5 animais da Tundra: conheça estas espécies

· fevereiro 15, 2019

Essas espécies de animais da Tundra são adaptadas às temperaturas frias do ecossistema, em que quase não há vegetação. Além disso, graças à cor branca de muitos deles, a maioria pode se camuflar entre o gelo e a neve.

É conhecida como a “planície sem árvores” e trata-se de um ecossistema caracterizado por fortes ventos, baixas temperaturas e muito pouca chuva.

No entanto, isso não significa que não há vida. Muito pelo contrário! Nesse artigo, falaremos sobre os animais da tundra, que levam uma vida bastante difícil.

Características da Tundra

Antes de falar sobre os animais da Tundra, devemos lembrar que o ecossistema está presente em três áreas do planeta: Ártico (Canadá e Alaska principalmente), Alpes (onde as montanhas mais altas são e não crescem árvores) e Antártica (incluindo o sul da América do Sul e tudo o que está “abaixo” ou ao sul do mundo).

Devido à proximidade dos pólos, a Tundra possui um clima frio, com temperaturas abaixo de zero a maior parte do ano.

Além disso, no inverno, podem chegar a -35 °C. Por outro lado, no verão, não excedem 10 °C. Também há muitos ventos, queda de neve contínua, chuva leve e dias completamente escuros.

Na Tundra não há árvores. Dessa forma, a única vegetação que sobrevive são as plantas baixas, algumas delas com flores. Elas crescem de forma dispersa, como “remendos” entre a neve e as rochas.

Os animais da Tundra

Em relação à fauna deste ecossistema, vale ressaltar que são espécies adaptadas ao clima graças a suas peles e camadas de gordura.

Muitos são brancos para camuflar-se na neve. E, embora seja difícil de acreditar, há muito mais animais Tundra do que pensamos. Alguns deles são:

1. Caribú

Também conhecida como rena, trata-se de um cervo do hemisfério norte, também presente na taiga. Os machos são maiores que as fêmeas.

Além disso, embora ambos os sexos tenham chifres, os dos machos são maiores e mais ramificados.

O caribu – foto que abre este artigo – tem pelagem castanha espessa com áreas brancas, mais escuras e mais curtas no verão.

Graças às suas pernas “sobressalentes”, pode andar sem problemas entre a neve e o gelo. As fêmeas são agrupadas em bandos matriarcais e os machos são solitários.

2. Lagópode-branco

Essa família de aves vive nas regiões frias do Ártico, embora algumas subespécies sejam encontradas em áreas montanhosas da Ásia e da Europa.

O lagópode branco mede pouco menos de 40 centímetros, tem uma cauda de cerca de 10 centímetros e quando abre as asas possui uma envergadura de 60 centímetros.

5 animais da Tundra

No inverno é branco quase completamente, denso e volumoso, o que faz com que pareça maior e mais robusto.

Além disso, suas pernas são cobertas de penas e os rastros deixados na neve são semelhantes a outros animais da tundra, como a lebre. Geralmente é mais ativo pela manhã e prefere voar distâncias curtas.

3. Lêmingue

Esse roedor não vive apenas na Tundra, mas também nos prados árticos. Alimenta-se de frutos, raízes e ervas, que acumula em uma toca que ele mesmo faz.

espécies de animais da Tundra

O lêmingue é pequeno, seu pelo é de cores vivas em tons de marrom, amarelo e areia.  Seu ciclo reprodutivo é bastante curto, podendo começar a ser considerado uma praga em breve.

4. Coruja nevado

Outro animal da Tundra, conhecido por sua beleza e sua grande capacidade de caçar presas em pleno vôo. Alimenta-se de lebres, pequenas aves, peixes ou roedores, como o lêmingue.

animais da Tundra

O macho é branco puro e a fêmea tem manchas escuras nas penas. De toda forma, elas se camuflam muito bem em neve e gelo. Podem medir até 150 centímetros de extensão e são muito bem adaptadas ao clima ártico.

5. Raposa polar

O último dos animais da Tundra nessa lista é um canídeo que pode ser visto nas encostas do norte da Eurásia e da América do Norte.

Com cerca de 55 centímetros de comprimento e pesando cerca de três quilos, a pele da raposa polar é branca no inverno e cinza-amarronzada no verão.

animais da Tundra

Para evitar a perda de calor, tem orelhas muito pequenas e sua cauda é densa e longa. Quando dorme, ela se enrola para poder se aquecer.

É um dos poucos que não hibernam quando está frio. Além disso, se alimenta de pássaros e pequenos mamíferos e se reproduz em março.