9 raças de cães difíceis de adestrar

Há boatos entre os donos de que existem raças de cães difíceis de adestrar. Muitos acreditam que huskies, samoiedos ou raças japonesas são “difíceis”, e que não podem ser treinadas ou educadas como outros cães. O que há de verdade nisso?

Raças primitivas: as raças de cães difíceis de adestrar

Nem todas as raças de cães surgiram ao mesmo tempo. Algumas apareceram pouco depois da Idade Média, outras apareceram no século 19, mas há algumas espécies que são muito mais antigas.

Acredita-se que os cães começaram a se diferenciar dos lobos e a evoluírem sozinhos no ano 4.000 a. C. Os seres humanos se tornaram sedentários. Isso levou à criação de depósitos de lixo nos arredores dos assentamentos. Sendo assim, vários grupos de lobos passaram a se alimentar dos restos de comida em vez de caçar. Eles foram considerados os primeiros cães.

Husky siberiano: uma das raças difíceis de adestrar

Existem algumas raças primitivas, ou seja, cães que evoluíram pouco desde então. Suas características são semelhantes às dos seus ancestrais. Por isso, ainda possuem muitos traços de seus “pais”.

Estas são as raças nórdicas ou asiáticas:

  1. Husky siberiano
  2. Malamute do Alasca
  3. Samoiedo
  4. Cães do tipo spitz
  5. Pastores finlandeses ou nórdicos em geral
  6. Chow Chow
  7. Akita inu
  8. Shiba Inu
  9. Jindo coreano
As raças nórdicas como husky são tão primitivas que não aprenderam a latir, embora possam desenvolver a capacidade ao longo de sua vida. Apesar disso, esse traço não é instintivo, como acontece com o resto das raças. Huskies e malamutes, por exemplo, uivam para se comunicarem, eles não latem.

As raças japonesas, sim, latem. Entretanto, quem conhece um cão japonês pode perceber que eles têm um temperamento e um caráter muito diferentes dos outros cães.

Raças difíceis para treinar e punir

Não é verdade que essas raças não podem ser treinadas. Prova disso é que os cães nórdicos são frequentemente treinados para puxar trenós, cuidar do gado ou caçar. O que torna essas raças especiais é que elas não podem ser treinadas com punição.

Normalmente, quando queremos educar ou treinar um cão, cometemos o erro de puni-los quando estão errados. Em vez de permitirmos que tentem até conseguirem realizar o que queremos e depois recompensá-lo. Normalmente, interrompemos seus processos de aprendizagem com experiências negativas.

Essa técnica definitivamente não funciona com essas raças. Outras raças foram moldadas e misturadas com outros cães que reagiam da forma que interessa aos humanos em relação ao castigo. Entretanto, cães primitivos não desenvolveram essa capacidade.

Ou seja, se você está tentando ensinar algo a um husky (pode ser que seja para ficar sentado ou não pedir comida na mesa), não conseguirá nada punindo ou repreendendo o cão. Ele não consegue relacionar o comportamento com seu castigo. Dessa forma, você só vai conseguir deixá-lo assustado. Além disso, dessa forma, ele não recebe nenhuma informação, nem mesmo sabe que está fazendo algo errado.

Reforço positivo: certeza de sucesso

As raças nórdicas, japonesas ou primitivas não podem aprender por punição. No entanto, eles reagem muito bem ao reforço positivo e aos prêmios.

O processo de aprendizagem de qualquer cão é acelerado se eliminarmos as punições e o educarmos apenas com o reforço positivo. O reforço positivo é uma gratificação. Ou seja, dar algo que um cão gosta como consequência de um comportamento que queremos que ele repita.

Algo muito simples de fazer é recompensar o animal quando eles realizam o que queremos.  Isso é essencial com essas raças de cães difíceis de treinar. Pois, apesar de serem incapazes de relacionarem algo negativo com seu comportamento, relacionam uma consequência desejável ao seu comportamento de forma muito fácil e rápida.

Ou seja, se você quer que um husky pare de pedir comida na mesa, ele aprenderá muito melhor se você recompensá-lo quando ele não está pedindo. Isso será muito melhor do que puni-lo por estar ao seu lado fazendo uma cara feia para o cão. O reforço positivo é necessário para a aprendizagem de qualquer cão e, no caso das raças de cães difíceis de adestrar, é a única opção disponível.

Samoiedo: uma das raças de cães difíceis de adestrar

Reforço positivo em gatos

Aqueles que costumam se referir a essas raças como “cães-gatos” têm alguma razão. Afinal, esses cães aprendem da mesma forma que seus companheiros felinos. Os gatos não relacionam uma punição ao seu comportamento. Em vez disso, eles aprendem muito rapidamente aplicando métodos baseados apenas em reforço positivo.

Se o seu gato arranhar o sofá e você repreender ou castigar o animal toda vez que ele fizer isso, ele continuará a arranhar o sofá. O gato não entende que sua reação e o comportamento negativo dele estão relacionados. No entanto, se em vez de usar o sofá para arranhar, ele usar o arranhador e ganhar um prêmio, entenderá bastante rápido o que você deseja.

Como as raças nórdicas, asiáticas ou primitivas, os gatos não podem aprender com base no castigo. No entanto, isso não significa que eles não possam aprender: podem ser treinados, mas usando reforço positivo.

Com prêmios e apenas um pouco de paciência, qualquer cão, mesmo que seja uma dessas raças de cães difíceis de adestrar, consegue aprender.

Recomendados para você