7 tipos de secreção ocular em cães (e o que elas significam)

As secreções oculares em cães podem variar em cor e textura, dependendo de sua saúde. Aprenda aqui como diferenciá-las e detectar as patologias subjacentes.
7 tipos de secreção ocular em cães (e o que elas significam)

Última atualização: 11 Dezembro, 2021

O mais comum é que uma secreção ocular em cães não tenha importância e revele um quadro fácil de resolver. No entanto, e como tudo relacionado à saúde canina, é importante saber diferenciar entre uma secreção ocular normal e os sinais de um problema latente em seu animal de estimação.

Por esse motivo, neste artigo você encontrará as causas mais frequentes pelas quais um cão lacrimeja em excesso (ou secreta outras substâncias) e o que fazer a respeito. Não perca, pois detectar a tempo qualquer patologia ocular no cão pode significar a diferença entre danos leves e cegueira total.

7 tipos de secreção ocular em cães

Dependendo do que estiver afetando os olhos, as secreções serão diferentes. Em primeiro lugar, você encontrará a descrição do lacrimejamento normal para poder diferenciá-lo do resto das colorações e consistências, mais típicas de doenças e lesões. Não deixe de ler.

1. Remelas

Os olhos dos cães secretam substâncias pelo canto dos olhos, assim como no caso dos humanos e de outros animais. Essa característica é uma forma de expelir poeira e sujeira do ambiente que permanecem presas à superfície do globo ocular. Quando essas secreções secam e endurecem, geralmente tornam-se acastanhadas e são comumente conhecidas como remelas.

É normal notar as remelas pela manhã e após os longos cochilos dos cães, como aconteceria com os humanos. Não é uma indicação de patologia se não for acompanhada de outros sinais.

O olho de um cachorro.

2. Lacrimejamento excessivo (epífora)

Olhos lacrimejantes em excesso, com secreção transparente e líquida, são sinal de que algo está irritando o globo ocular ou o revestimento das pálpebras. É necessário levar o animal a uma consulta, pois as causas são variadas e algumas delas podem ser graves:

  • Alergias.
  • Corpos estranhos no olho: mesmo que você não veja o que penetrou no olho do seu cão, é muito provável que esteja vermelho, inflamado e lacrimejando constantemente.
  • Entrópio ou ectrópio: o primeiro termo se refere à reversão da pálpebra para dentro, por meio da qual os cílios se esfregam contra a córnea e causam irritação. O ectrópio é o oposto, pois nele a pálpebra se dobra para fora e a mucosa fica irritada, estimulando o lacrimejamento.
  • Glaucoma: é um aumento da pressão intraocular. Você pode notar que o olho fica inflamado, avermelhado e lacrimejando excessivamente. É uma doença grave e causa muita dor ao animal, além do risco de cegueira.
  • Trauma ocular: por contusão ou ulceração (devido a objetos afiados ou pontiagudos). É comum encontrá-la em cães, pois às vezes eles brincam sem cuidado e se batem o rosto contra o chão, ou a grama alta, ou até contra outros cães.
  • Presença de substâncias irritantes no meio ambiente, como produtos químicos volatilizados ou poluição.

3. Secreção ocular marrom-avermelhada em cães

Essas secreções são normais, pois as lágrimas dos cães contêm uma substância chamada porfirina, que fica vermelha ao entrar em contato com o ar. Isso mais facilmente observado em cães com pelo branco e pode dar a impressão de que algo está errado, mas são as suas remelas habituais.

Se você quiser remover as remelas avermelhadas do rosto do seu cão, deve lavar a área com um pano úmido várias vezes ao dia. No entanto, lembre-se de que isso é algo estético, não um problema de saúde.

4. Secreção ocular cinza ou branca em cães

Essa secreção é típica de uma doença chamada ceratoconjuntivite seca, na qual o sistema imunológico ataca e destrói as glândulas lacrimais. Como o olho não é capaz de produzir lágrimas suficientes, ele compensa secretando muco para lubrificar os olhos.

Na clínica veterinária eles saberão imediatamente se a quantidade de lágrimas secretadas pelo seu cão é insuficiente graças ao teste de Schirmer.

Essa doença requer tratamento o mais rápido possível. Caso contrário, pode causar cegueira ou úlceras nos olhos. Além disso, causa grande desconforto no animal e às vezes altera a pigmentação da córnea.

5. Lacrimejamento amarelado ou esverdeado

Quando um cão produz secreção ocular amarelada ou verde, que também é espessa e gelatinosa, é muito provável que esteja sofrendo de uma infecção. Esse sintoma pode ser primário ou secundário a alguma outra doença, como rinotraqueíte canina ou tosse do canil.

Nesse caso, é necessária uma visita ao veterinário, pois não se deve deixar a infecção avançar, e menos se for secundária a outro problema de saúde. Além disso, se o quadro não for resolvido de forma adequada, é muito provável que a infecção volte a ocorrer.

6. Secreção marrom-terra

Esse tipo de secreção costuma ser confundido com o mais avermelhado, que contém porfirina. Quando o cão produz lágrimas em excesso e estas são de cor marrom-terra, é possível que seja devido a uma obstrução do ducto nasolacrimal, que liga o olho ao nariz.

As principais causas são obstrução por corpo estranho, excesso de muco ou doenças relacionadas à raça. Cães pequenos e braquicefálicos são mais propensos a apresentar esse problema.

Uma veterinária checando os olhos de um cachorro.

É necessário observar novamente que este artigo se destina apenas a informar e ajudar você a reconhecer os sinais de que seu cão pode estar sofrendo de uma doença ocular. Como você deve ter visto, as mesmas secreções oculares em cães derivam de problemas muito diferentes. Portanto, um diagnóstico exato nunca pode ser feito em casa.

Pode interessar a você...
Raças de cães com olhos grandes
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Raças de cães com olhos grandes

Adoramos conhecer diferentes raças que têm semelhanças engraçadas. Hoje vamos falar sobre as raças de cães com olhos grandes.



  • Mauricci Bravo, R. A. (2017). Diagnóstico temprano de queratoconjuntivitis seca empleando la prueba lacrimal de Schirmer en caninos de Salaverry-Trujillo.
  • Carbonell, J. M. M., & Suárez, E. M. M. (2009). Claves para el diagnóstico precoz del glaucoma. REDVET. Revista Electrónica de Veterinaria10(3), 1-14.
  • Diez Prieto, I. Avances en el diagnóstico de las enfermedades oculares en el perro.