6 animais encontrados na caverna de Movile

Na caverna de Movile não há luz, portanto não se pode fazer fotossíntese. Por causa disso, o ecossistema não se baseia em plantas ou algas, tendo sido construído em torno de massas de bactérias quimiossintéticas que se alimentam dos gases tóxicos.
6 animais encontrados na caverna de Movile

Última atualização: 30 Abril, 2021

A caverna de Movile, localizada em um deserto devastado na Romênia, é um ecossistema único no planeta. Essa área está isolada do resto do mundo há aproximadamente 5,5 milhões de anos. Em seu interior reina a completa escuridão, o oxigênio é escasso e os gases são tóxicos para os seres humanos.

No entanto, ainda há vida nesse ecossistema incrivelmente inóspito. Os organismos que ficaram presos na caverna se adaptaram às condições adversas após milhões de anos de evolução. Como resultado, mais de 60 espécies diferentes de animais podem ser encontradas na caverna de Movile, 35 das quais são endêmicas.

Sem dúvida, esses animais desafiam as leis naturais que os seres da superfície acreditam ser inalteráveis. Se você quiser saber mais sobre alguns dos habitantes desse pequeno e extremo mundo tão diferente do resto do planeta, continue lendo.

Os animais mais surpreendentes que foram encontrados na caverna de Movile

Esse local alienígena abriga uma grande biodiversidade, contra todas as probabilidades. Sua fauna é composta por invertebrados, que apresentam adaptações muito curiosas à vida das cavernas. A seguir estão algumas das espécies de maior destaque desse ecossistema extremo.

Interior da caverna de Movile.

1. Cryptops speleorex 

Essa centopeia é o maior animal já encontrado na caverna de Movile. Com 5,2 centímetros de comprimento, é um dos superpredadores que dominam esse ecossistema. Seu nome científico reflete essa posição, pois significa “rei da caverna” em latim.

Após milhões de anos de evolução isolada de seus parentes na superfície, essa centopeia se adaptou à vida nesse ambiente tão extremo. É uma espécie endêmica do local, morfológica e geneticamente diferente de seus parentes mais próximos. Assim como outras centopeias, esse artrópode pega sua presa com a ajuda de uma mordida venenosa.

2. Heleobia dobrogica

Heleobia dobrogica é a única espécie de molusco gastrópode encontrada na caverna. Esse animal é um pequeno caramujo, cuja concha é branca e em forma de espiral. Vive no lago que ocupa parte da caverna e se alimenta das massas de bactérias quimiossintéticas que caracterizam o local.

Estudos científicos indicam que o ancestral desse caramujo vivia no exterior, que na época possuía um clima subtropical. Parece que essa espécie buscou refúgio na caverna quando as temperaturas começaram a cair.

3. Nepa anophthalma

Esse artrópode é outro dos predadores da caverna de Movile. É um escorpião de água, parente de percevejos, que nada tem a ver com os escorpiões verdadeiros.

Apesar disso, esses invertebrados recebem esse nome graças aos seus enormes apêndices preensores, que lembram as pinças de um escorpião. Também se faz uma associação com os aracnídeos por causa de seu tubo respiratório posterior, que pode ter a aparência de um ferrão.

A espécie Nepa anophthalma foi encontrada nas margens do lago subterrâneo, onde se alimenta dos outros habitantes aquáticos da caverna, incluindo isópodes, anfípodes e anelídeos. Como uma adaptação à vida na ausência de luz, esse escorpião aquático não tem olhos.

4. Haemopis caeca

Surpreendentemente, outro dos habitantes aquáticos da caverna de Movile é uma sanguessuga. Ao contrário dos seus parentes mais famosos, Haemopis caeca não é um parasita. Essa sanguessuga ataca vermes e outros invertebrados.

A espécie Haemopis caeca pode ser claramente diferenciada de seu parente terrestre mais próximo, Haemopis sanguisuga, pois não tem olhos nem pigmentos na pele. Essas são adaptações típicas de organismos cavernícolas. Curiosamente, também não possui mandíbulas ou dentes.

5. Trachelipus troglobius

4 espécies de isópodes, mais conhecidos como bicho-de-conta, percorrem as galerias terrestres dessa área remota. Uma delas é a Trachelipus troglobius. Esses animais são pequenos crustáceos que se adaptaram à vida fora da água, mas ainda são altamente dependentes da umidade.

Assim como o resto dos animais da caverna, os isópodes carecem de pigmento, o que lhes dá uma aparência branca semitransparente. Trachelipus troglobiusHaplophthalmus movilae – outra espécie de isópode – habitam áreas com mais oxigênio, próximas ao lago. As outras 2 espécies de isópodes ocorrem em áreas remotas, com menos oxigênio.

As 4 espécies de isópodes têm a mesma dieta, pois se alimentam das massas de bactérias quimiossintéticas, que são a base de todo esse ecossistema.

6. Kryptonesticus georgescuae

Essa aranha é outro dos predadores da caverna que se alimenta de coleópteros, isópodes e outros consumidores primários desse ecossistema. Seu corpo é muito pequeno e arredondado, mas suas pernas são muito longas.

Essa é outra das adaptações comuns para a vida nas cavernas. Como esses animais são cegos, eles usam seus membros para navegar melhor e explorar o terreno.

Animais em áreas cavernosas desenvolvem apêndices muito grandes para sentir o terreno.

Esse ecossistema e sua fauna são um exemplo excepcional de evolução em ambientes extremos e, portanto, deve ser preservado e estudado cuidadosamente para se aprender sobre a vida nesse planeta. Curiosamente, os ecossistemas mais semelhantes a essa caverna são as fontes hidrotermais submarinas, que também não se baseiam na fotossíntese.

Pode interessar a você...
Os animais representados na caverna de Altamira
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Os animais representados na caverna de Altamira

Os animais representados na caverna de Altamira aparecerem em uma série de pinturas rupestres, que representam várias espécies.



  • https://gtr.ukri.org/projects?ref=NE%2FG017956%2F1
  • https://www.sciencealert.com/this-toxic-underground-ecosystem-is-like-nothing-else-on-earth-today-and-we-just-found-its-largest-inhabitant
  • Falniowski, A., Szarowska, M., Sirbu, I., Hillebrand, A., & Baciu, M. 2008. Heleobia dobrogica (Grossu & Negrea, 1989)(Gastropoda: Rissooidea: Cochliopidae) and the estimated time of its isolation in a continental analogue of hydrothermal vents. Molluscan Research, 28: 165
  • Decu, V., Gruia, M., Keffer, S. L., & Sarbu, S. M. 1994. Stygobiotic waterscorpion, Nepa anophthalma, n. sp.(Heteroptera: Nepidae), from a sulfurous cave in Romania. Annals of the Entomological Society of America, 87: 755-761.
  • Manoleli, D. G., Klemm, D. J., & Sarbu, S. M. 1998. Haemopis Caeca (Annelida: Hirudinea: Arhynchobdellida: Haemopidae), A New Species Of Troglobitic Leech From A Chemoautotrophically Based Groundwater Ecosystem In Romania. Proceedings of the biological society of Washington, 111: 222-229.
  • Brad, T., Iepure, S., & Sarbu, S. M. 2021. The Chemoautotrophically Based Movile Cave Groundwater Ecosystem, a Hotspot of Subterranean Biodiversity. Diversity, 13: 128.
  • Nae, A., Sarbu, S. M., & Weiss, I. 2018. Kryptonesticus georgescuae spec. nov. from Movile Cave, Romania (Araneae: Nesticidae). Arachnologische Mitteilungen: Arachnology Letters, 55: 22-24.