A quimioterapia em cachorros, isso é possível?

· junho 14, 2017

Os cães também podem sofrer câncer e precisam de tratamentos que os ajudem a extirpar os tumores, ou pelo menos, a freá-los, e sobretudo, para amenizar a dor.

Então, pensando no fato de que eles são mais frágeis que nós, podemos nos questionar: é possível a quimioterapia em cães? Estando seu bichinho passando por esse mau momento ou não, essa pergunta ajudará você a conhecer a resposta.

Vamos falar sobre isso e sobre quais outras dúvidas podem surgir se você tiver que enfrentar esse problema.

A quimioterapia em cães

Ela é sim uma opção para tratar o câncer que aflige os cães, ou pelo menos, para frear seus efeitos destrutivos. No entanto, entendemos que aqueles que têm um bichinho sofrendo de câncer, ou que não tenham ouvido falar sobre esse tema, tenham algumas dúvidas, como, por exemplo:

Que tipo de câncer pode ser tratado através de quimioterapia?

Nem todos os cânceres em cães podem ser tratados com quimio. Os mais comuns são o linfo-sarcoma, como é conhecido o tumor nos linfócitos, e o mastocitoma, como se chama o tumor nas células denominadas mastócitos.

Por volta de 80% dos casos desses tipos de câncer respondem de maneira positiva e alguns aumentam a expectativa de vida do animal em mais um ano.

Como é feita a quimioterapia em cachorros?

A forma como ela é feita é a mesma que em humanos. Um câncer faz com que as células cancerígenas se multipliquem com muito mais velocidade que as células saudáveis do organismo e matam as normais. A quimioterapia destrói as células cancerígenas, eliminando assim os tumores malignos que o animal possa ter.

Quanto menor for o tumor, maior será a possibilidade de eliminá-lo com o uso desse método. Entretanto, quando os tumores são grandes, essas células malignas ficam em repouso e é muito mais difícil para a quimioterapia identificá-las.

É possível fazer sempre quimioterapia nos cachorros

Isso vai variar de cachorro para cachorro, do tipo de câncer e do que os donos decidirem. Emprega-se a quimioterapia nestes tipos de câncer:

  • Tumores que afetam a maior parte do corpo do cachorro, como, por exemplo, os que atacam o sistema linfático.
  • Os que podem se espalhar com facilidade para todas as partes do corpo. O primeiro passo é operar o tumor, e o segundo passo é administrar a quimioterapia no cachorro.
  • Os tumores localizados que não puderem ser extirpados por completo com uma cirurgia.
  • Os que não podem ser eliminados porque são muito grandes. Nesse caso, a quimio seria usada para reduzi-los ou para frear o crescimento deles.

Não se recomenda usar quimioterapia naqueles que apresentem quadro de metástase e que estejam com os órgãos vitais afetados, pois somente se conseguiria debilitar ainda mais a saúde do cão.

Ela causa efeitos colaterais? Quais são eles?

Diferentemente dos humanos, os efeitos colaterais em cães são leves e temporários, se aparecer em alguns casos. A probabilidade de sofrer esses efeitos é de em torno de 5%. Os mais comuns são estes:

  • Alteração no sistema digestivo, como falta de apetite, náuseas e vômitos.
  • Diminuição das defesas do corpo.
  • Queda de pelo.

Também é possível empregar radioterapia em cachorros?

Sim, pode ser feito como tratamento alternativo à quimioterapia em cães para cânceres que não sejam muito agressivos. E acima de tudo naqueles que se encontrem no nariz do animal.

No entanto, essa terapia não existe em países como a Espanha, por exemplo, onde esperamos que logo a implementem.

Como você vê, se o seu cachorro ou o de alguma pessoa conhecida tem câncer, não se preocupe, existem muitas coisas que se pode fazer para salvar a vida dele. Fale com o seu veterinário para que ele lhe diga quais passos seguir e qual seria o melhor tratamento para o seu animal de estimação.