Psoríase em cães: o que fazer?

Você sabia que, assim como os humanos, os cães também podem sofrer de psoríase?
Psoríase em cães: o que fazer?
Ana Díaz Maqueda

Escrito e verificado por a bióloga Ana Díaz Maqueda.

Última atualização: 21 dezembro, 2022

A psoríase em cães funciona da mesma maneira que em humanos. A pele é a primeira linha de defesa do corpo animal e contém uma infinidade de elementos epidérmicos para se proteger, bem como componentes imunológicos.

A reação desses elementos permite que a pele mantenha sua homeostase ou equilíbrio. No entanto, por vezes, essa resposta, como nas alergias, ocorre de forma excessiva e em resposta a substâncias que, a princípio, não deveriam ser problemáticas.

O que é a psoríase?

A psoríase em cães não foi tão bem estudada como em humanos, caso em que é uma doença de pele autoimune bem conhecida. Essa patologia está relacionada à genética do indivíduo e, embora possa se tornar crônica, também pode ser revertida com o tratamento adequado.

Essa doença é caracterizada por um crescimento e uma proliferação excessiva de queratinócitos. Essas células são as mais abundantes na epiderme e contêm uma proteína muito dura chamada queratina, que serve como proteção.

Acredita-se que esse desenvolvimento excessivo dessas células se deva à ativação do sistema imunológico celular. As células T – um tipo de glóbulo branco – e outros tipos de células liberam substâncias que causam um efeito inflamatório chamado inflamação psoriática, além do crescimento excessivo de queratinócitos.

Sintomas da psoríase em cães

Como dissemos, a psoríase é uma doença imunomediada que pode ser desenvolvida por cães que a carregam em seu genoma. O sistema imunológico do cão pode responder exageradamente a certos alérgenos, causando sintomas específicos. Ao contrário de outras alergias, os sintomas da psoríase são muito específicos:

  • Aparecem áreas muito vermelhas e inflamadas na pele.
  • As áreas afetadas sofrem de crescimento excessivo de queratinócitos, o que resulta no aparecimento de escamas espessas e abundantes.
  • Ressecamento nas regiões afetadas, podendo causar o aparecimento de fissuras muito dolorosas.
  • Prurido. A falta de hidratação leva à coceira excessiva.
  • Como consequência dos quatro sintomas anteriores, pode surgir alopecia autoinduzida no cão. Além disso, as áreas danificadas podem ser infectadas.
  • Em geral, a pelagem do animal fica ressecada e sem brilho.

Ocasionalmente, a psoríase pode afetar outros órgãos, também revestidos por este tipo de células epidérmicas, como os olhos, o trato digestivo ou o sistema respiratório.

Tratamento da psoríase em cães

Como muitas outras doenças autoimunes, a psoríase em cães não tem cura. No entanto, existem tratamentos que podem melhorar muito os sintomas.

Se a doença não estiver muito avançada e disseminada, o uso de tratamentos tópicos, como cremes, pode ajudar a revitalizar a pele. Se, ao contrário, a psoríase atingir várias áreas extensas do corpo, é melhor optar pela fototerapia ou pelos medicamentos orais ou injetáveis.

A fototerapia consiste em expor o animal à luz solar natural ou a lâmpadas ultravioleta artificiais. Segundo estudos, esse tipo de tratamento, isolado ou combinado com medicamentos, melhora o estado da pele se não houver alergia ao sol.

Os tratamentos injetáveis ​​e orais costumam causar efeitos colateraisEsses efeitos normalmente são revertidos quando o tratamento é interrompido, mas é muito importante levá-los em consideração. Portanto, alguns medicamentos geralmente são reservados para cães com um estado psoriático avançado.

Por outro lado, além do exposto acima, temos outras opções para melhorar a saúde do nosso animal de estimação. Isso sempre deve ser recomendado e supervisionado por um veterinário:

  • Uso de xampus especializados.
  • Aumento de ômega 3 na dieta.
  • Oferecer uma dieta baseada em alimentos frescos com pouco risco de alergia ou uma dieta comercial hipoalergênica.

Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Lebwohl, M., Ortonne, J. P., Andres, P., & Briantais, P. (2009). Calcitriol ointment 3 microg/g is safe and effective over 52 weeks for the treatment of mild to moderate plaque psoriasis. Cutis83(4), 205-212.
  • Lowes, M. A., Bowcock, A. M., & Krueger, J. G. (2007). Pathogenesis and therapy of psoriasis. Nature445(7130), 866.
  • Lowes, M. A., Suárez-Fariñas, M., & Krueger, J. G. (2014). Immunology of psoriasis. Annual review of immunology32, 227-255.
  • Menter, M. A., & Griffiths, C. E. (2015). Psoriasis: the future. Dermatologic clinics33(1), 161-166.
  • Pithadia, D. J., Reynolds, K. A., Lee, E. B., & Wu, J. J. (2019). Psoriasis-associated cutaneous pain: etiology, assessment, impact, and management. Journal of Dermatological Treatment30(5), 435-440.
  • Reinoso Peñafiel, S. F. (2017). Identificación de dermatopatias fungicas en perros (Bachelor’s thesis).
  • Roenigk, H. H., Fowler-Bergfeld, W., & Curtis, G. H. (1969). Methotrexate for psoriasis in weekly oral doses. Archives of dermatology99(1), 86-93

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.