6 animais que brilham com luz própria

Os animais que brilham com luz própria são mais comuns do que se pode imaginar, embora essa estratégia não seja dominante na natureza. Aqui estão alguns dos exemplos mais fascinantes.
6 animais que brilham com luz própria

Última atualização: 27 Abril, 2021

Quando você leu a frase “animais que brilham”, certamente seu primeiro pensamento foi o vaga-lume. No entanto, o número de seres vivos capazes de emitir luz é muito maior do que se pode imaginar.

Denominado bioluminescência, esse processo é encontrado principalmente em invertebrados e animais marinhos. Nas linhas a seguir, vamos nos aprofundar um pouco no processo de produção de luz e você vai conhecer alguns animais bioluminescentes. Não perca!

O que é a bioluminescência?

A bioluminescência é o processo pelo qual alguns animais emitem luz de forma ativa – e não deve ser confundida com a biofluorescência, que é um reflexo da luz. Esse processo pode ocorrer de 3 maneiras diferentes, que são as seguintes:

  1. Bioluminescência intracelular: a luz é produzida por células especializadas dentro do próprio corpo do animal. Esse tipo de bioluminescência está presente em muitas espécies de lula.
  2. Bioluminescência extracelular: é um processo de oxidação de luciferina, que dá origem à enzima luciferase. Quando liberada, a luciferase produz nuvens luminosas. Os vaga-lumes e alguns animais abissais produzem luz dessa maneira.
  3. Bioluminescência por simbiose com bactérias luminescentes: os animais que brilham por esse método controlam a emissão de luz através dos fotóforos, pequenos sacos onde guardam as bactérias bioluminescentes.

A bioluminescência tem várias funções de sobrevivência – camuflagem, alerta – e de reprodução, já que faz parte do cortejo de algumas espécies. Em certos casos, é usada inclusive para atrair presas. Se você quiser saber quais animais brilham com luz própria, poderá encontrar abaixo os exemplos mais fascinantes.

6 animais que brilham com luz própria

Certamente você já ouviu falar de alguns desses seres vivos luminescentes, mas ser capaz de reproduzir esse fenômeno não tem a ver com pertencer a uma espécie ou outra. Conheça 6 animais capazes de brilhar com luz própria.

1. Vaga-lumes

Existem cerca de 2000 espécies de vaga-lumes e cada uma delas tem sua maneira própria de brilhar. Esses insetos emitem luz pela oxidação da luciferina e brilham desde a fase larval. Na idade adulta, eles usam essa qualidade para encontrar um parceiro.

2. Escorpião

Embora existam várias teorias, ainda não está muito claro qual é o papel da bioluminescência no escorpião. Todas as espécies brilham sob a luz ultravioleta. Além disso, a intensidade do seu brilho aumenta à medida que ocorrem as mudas, o que é muito útil para estimar a idade do espécime.

Um escorpião iluminado por luz ultravioleta.

3. A lula Watasenia scintillans

Essa pequena espécie de lula – com apenas 7 centímetros de comprimento – usa uma técnica incrível para se camuflar: a contrailuminação. Quando quer, ela imita o padrão de refração da luz através da superfície da água, de modo que os predadores que a veem de baixo não serão capazes de distingui-la.

Existem várias espécies desses cefalópodes que são consideradas bioluminescentes, mas essa espécie específica é conhecida pelo show de luzes produzida na Baía de Toyama (Japão) quando se dirigem à costa para desovar.

4. O tamboril Lophius piscatorius

Esse peixe abissal já é bastante conhecido devido ao seu aspecto peculiar. A fêmea mede cerca de 15 centímetros de altura e tem na cabeça um órgão chamado vela, semelhante a uma vara de pescar com uma luz na ponta. Com isso, esse peixe gera a luz com a qual atrai possíveis presas em meio à escuridão das profundezas.

Espécie de tamboril é um dos animais que brilha.

5. Água-viva arco-íris

Existem muitos tipos de águas-vivas bioluminescentes, mas a aparência dessa espécie específica é peculiarmente bela. Na verdade, a luz própria dessa água-viva é um método de defesa, já que assim ela pode atrair animais que se alimentam do seu predador.

Essa espécie é relativamente grande para uma água-viva – cerca de 13 centímetros – mas extremamente delicada: o simples toque de uma rede pode destruí-la.

6. Animais que brilham e são predadores: tubarões

Embora não seja o primeiro animal em que se pensa quando o assunto é brilhar, 10% das espécies de tubarões são bioluminescentes. Assim como a espécie de lula da qual falamos anteriormente, esses peixes emitem luz graças a células especializadas chamadas fotóforos. A principal função dessa capacidade é atrair presas nos habitats abissais onde costumam viver.

O desenho de um tubarão luminoso.

Os animais que brilham com luz própria e a evolução

A presença de animais que emitem luz é uma curiosidade maravilhosa de se ver. A cada nova espécie bioluminescente descoberta – tanto de animais quanto de plantas, que também existem – o motivo das formas mais fantasiosas da natureza fica cada vez mais perto de ser desvendado. O que ainda falta saber?

Evidentemente, esse mecanismo evolutivo é arriscado e eficaz em igual medida. Emitir luz própria representa um grande gasto de energia, mas também traz uma série de benefícios que outros seres vivos não possuem. Na natureza, no final das contas, tudo se relaciona a um equilíbrio biológico.

Pode interessar a você...
5 curiosidades sobre mamíferos
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
5 curiosidades sobre mamíferos

Muitas são as curiosidades sobre os mamíferos, já que essa classe engloba quase 5500 espécies diferentes, espalhadas pelo mundo.



  • Marta, C. I. S., & Moorillón, G. V. N. (2010). LA BIOLUMINISCENCIA DE MICROORGANISMOS MARINOS Y SU POTENCIAL BIOTECNOLÓGICO. Revista Científica de la Universidad Autónoma de Coahuila2(3).
  • EcuRed. (2013). Arcoíris (medusa) – EcuRed. https://www.ecured.cu/Arco%C3%ADris_(medusa)
  • Rodríguez, H. (2021, 9 marzo). National Geographic. www.nationalgeographic.com.es. https://www.nationalgeographic.com.es/naturaleza/halladas-3-nuevas-especies-tiburones-bioluminiscentes_16557
  • A Fluorescent Compound from the Exuviae of the Scorpion, Liocheles australasiae‘. Yusuke Yoshimoto, Masato Tanaka, Masahiro Miyashita, Mohammed Abdel-Wahab, Alhussin M. A. Megaly, Yoshiaki Nakagawa Hisashi Miyagawa. Journal of Natural Products, American Chemical Society and American Society of Pharmacognosy.