A epilepsia em cães: sintomas e conselhos

· novembro 19, 2018

A epilepsia em cães causa convulsões e ataques recorrentes. Saiba mais aqui sobre alguns dos sintomas e quais os conselhos para tratar essa doença.

A epilepsia é um dos problemas de saúde mais angustiantes para os donos, pois não sabem como agir ou o que fazer durante os ataques. Nesse artigo, contaremos tudo o que você precisa saber sobre essa doença.

Epilepsia em cães: o que é isso

Se seu cão sofre de convulsões repetidas, significa que ele é epiléptico. Embora essas convulsões possam aparecer por diferentes razões, o diagnóstico é de epilepsia quando os episódios se tornam periódicos.

Quando a atividade elétrica do cérebro é anormal, os neurônios “ficam desorientados” e causam espasmos locais ou gerais.

No entanto, isso não está relacionado com os movimentos do animal, uma vez que existem até casos em que o cão tem um ataque quando está dormindo ou descansando.

Há diferentes causas da epilepsia em cães, desde um tumor cerebral até uma malformação congênita.

Pode ser também uma herança genética, uma infecção generalizada ou até mesmo a ingestão de inseticidas utilizados na jardinagem.

Há também casos de epilepsia devido a alterações na composição do sangue ou uma maior concentração de eletrólitos de sódio ou potássio no corpo. Tudo isso leva a um aumento na excitação dos neurônios.

Cachorro no veterinário

A epilepsia em cães, passo a passo

Crises epilépticas em cães aparecem de forma inesperada e imprevisível. Elas podem durar no máximo um minuto e meio, embora, é claro, para os donos, pareça muito mais.

Além disso, o animal fica realmente exausto, como se estivesse se exercitando há horas.

A intensidade dos ataques dependerá da área afetada do cérebro: pode haver crises generalizadas ou locais. Os estágios ou fases da epilepsia em cães são os seguintes:

1. Fase inicial

Também conhecida como aura ou pródromo, o animal de estimação muda seu comportamento, fica nervoso, desconfortável e agindo estranho.

Pode querer chamar sua atenção o tempo todo, latir sem motivo, ter incontinência urinária ou ficar desorientado.

Com o tempo, você pode se antecipar aos fatos e saber pelo menos alguns minutos antes que seu cão está prestes a ter um ataque epiléptico. Isso é bom para se preparar e tirar de perto o que poderia machucá-lo durante o ataque.

2. Fase de apreensão

Nesse momento, chamado de acidente vascular cerebral, o ataque começa. O animal se move freneticamente e cai de lado no chão.

Nesse momento, as famosas contrações musculares (tais como tremor), movimentos involuntários dos membros, gemidos, uivos, a produção abundante de saliva e a falta do controle dos olhos e esfíncteres podem ocorrer.

Essa é a fase crítica, quando a epilepsia se manifesta em sua expressão máxima. É muito importante saber que o animal está inconsciente de tudo o que faz naquele momento e que pode ser atingido por qualquer coisa que exista ao seu redor.

Oferecer um cobertor ou colchão onde ele possa “cair”, bem como um local tranquilo, é essencial. No entanto, antes de tudo, devemos permanecer calmos.

3. Fase final

Uma vez que o ataque tenha parado, o cão ficará algum tempo sem se mover ou fará isso repetidamente, porém mais devagar (como se estivesse sonhando).

Então se sentirá confuso, inquieto, desorientado e não responderá quando você chamar ou disser seu nome.

Ele pode querer levantar do chão, mas tropeçará em tudo em seu caminho. Nessa fase, é muito importante deixá-lo quieto, oferecer um bom recipiente com água e seu cobertor.

O ideal é que seu cão durma o que precisa para se recuperar. O ambiente deve ser calmo e bem ventilado.

Cachorro dormindo

A epilepsia em cães tem uma solução?

É necessário saber que a epilepsia em cães é crônica e vitalícia. Isso significa que não há tratamentos para curá-la. Sendo principalmente hereditária e afetando o cérebro, há poucos avanços médicos e científicos nesse sentido.

O que podemos fazer é reduzir o estresse do animal para evitar novos episódios e espaçá-los o máximo possível.

Como? Através de terapias alternativas de homeopatia, reiki ou até acupuntura, sempre oferecidas por um profissional.

Evidentemente, antes de um episódio epiléptico, mantenha a calma e condicione o ambiente para evitar impactos ou lesões produzidas durante convulsões ou durante a confusão subsequente.