanto, os veterinários alertam que o abuso desse macronutriente pode levar a distúrbios renais, principalmente em cães idosos ou doentes.

Quantidade proteica recomendada

A dose de proteína para cães deve ser adequada e sempre combinada com o restante dos nutrientes essenciais. Qualquer excesso tenderá a ser eliminado passando pelos rins. A presença de manchas amarelas nas fezes do animal ou o aumento de peso podem indicar excesso de proteína.

Ouvir as recomendações dos especialistas é fundamental na hora de escolher as formulações de rações mais completas. Porém, os pilares básicos que todo tutor deve seguir para o bom estado nutricional e, portanto, a saúde do seu animal de estimação, são a variedade e o equilíbrio.

Pode interessar a você...
Vitamina D na ração seca para cães: quais cuidados você deve ter?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Vitamina D na ração seca para cães: quais cuidados você deve ter?

A vitamina D é um nutriente essencial para a mineralização e o crescimento esquelético. Sua deficiência ou seu excesso podem causar lesões.