Giardíase em gatos: sintomas, infecção e tratamentos

A giardíase em gatos é uma condição leve que geralmente não coloca a vida do animal em risco. No entanto, existem exceções a essa regra.
Giardíase em gatos: sintomas, infecção e tratamentos

Última atualização: 12 agosto, 2021

A giardíase em gatos é uma doença causada por um microrganismo parasita flagelado, pertencente ao filo Metamonada. O patógeno (Giardia intestinalis ou Giardia lamblia) afeta felinos, mas também cães, humanos e muitos outros animais. De acordo com estudos globais, 15% dos cães e 12% dos gatos do planeta estão infectados com G. intestinalis.

Vamos além, já que até 39% dos animais em abrigos, 53% dos ruminantes e 38% dos porcos estão infectados nas regiões mais afetadas pelo parasita. Se você quiser saber mais sobre os efeitos dessa condição em felinos, continue lendo.

O que é a giardíase em gatos?

“Giardíase” é um termo que se refere à presença de Giardia intestinalis nas fezes de um ser vivo, seja um gato, um humano, um porco, um cão, um cavalo ou qualquer outro vertebrado que possa estar potencialmente infectado. G. intestinalis é um parasita que mede de 10 a 20 micrômetros de comprimento e possui 4 pares de flagelos, com os quais se desloca no intestino.

De acordo com MSD Veterinary Manuals, esses organismos unicelulares se fixam na mucosa intestinal por meio de um disco ventral adesivo ou sucker. Assim que a infestação ocorrer, o gato começará a apresentar sintomas agudos, como diarreia com mau cheiro, perda de peso e outros.

 

Giardia intestinalis, um protozoário.

Ciclo de vida de G. intestinalis

Para evitar um quadro infeccioso no animal de estimação, a primeira coisa que se deve fazer é conhecer o patógeno que o causa. Sob essa premissa, vamos contar de forma resumida o ciclo de vida da Giardia:

  1. G. intestinalis possui duas estruturas ao longo do ciclo. Os trofozoítos são as formas flageladas e móveis descritas, enquanto os cistos são estruturas resistentes e contagiosas que podem permanecer no ambiente por semanas, e até meses.
  2. A transmissão ocorre por via fecal-oral. Em outras palavras, o gato pode ingerir ou sugar algum material que contenha cistos viáveis, infectando-se no processo.
  3. Uma vez no intestino, de cada cisto emergem dois trofozoítos, que aderem às superfícies da mucosa intestinal e começam a se reproduzir. A divisão é realizada por fissão binária, e o período de latência é de cerca de 3 a 10 dias em geral nos animais. Em gatos, estima-se uma incubação de 5 a 16 dias.
  4. Os trofozoítos em divisão dão origem a novos cistos, que serão excretados com as fezes. A liberação do cisto costuma ser intermitente e descontínua, especialmente em animais com infecção crônica.

Como já dissemos, a via de transmissão é fecal-oral. Um gato pode ser infectado ao cheirar ou entrar em contato com as fezes infectadas de outro gato, mas também ao tocar com a boca fontes com cistos ativos.

Os humanos podem ser infectados?

Nesse ponto, vale ressaltar que o patógeno Giardia intestinalis possui 7 genótipos diferentes, denominados de A a G. Os cães costumam ser infectados por parasitas do tipo C e D, gatos por F e humanos por A e B, embora já tenham sido registradas infecções por Giardia G e F em nossa espécie.

Com esses dados, queremos comunicar que é difícil para a “giardíase” em gatos passar para os humanos, embora existam casos. Se o gato estiver doente, é melhor tomar todas as medidas de higiene possíveis e manusear o animal com cuidado ao consultar o veterinário.

Sintomas de giardíase em gatos

Conforme indicado pelos veterinários do site VCA Hospitals, a giardíase em gatos saudáveis geralmente não se manifesta de forma evidente. É mais comum que os sinais clínicos apareçam em cachorros, em adultos debilitados e em espécimes que vivem em áreas com altas cargas do parasita, como abrigos onde muitos indivíduos vivem aglomerados.

Apesar dos pacientes assintomáticos, alguns felinos podem desenvolver sintomas. Dentre eles, destacamos os seguintes:

  • Diarreia aguda e fétida de início rápido. Pode ser contínua ou intermitente e se apresenta com um tom esbranquiçado, consistência muito mole (aquosa) e até acompanhada de muco. Às vezes, as fezes também contêm sangue.
  • Vômito
  • Perda de peso gradual. Isso ocorre se os sintomas persistirem ao longo do tempo e a condição não for resolvida.
  • Falta de atividade generalizada.

