Sintomas e tratamento da cinomose em cães

· janeiro 20, 2018

A cinomose em cães é uma das doenças mais frequentes dos últimos tempos. Ainda que não seja transmitida aos humanos, apresenta alto risco de contágio entre cães e elevada taxa de letalidade.

A disseminação do agente patogênico da cinomose está relacionada ao abandono de animais em ambientes pouco salubres. A superpopulação faz com que os filhotes nascidos nas ruas sejam especialmente vulneráveis. E podem adquirir e transmitir a doença com facilidade.

Por isso, ao resgatar um animal, é indispensável colocar em dia suas desparasitações e sua caderneta de vacinação. Fortalecer seu sistema imunológico é a forma mais eficiente de preservar sua saúde.

O que é a cinomose em cães?

A cinomose em cães em uma doença infecciosa, viral e aguda que afeta o trato digestivo e respiratório. Em casos mais severos, chega a afetar os neurônios e o sistema nervoso central.

Cão com cinomose

Esta doença é causada por um vírus pertencente à família Paramyxovirus, do gênero Morbillivirus.

Este microrganismo é similar ao causador do sarampo em seres humanos. Possui notável resistência, conseguindo sobreviver em condições hostis e encapsular-se por muito tempo até retomar sua atividade.

Graças a sua resistência, tem alcance universal e preocupa os profissionais veterinários de todos os continentes. Pode acometer cães de todas as idades, raças e tamanhos, mas é mais frequente em filhotes.

Diferentes sintomas

O organismo de um filhote é mais vulnerável e fácil de ser infectado. Seu sistema imunológico ainda não se desenvolveu plenamente para enfrentar os numerosos microrganismos do ambiente externo. Além disso, a intensa atividade celular na fase de crescimento facilita a replicação do vírus.

Os cães idosos e/ou imunodeprimidos também são mais vulneráveis à cinomose e outras infecções. Nestes casos, os sintomas costumam ser mais severos e o quadro de saúde do animal decai rapidamente.

Paramyxovirus também afeta comumente a outros canídeos selvagens. É o caso do lobo, do coiote, do chacal, da raposa e do Dingo (cão selvagem australiano). Em oportunidades menos comuns, pode ser encontrado no organismo de lontras, doninhas e guaxinins.

Uma alta taxa de mortalidade

A cinomose em cães tem gerado alarme graças a sua alta taxa de mortalidade e rápida evolução no organismo. Cerca do 90% dos cães que contraem cinomose costumam falecer. Além disso, os animais que conseguem sobreviver podem sofrer severas sequelas em seu sistema nervoso.

Quais são os sintomas da cinomose em cães?

A fase de incubação do vírus costuma durar de 12 a 20 dias. Normalmente, o primeiro sintoma da cinomose em cães é a presença de secreção e/ou pus em seus olhos e no nariz.

Com o avanço da doença, podem aparecer os seguintes indícios:

  • Febre
  • Tosse
  • Cansaço, letargia e/ou sonolência excessiva
  • Falta de apetite
  • Diarreia e vômitos
  • Engrossamento das almofadinhas das patas
  • Dificuldade para respirar ou respiração pesada

Posteriormente, o cão infectado pode apresentar desnutrição, desidratação e anorexia. Na etapa mais severa, o vírus atinge o sistema nervoso, ocasionando espasmos, convulsões e paralisia.

Como se transmite a cinomose em cães?

A transmissão é direta e a forma mais comum de contágio é através do ar. O cão respira ou ingere os agentes patogênicos que estão presentes no ar a seu ao redor. O ar costuma ficar contaminado com a presença anterior de um animal infectado.

Também se manifesta o contágio através da água e de alimentos infectados pelo vírus. Por isso é importante não compartilhar os recipientes de seu animal de estimação com cães desconhecidos. Cada animal deve possuir seu próprio ambiente e acessórios para alimentar-se e hidratar-se.

Existe tratamento para a cinomose em cães?

Não existe um fármaco específico para eliminar o Paramyxovirus do organismo do cão. As infecções virais costumam ser bem mais complicadas de tratar do que as bacterianas ou fúngicas.

Filhote de Boston Terrier

Fonte: Hugo A. Quintero G.

O tratamento administrado para a cinomose em cães consiste em fortalecer o sistema imunológico, aliviar os sintomas e prevenir infecções secundárias.

O diagnóstico precoce é a chave para aumentar a possibilidade de cura e de recuperação do animal. Por isso, é fundamental recorrer imediatamente ao veterinário ao reconhecer mudanças no comportamento ou no organismo de nosso animal de estimação.

Como prevenir a cinomose em cães?

A posse responsável é a atitude necessária para prevenir a cinomose em cães. Respeitar o calendário de vacinação e realizar as desparasitações periodicamente são medidas preventivas indispensáveis para conservar a boa saúde de seu animal de estimação.

Manter uma alimentação balanceada e praticar regularmente exercícios físicos são essenciais para o desenvolvimento saudável de todas as espécies.