Psoríase em cães: o que fazer?

11 Janeiro, 2021
Você sabia que, assim como os humanos, os cães também podem sofrer de psoríase?

A psoríase em cães funciona da mesma maneira que em humanos. A pele é a primeira linha de defesa do corpo animal e contém uma infinidade de elementos epidérmicos para se proteger, bem como componentes imunológicos.

A reação desses elementos permite que a pele mantenha sua homeostase ou equilíbrio. No entanto, por vezes, essa resposta, como nas alergias, ocorre de forma excessiva e em resposta a substâncias que, a princípio, não deveriam ser problemáticas.

O que é a psoríase?

A psoríase em cães não foi tão bem estudada como em humanos, caso em que é uma doença de pele autoimune bem conhecida. Essa patologia está relacionada à genética do indivíduo e, embora possa se tornar crônica, também pode ser revertida com o tratamento adequado.

Essa doença é caracterizada por um crescimento e uma proliferação excessiva de queratinócitos. Essas células são as mais abundantes na epiderme e contêm uma proteína muito dura chamada queratina, que serve como proteção.

Acredita-se que esse desenvolvimento excessivo dessas células se deva à ativação do sistema imunológico celular. As células T – um tipo de glóbulo branco – e outros tipos de células liberam substâncias que causam um efeito inflamatório chamado inflamação psoriática, além do crescimento excessivo de queratinócitos.

Sintomas da psoríase em cães

Como dissemos, a psoríase é uma doença imunomediada que pode ser desenvolvida por cães que a carregam em seu genoma. O sistema imunológico do cão pode responder exageradamente a certos alérgenos, causando sintomas específicos. Ao contrário de outras alergias, os sintomas da psoríase são muito específicos:

  • Aparecem áreas muito vermelhas e inflamadas na pele.
  • As áreas afetadas sofrem de crescimento excessivo de queratinócitos, o que resulta no aparecimento de escamas espessas e abundantes.
  • Ressecamento nas regiões afetadas, podendo causar o aparecimento de fissuras muito dolorosas.
  • Prurido. A falta de hidratação leva à coceira excessiva.
  • Como consequência dos quatro sintomas anteriores, pode surgir alopecia autoinduzida no cão. Além disso, as áreas danificadas podem ser infectadas.
  • Em geral, a pelagem do animal fica ressecada e sem brilho.

Ocasionalmente, a psoríase pode afetar outros órgãos, também revestidos por este tipo de células epidérmicas, como os olhos, o trato digestivo ou o sistema respiratório.

Tratamento da psoríase em cães

Como muitas outras doenças autoimunes, a psoríase em cães não tem cura. No entanto, existem tratamentos que podem melhorar muito os sintomas.

Se a doença não estiver muito avançada e disseminada, o uso de tratamentos tópicos, como cremes, pode ajudar a revitalizar a pele. Se, ao contrário, a psoríase atingir várias áreas extensas do corpo, é melhor optar pela fototerapia ou pelos medicamentos orais ou injetáveis.

A fototerapia consiste em expor o animal à luz solar natural ou a lâmpadas ultravioleta artificiais. Segundo estudos, esse tipo de tratamento, isolado ou combinado com medicamentos, melhora o estado da pele se não houver alergia ao sol.

Os tratamentos injetáveis ​​e orais costumam causar efeitos colateraisEsses efeitos normalmente são revertidos quando o tratamento é interrompido, mas é muito importante levá-los em consideração. Portanto, alguns medicamentos geralmente são reservados para cães com um estado psoriático avançado.

Por outro lado, além do exposto acima, temos outras opções para melhorar a saúde do nosso animal de estimação. Isso sempre deve ser recomendado e supervisionado por um veterinário:

  • Uso de xampus especializados.
  • Aumento de ômega 3 na dieta.
  • Oferecer uma dieta baseada em alimentos frescos com pouco risco de alergia ou uma dieta comercial hipoalergênica.
  • Lebwohl, M., Ortonne, J. P., Andres, P., & Briantais, P. (2009). Calcitriol ointment 3 microg/g is safe and effective over 52 weeks for the treatment of mild to moderate plaque psoriasis. Cutis83(4), 205-212.
  • Lowes, M. A., Bowcock, A. M., & Krueger, J. G. (2007). Pathogenesis and therapy of psoriasis. Nature445(7130), 866.
  • Lowes, M. A., Suárez-Fariñas, M., & Krueger, J. G. (2014). Immunology of psoriasis. Annual review of immunology32, 227-255.
  • Menter, M. A., & Griffiths, C. E. (2015). Psoriasis: the future. Dermatologic clinics33(1), 161-166.
  • Pithadia, D. J., Reynolds, K. A., Lee, E. B., & Wu, J. J. (2019). Psoriasis-associated cutaneous pain: etiology, assessment, impact, and management. Journal of Dermatological Treatment30(5), 435-440.
  • Reinoso Peñafiel, S. F. (2017). Identificación de dermatopatias fungicas en perros (Bachelor’s thesis).
  • Roenigk, H. H., Fowler-Bergfeld, W., & Curtis, G. H. (1969). Methotrexate for psoriasis in weekly oral doses. Archives of dermatology99(1), 86-93