5 dicas para combater os problemas de pele em cavalos

junho 13, 2019
Os cavalos podem desenvolver vários problemas de pele, com diferentes intensidades e sintomatologias; oferecer os cuidados apropriados é responsabilidade dos seus donos e cuidadores.

Alergias e problemas de pele estão entre as doenças mais comuns dos cavalos. Essas condições podem prejudicar seriamente a qualidade de vida do animal e acabar causando danos permanentes à sua saúde.

Por isso, é essencial saber como evitar os problemas de pele nos equinos para oferecer a medicina preventiva ideal. A seguir, vamos falar sobre os principais problemas de pele em cavalos e seus sintomas.

Os problemas de pele mais comuns em cavalos

Em geral, esses problemas na pele do cavalo são causados por parasitas e micro-organismos patogênicos; eles estão associados a desequilíbrios no ambiente ou a falhas na medicina preventiva.

Os problemas de pele mais comuns em cavalos

A sarna em cavalos

A sarna é uma doença de pele altamente contagiosa que pode afetar animais de várias espécies, incluindo os seres humanos. Esta condição é causada por pequenos aracnídeos de hábitos parasitários, popularmente conhecidos como ácaros.

Atualmente, são conhecidos diferentes tipos de sarna em cavalos. Os três tipos a seguir são os mais frequentemente diagnosticados:

Tipos de sarna em cavalos

  • Sarna sarcóptica: provoca perda de pelos e pequenas protuberâncias na pele, que geram coceira intensa. Esses sintomas costumam começar na cabeça e no pescoço e se expandem rapidamente para as costas e a parte traseira do equino. Seu patógeno é o ácaro Sarcoptes equi, e quando não tratada a tempo, pode levar à anorexia e à anemia.
  • Sarna psoróptica: afeta principalmente as articulações e as áreas com pelo mais longo, causa coceira e é causada pelo ácaro Psoroptes equi.
  • Sarna corióptica: também conhecida como sarna dos pés, uma vez que afeta principalmente os quartos posteriores e os cascos. Os cavalos costumam bater no chão constantemente para aliviar a coceira: este é o sintoma mais característico deste tipo de sarna. Seu progresso é mais lento e é causado pelo ácaro Chorioptes equi.

Tinha em cavalos

A tinha é uma patologia infecciosa de origem fúngica, isto é, causada por fungos, que afeta principalmente a pele do cavalo. Em geral, esta doença surge diante de uma deficiência imunológica do animal. Dessa forma, ela geralmente é mais comum em equinos idosos ou que não recebem uma medicina preventiva adequada.

O sintoma mais característico da tinha em cavalos são as lesões circulares acompanhadas de alopecia. Se não for tratada rapidamente, surgem feridas ou crostas amareladas nas feridas, o que produz um cheiro peculiar e um pouco desagradável.

Ácaros e fungos em cavalos

As duas doenças mencionadas são alguns dos problemas de pele em cavalos causados por ácaros e fungos. No entanto, existem muitas alergias e processos infecciosos e inflamatórios que esses agentes podem causar nos equinos.

Na prática, a proliferação de fungos e ácaros se origina de condições precárias no ambiente do equino, que permitem, por exemplo, o acúmulo de umidade e sujeira na pele e no pelo do animal, além de alterações no seu pH.

Por outro lado, uma nutrição incompleta e uma medicina preventiva inadequada também tendem a enfraquecer o sistema imunológico equino. Como resultado, isso deixa os seus corpos mais vulneráveis a todos os tipos de doenças e problemas.

Cavalo sendo examinado por veterinária

5 dicas para evitar problemas de pele em cavalos

Essas dicas vão nos ajudar na prevenção das doenças de pele em equinos:

  1. Condicione o ambiente do seu cavalo. Os estábulos dos seus equinos devem proporcionar as condições ideais para o seu desenvolvimento. Boa ventilação e luminosidade são essenciais para evitar a proliferação de micro-organismos e parasitas.
  2. Nutrição completa e equilibrada. O feno de baixa qualidade ou de origem desconhecida se molha facilmente e também pode conter os chamados ‘ácaros do feno’. Além disso, uma boa alimentação é fundamental para fortalecer o sistema imunológico do cavalo.
  3. Higiene. A higiene e a escovação diária do cavalo são essenciais para manter a beleza e a saúde da sua pele e pelagem. Esta rotina também ajuda a detectar sintomas precoces de problemas de pele nos cavalos, bem como a presença de parasitas.
  4. Higienização. Os ambientes do cavalo devem ser higienizados regularmente, com especial atenção para evitar o acúmulo de restos de alimentos, feno umedecido e sujeira. Também é essencial lavar diariamente o bebedouro do cavalo, evitando assim a estagnação de água em mau estado.
  5. Medicina preventiva. Da mesma forma que cães e gatos, os cavalos também precisam cumprir um cronograma de vacinas e desparasitação para prevenir doenças graves que podem levar à morte ou a danos irreparáveis à saúde. Além disso, recomenda-se que os animais sejam examinados por um veterinário pelo menos duas vezes ao ano.
  • intermedica.com. Dermatología equina. Extraído de: http://www.intermedica.com.ar/media/mconnect_uploadfiles/s/c/scott.pdf
  • J. A. Cardona, M. Vargas-Viloria, S. Perdomo. 2013. FRECUENCIA DE PYTHIOSIS CUTÁNEA EN CABALLOS. Extraído de: http://www.scielo.org.co/pdf/rfmvz/v61n1/v61n1a04.pdf