A amêijoa Ming, o animal que vive mais tempo

A amêijoa Ming tinha mais de meio milênio de vida no mar quando foi encontrada.
A amêijoa Ming, o animal que vive mais tempo

Última atualização: 02 junho, 2022

Em 2006, uma expedição científica na Islândia que ia estudar cuidadosamente a vida dos moluscos encontrou uma amêijoa com características especiais. Ao observá-la em detalhes, eles descobriram que era um espécime único. Foi batizada como a amêijoa Ming e acabou por ser o animal mais longevo.

O que a expedição que encontrou a amêijoa Ming estava procurando?

Cientistas de todo o mundo costumam fazer expedições dentro e ao redor da Islândia com a intenção de estudar seus moluscos. Espécies de vida muito longa foram encontradas em águas frias, e isso mobilizou a comunidade científica na tentativa de compreender o processo de envelhecimento.

Com seus anéis conhecemos as mudanças que ocorreram no mar e em seu clima durante a vida desse molusco.

As amêijoas islandesas são estudadas porque são bivalves de vida muito longa. Eles podem responder a certas incógnitas sobre o processo de envelhecimento. Isso porque a cada ano adicionam um novo anel à sua concha, de forma semelhante às árvores, e analisando esses anéis podemos conhecer a história dos oceanos.

Por que foi batizada como a amêijoa Ming?

Quando os cientistas começaram a estudar esse molusco, perceberam que ele tinha centenas de anos. Acreditava-se inicialmente que havia nascido quando a dinastia Ming reinava na China e por isso foi batizado com esse nome.

À medida que as investigações avançavam, descobriu-se que poderia ter mais de 500 anos, ou seja, mais de meio milênio.

A morte da amêijoa Ming

Como fez parte de um estudo de muitos mariscos coletados, a amêijoa Ming estava incluída entre eles. Essas pesquisas consistem em colher amostras de sua concha e, uma vez aberta, o animal morre.

A equipe de pesquisa da Universidade de Bangor afirmou que a peculiaridade do bivalve ainda era desconhecida no início da análise e é por isso que, quando descobriram sua importância, era tarde demais para salvá-lo.

A amêijoa Ming, o animal de vida mais longa, morreu antes que seu valor fosse conhecido.

Como as amêijoas são estudadas?

O método de estudo é a esclerocronologia que consiste, no caso das amêijoas, na abertura da concha. Nem sempre se sabe se o molusco ainda está vivo. Mas se estiver, ele morrerá quando aberto. Com esse método, os anéis da casca são contados por dentro.

Por tudo isso, os cientistas que estudaram a amêijoa Ming não sabiam que ela ainda estava viva e que estava conosco há tantos séculos.

Em sua defesa, eles comentaram que animais da mesma espécie são consumidos comercialmente diariamente e que podemos estar comendo mariscos com centenas de anos no almoço. O argumento mais forte foi que eles só perceberam que a amêijoa poderia ser muito mais velha quando os estudos já haviam começado.

A amêijoa Ming, o animal mais longevo nas manchetes

Quando a idade da amêijoa Ming foi divulgada, sua descoberta chegou às manchetes. Assim como a infeliz notícia de sua morte na investigação. Essa situação deu origem a vários protestos contra a Universidade de Bangor, responsável pela pesquisa.

Contudo, seu estudo permitiu a publicação de um trabalho de alta qualidade na revista científica Age, em 2013. Nele, os autores descreveram a relação entre a longevidade de todas as espécies estudadas.

O animal mais longevo não utilizava muitos recursos em resposta a estressores externos. A amêijoa Ming teve uma existência pacífica.

Pode haver mais amêijoas Ming no mar

É muito provável que a amêijoa Ming não seja a única que ostenta longevidade. A comunidade científica revela uma opinião unânime ao garantir que na Islândia e nas costas do Ártico haveria amêijoas ainda mais velhas.

E tão importante quanto os bivalves longevos é a informação que eles podem nos dar, visto que os oceanos sofreram mudanças nas correntes, a última há cerca de 400 anos, na Pequena Idade do Gelo.

As conchas de ostras, amêijoas, mexilhões, lagostas e caracóis marinhos, nas espécies longevas, valorizam a história dos oceanos e mostram a velocidade das mudanças recentes.

O futuro da pesquisa marinha

Atualmente, os oceanos recebem o impacto das emissões de CO2 e os corais e conchas dos moluscos testemunham isso. A acidificação das águas marinhas pode prejudicar a reprodução das espécies e a sobrevivência das economias que dependem da pesca. As altas temperaturas que impactam o oceano estão afetando as populações da fauna marinha.

Considerando que as espécies marinhas também contribuem com ácidos graxos insaturados para a dieta humana, beneficiando o sistema cardiovascular, entende-se a importância de apoiar a investigação científica e encontrar métodos de estudo mais seguros para a vida marinha.

Pode interessar a você...
8 tipos de moluscos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
8 tipos de moluscos

Os moluscos são um grande grupo de invertebrados com características de diferentes tipos que devem ser consideradas na sua identificação.