Essa condição não é fatal por si só, mas pode representar um problema em pacientes felinos imunodeprimidos por qualquer motivo. Além disso, em filhotes, a doença atrasa o crescimento e favorece deficiências nutricionais em longo prazo.

Muitos espécimes adultos são assintomáticos, mas também podem transmitir a doença a outros animais.

Como a giardíase em gatos é diagnosticada?

O diagnóstico é feito por meio da coleta de amostras fecais do animal sintomático. De qualquer forma, lembramos que os cistos não são excretados em todos os momentos da infecção, por isso geralmente é necessário analisar mais fezes em diferentes momentos para encontrar o parasita. Em geral, são seguidos estes 2 procedimentos:

  1. Teste de flutuação fecal: as fezes do gato são colocadas em um recipiente especial e misturadas a uma solução de sulfato de zinco. Se a cultura for positiva, os cistos flutuarão e poderão ser vistos ao microscópio.
  2. Teste de esfregaço fecal: esse teste tenta evidenciar as causas da diarreia.

Às vezes, os veterinários têm kits para detectar a giardíase, enquanto em outros casos a amostra deve ser levada a um laboratório. Devido ao custo que isso acarreta e ao tempo que leva, geralmente é realizado um diagnóstico precoce com base no histórico médico do gato e seus sintomas.

Tratamento

O fenbendazol e o metronidazol são os medicamentos mais usados para matar a Giardia. Por sua vez, o fenbendazol não foi aprovado por todas as instituições para felinos, mas foi demonstrado que 50 miligramas do medicamento por quilo do animal por dia durante 5 dias reduzem drasticamente os sintomas.

Já o metronidazol é administrado de 10 a 25 miligramas por quilo do animal por dia, também por 5 dias. Parece que os gatos aceitam esse medicamento melhor do que os cães, por isso costuma ser a opção mais difundida na clínica veterinária.

Esses medicamentos podem ser administrados isoladamente ou em conjunto, dependendo do quadro clínico do animal.

 

A doença renal policística em gatos é mais comum em persas.

Previsão

Após o início do tratamento, os cistos fecais começam a desaparecer em cerca de 3-5 dias, e os sintomas geralmente desaparecem completamente em uma semana. Mesmo que pareça que o animal está bem antes do tempo estipulado, continue oferecendo a medicação conforme a indicação do veterinário.

Um gato recuperado deve continuar a ser testado por pelo menos algumas semanas, pois o risco de reinfecção não é nulo, ainda mais se levarmos em conta a resistência dos cistos no ambiente. Para evitar que o gato volte a se contaminar, desinfecte cuidadosamente todas as superfícies da casa e faça os exames pertinentes em quaisquer outros animais de estimação que conviverem em casa.

Pode interessar a você...
Anti-histamínicos para gatos: posologia e efeitos secundários
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Anti-histamínicos para gatos: posologia e efeitos secundários

Dar anti-histamínicos aos seus gatos sem supervisão médica é perigoso. Conheça as possíveis posologias e seus possíveis efeitos secundários.



  • Ramírez-Ocampo, S., Cotte-Alzate, J. D., Escobedo, Á. A., & Rodríguez-Morales, A. J. (2017). Prevalence of zoonotic and non-zoonotic genotypes of Giardia intestinalis in cats: A systematic review and meta-analysis. Infez Med, 25(4), 326-328.
  • Giardiasis in animals, MSD Veterinary Manuals. Recogido a 9 de julio en https://www.msdvetmanual.com/digestive-system/giardiasis-giardia/overview-of-giardiasis
  • Giardia in cats, VCA Hospitals. Recogido a 9 de julio en https://vcahospitals.com/know-your-pet/giardia-in-cats
  • Pan, W., Fu, Y., Abdullahi, A. Y., Wang, M., Shi, X., Yang, F., … & Li, G. (2017). Development of T m-shift genotyping method for detection of cat-derived Giardia lamblia. Parasitology research, 116(4), 1151-1157.
  • Li, W., Liu, X., Gu, Y., Liu, J., & Luo, J. (2019). Prevalence of Cryptosporidium, Giardia, Blastocystis, and trichomonads in domestic cats in East China. Journal of Veterinary Medical Science, 19-0111.