Água-viva Aequorea victoria: características, dieta e distribuição

A água-viva Aequorea victoria é um animal fascinante, pois possui uma proteína que vem sendo amplamente utilizada no estudo de processos biológicos em células humanas. Saiba mais sobre esse invertebrado!
Água-viva Aequorea victoria: características, dieta e distribuição

Última atualização: 07 Julho, 2021

A água-viva é um dos animais marinhos que mais desperta curiosidade, mas entre todas elas se destaca a água-viva Aequorea victoria, pertencente à família Aequoreidae, que inclui mais de 25 espécies. Esse invertebrado possui características especiais que o tornam único, tendo inclusive despertado o interesse da ciência.

O nome comum em inglês dessa dessa água-viva, crystal jelly, vem de sua aparência gelatinosa e quase transparente, semelhante ao vidro. Esse aspecto a torna quase imperceptível para o ser humano, ainda mais porque geralmente vive em áreas profundas do oceano, onde quase não chega luz solar. Continue lendo para conhecer suas características, sua dieta e sua distribuição com mais detalhes.

Características da água-viva Aequorea victoria

A água-viva Aequorea victoria, como a maioria desses animais, tem uma aparência marcante. Além de sua transparência, possui centenas de tentáculos de diferentes tamanhos. Embora pareçam delicados, são muito mais resistentes do que os de outros tipos de água-viva. É importante notar que eles não partem da área da boca do animal, mas da borda do seu guarda-chuva. Além disso, estão repletos de um veneno capaz de paralisar suas presas.

Já a característica que tornou a Aequorea victoria famosa é sua bioluminescência, ou seja, sua capacidade de produzir luz naturalmente. Quando essa água-viva se sente atacada ou em perigo, ela ativa a proteína fluorescente verde (GFP, por sua sigla em inglês) por meio de seus mais de 100 órgãos para afugentar os predadores.

As águas-vivas têm células especializadas, cnidócitos, responsáveis por ejetar o veneno dos tentáculos após o contato com a presa.

 

Essa proteína que se ativa com o cálcio foi descoberta pelo cientista japonês Osamu Shimomura e pelo americano Roger Y. Tisen. Ambos os profissionais ganharam o Prêmio Nobel de Química em 2008 graças a essa descoberta.

De acordo com estudos que compilaram a aplicação dessa proteína no campo da medicina, graças a ela foi possível investigar processos biológicos, relacionados à disseminação de células cancerígenas e à formação de novos neurônios, em células humanas.

O que mais se destaca no uso da GFT em humanos é a sua capacidade de brilhar sem o uso de outros aditivos. Basta irradiar a área com luz ultravioleta para emitir fluorescência. Esse é um grande avanço, pois não representa risco de toxicidade.

Dieta das águas-vivas Aequorea victoria

Esse invertebrado marinho atinge tal expansão de sua boca que pode engolir outras águas-vivas ou presas com o dobro de seu tamanho. Devido a esse feito biológico, ela consegue consumir outras hidromedusas, mesmo que não sejam a base de sua dieta. Também ingere pequenos organismos, como plâncton e alguns crustáceos.

Quando se trata de presas difíceis, Aequorea victoria usa seus tentáculos pegajosos para injetar a toxina paralisante. Então, usa a força das mesmas estruturas para trazer as presas à boca e engoli-las inteiras. Esse invertebrado não tem dentes, por isso não mastiga, porque é no estômago que as enzimas decompõem os alimentos.

Essas águas-vivas, por sua vez, são o alimento de outras espécies como o peixe-lua, contribuindo assim com seu grão de areia para o equilíbrio do ecossistema oceânico. Por serem quase transparentes, alguns animais que se alimentam delas confundem-nas com sacolas plásticas, que flutuam no oceano por causa da poluição.

Embora sua mordida seja letal para suas presas, para os humanos não há maiores riscos.

Distribuição

As águas-vivas Aequorea victoria são encontradas na costa oeste da América do Norte, desde o centro da Califórnia até Vancouver, nas proximidades de Washington e Colúmbia Britânica. Elas vivem nas profundezas oceânicas e nas costas. Na verdade, devido às correntes marinhas, elas podem ser arrastadas para a praia, onde poderiam ser encontradas encalhadas.

Apesar de terem total controle de suas partes, esses invertebrados não costumam nadar. Eles preferem ser carregados de um lado para o outro pelas correntes, que os mantêm flutuando. Atualmente, esses espécimes podem ser vistos em exposição em alguns aquários legais, como zoológicos e reservas.

Água-viva Aequorea victoria, um ser deslumbrante

Assim é a água-viva Aequorea victoria: deslumbrante. Além de enfeitar os oceanos com sua presença, pode-se dizer que presta um serviço à saúde dos seres humanos, devido ao trabalho de seus compostos em laboratório. Por outro lado, graças à sua sensibilidade à qualidade da água, as águas-vivas se tornaram sentinelas das mudanças climáticas.

De fato, um artigo da Universidade Complutense de Madrid explica que uma das razões pelas quais as águas-vivas estão mais próximas das praias é a ruptura da barreira de temperatura e salinidade entre o mar aberto e a costa. Se prestarmos atenção, como sociedade, a esses parâmetros biológicos, poderemos detectar mais rapidamente as mudanças no ambiente.

 

A transparência da água-viva Aequorea victoria

A espécie Aequorea victoria é uma água-viva de tamanho pequeno, com coloração quase nula e um formato quase impossível de discernir no fundo do mar. Em todo caso, chama a atenção por sua utilidade em várias frentes humanas.

Pode interessar a você...
A água-viva Olindias formosa é perigosa?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
A água-viva Olindias formosa é perigosa?

A picada da água-viva Olindias formosa não é fatal, mas produz urticária, pois é um cnidário que caça usando seu veneno. Saiba mais aqui!



  • Mendoza-Becerril, María & López, Laura & Agüero, José. (2019). Diminutas y valiosas hidromedusas. 23. 30-33.
  • Medusas, cada vez más cerca. Oficina de Transferencia de Resultados de Investigación – Universidad Complutense de Madrid.