Tratamento da Cinofobia, o medo de cães

· dezembro 23, 2017

Muitas pessoas sofrem de Cinofobia. Trata-se de um medo intenso de cães. Este medo não é normal, e inclusive pode chegar a gerar graves complicações. Algumas vezes, causa ataques de pânico e de ansiedade na pessoa. Quem sofre de Cinofobia sente um medo imenso ante o simples fato de cruzar com um cão. Mas esta doença é tratável.

Como saber se você sofre de Cinofobia?

Muitas pessoas confundem o simples medo de cães perigosos com Cinofobia. No entanto, esta doença tem suas próprias características. Existe uma série de sintomas que permitirão identificar a pessoa com este problema.

A seguinte lista destaca alguns dos sintomas mais comuns:

  • O medo é intenso e desproporcional.
  • Evitam-se situações cotidianas onde existe a possibilidade de interagir com um cão.
  • Trata-se de um medo irracional, que carece de explicação lógica.
  • O medo torna-se quase insuportável.
  • A pessoa é incapaz de controlar este medo.
  • Sofre muito ao cruzar ou se aproximar de um cão.
  • Experimentam-se sintomas físicos, como náuseas, suores e taquicardia.
  • Podem surgir tonturas e fraqueza muscular.
  • A pessoa sente vontade de fugir do local.
  • Ataques de pânico ou de ansiedade ao estar próximo de um cão.

Estes são os sintomas mais claros da Cinofobia. Em geral, as pessoas que sofrem deste problema sabem identificá-lo. Atualmente, há muitos tratamentos contra isso. Inclusive são muitos os profissionais que se especializam na área. Esta doença também é muito comum em crianças.

Tratamento para a Cinofobia

Somam milhões as pessoas que sofrem de Cinofobia. Talvez seja por isto que existam várias terapias para tratar esta doença. O melhor de tudo é que quase todas elas costumam ser efetivas, na maioria dos casos. Segundo o perfil da pessoa, o terapeuta recomendará o tratamento mais apropriado para ela.

Cachorro com sua dona

Autor: Wagner Cezar

  • Terapia de exposição gradual

É um tratamento que tem dado bons resultados. Consiste basicamente em aproximar a pessoa de um cão, gradativamente. Este pode ser real ou em imagens. O tratamento procura tentar diminuir gradualmente a ansiedade do paciente. Além disso, com a aproximação do animal, o cérebro começa a entender que o “perigo” não é real. Em geral, depois de algumas sessões, a doença desaparecerá.

  • Técnicas de relaxamento

Esse é um outro tratamento eficaz contra a Cinofobia. Utilizam-se técnicas tais como a ioga ou a meditação. Durante estes momentos de relaxamento, consegue-se acalmar a ansiedade da pessoa. Geralmente, estas técnicas são aplicadas de forma prévia ao tratamento da exposição gradual. Desta maneira, será bem mais fácil para o paciente se colocar frente ao animal.

  • Terapia cognitivo-comportamental

Esta terapia tenta mudar os padrões comportamentais do paciente. Desta maneira, consegue-se identificar as ideias reais e as irreais. A Cinofobia gera uma percepção alterada da realidade e do perigo. A terapia cognitivo-comportamental ajudará a conscientizar a pessoa. Com isso poderão ser percebidas as emoções de uma maneira mais real. Ao final, o paciente conseguirá se dar conta de que seu medo não se justifica.

  • Exposição mediante realidade virtual

A tecnologia avança a passos gigantescos. A exposição mediante realidade virtual procura projetar uma ideia como se fosse a original. O paciente usa uma espécie de lentes, com as quais ele visualizará determinadas situações. Serão geradas imagens muito realistas, como se realmente se estivesse em frente a um cão.

  • Tratamento farmacológico

Existem medicamentos que ajudam a combater a Cinofobia. Em geral, trata-se de fármacos calmantes que ajudam a diminuir a ansiedade. Este tipo de tratamento se aplica a pacientes que apresentam outras fobias, além do medo de cães. De qualquer maneira, o tratamento farmacológico será levado a cabo como um último recurso. Primeiro se tentará abordar o problema a partir do âmbito psicológico.

Cão sendo acariciado

Há muitas formas de tratar a cinofobia. Geralmente, o terapeuta recomendará o tratamento mais adequado. Isto será feito levando em conta a intensidade do sofrimento e o perfil da pessoa. Ainda que não se trate de uma doença grave, poderá causar sérios inconvenientes.

As pessoas que sofrem de Cinofobia não devem se alterar. O primeiro passo é identificar o problema. Depois disto, consultar-se com um profissional da área, assim, em questão de alguns meses, o medo de cães desaparecerá.

Fonte da imagem principal: savageblackout