Animais que vivem no fundo do mar

julho 3, 2018
Essas espécies vivem tão abaixo do nível da superfície que não têm luz. A aparência delas pode ser monstruosa, com olhos e dentes enormes. Alguns espécimes têm a possibilidade de gerar luz através da bioluminescência de seus órgãos.

Os oceanos são uma das partes menos exploradas do planeta Terra. Sabemos que em suas profundezas há uma grande variedade de vida e sabemos que estamos muito longe de conhecê-la em sua totalidade. Hoje revelaremos um pouco sobre as características dos animais que vivem no fundo do mar.

As profundezas marinhas

Peixe-dragão

Fonte: wikipédia

O oceano é enorme. Três quartos do planeta estão cobertos de água e estima-se que apenas conheçamos cerca de 5%. Isso porque é difícil acessar esses locais, apenas é possível com equipamentos especiais e cientistas bem preparados para acessar esse local.

Quando falamos de mar profundo ou abismo, nos referimos ao espaço dos oceanos que tem entre 4.000 e 6.000 metros de profundidade. Nesta área, a luz não penetra e as temperaturas oscilam em torno de dois graus centígrados.

Profundeza do mar

Existem lugares mais profundos que a zona abissal. As covas marinhas, que atingem até 12 quilômetros de profundidade, são lugares especialmente profundos onde duas placas tectônicas convergem. São lugares especiais e raros que abrigam sua própria fauna.

Características dos animais que vivem no fundo do mar

Os animais que aparecem no abismo profundo são muito variados e vêm de muitas famílias diferentes. No entanto, as duras condições de vida que existem sob o oceano significam que elas têm certas características em comum.

A falta de luz solar impede a fotossíntese e o crescimento de qualquer espécie de planta. A fauna abissal se alimenta principalmente da caça. Aqueles que não caçam se alimentam dos restos de animais na superfície que são gradualmente submersos.

A aparência desses animais muitas vezes parece monstruosa para nós. Devido à falta de luz, muitos desenvolveram grandes olhos de aparência incomum, outros desenvolveram bocas enormes e dentes afiados, às vezes maiores que o resto de seus corpos.

Peixe-sapo
Fonte: ecotiendabuceo.es

Devido à falta de luz solar, alguns desenvolveram órgãos bioluminescentes, isto é, eles são capazes de criar luz. Alguns peixes têm antenas especialmente preparadas para atrair suas presas com luz, e outras iluminam a pele para espantar os predadores.

O gigantismo é uma característica comum. Algumas espécies são desproporcionalmente maiores em relação a outras espécies de superfície marinha. Peixes com mais de dois metros de comprimento ou crustáceos que atingem 50 centímetros de diâmetro são dois exemplos.

  1. Peixe-sapo espinhoso

O peixe-sapo (foto acima) é um dos animais que vivem no fundo do mar com um aspecto mais assustador. No entanto, é relativamente pequeno: as fêmeas, maiores, têm apenas 25 centímetros de comprimento. Suas “espinhas” são, na verdade, órgãos muito sensíveis que detectam o movimento de suas possíveis presas.

  1. Peixe-dragão

O peixe-dragão é uma espécie de peixe, da qual existem três subespécies reconhecidas. Em geral, são peixes com corpo alongado e achatado e, embora o tamanho geral dependa de cada espécie, a média é de 30 a 40 centímetros de comprimento.

Peixe-dragão

A coisa mais notável sobre este animal é o comprimento de seu corpo, mas também o tamanho de sua boca. Seus dentes são tão afiados e longos que em alguns espécimes foi descoberto que eles não podem fechar a boca completamente.

  1. Vermes tubulares gigantes

Os vermes tubulares gigantes são uma das espécies afetadas pelo gigantismo. Eles são seres invertebrados que formam grupos no fundo do Oceano Pacífico e vivem dentro de tubos quitinosos próximos às chaminés de origem vulcânica.

Eles têm um metabolismo extremamente lento, o que permite-lhes serem muito longevos: verificou-se que podem viver até dois séculos e meio. Em termos de tamanho, alguns atingiram dois metros e meio de comprimento, mas geralmente crescem apenas até um metro e meio.

Eles não têm sistema digestivo: nutrem-se graças a todas as bactérias que cobrem seu corpo e os ajudam a sintetizar a comida. Sem essa relação simbiótica, esses animais não poderiam sobreviver.

  1. Calamar de cristal

Os calamares de cristal são uma família de cefalópodes que receberam esse nome por serem transparentes. Eles também são conhecidos como medusas-cristal ou guindastes. Algumas espécies vivem na superfície, mas existe uma que habita águas com mais de dois quilômetros de profundidade.

Calamar de cristal
Fonte: http://bogleech.com/

Dentro desta família existem grandes diferenças de tamanho, uma vez que a menor mede alguns centímetros e a maior atinge dois metros de comprimento. A forma dos corpos é semelhante: eles têm um corpo redondo e têm tentáculos curtos, os quais têm ventosas.

Algumas espécies são bioluminescentes graças a órgãos localizados nas laterais dos olhos. Eles usam esse recurso para se camuflarem na base marinha. Em geral, todo o seu corpo é transparente, exceto uma glândula digestiva localizada no centro do seu corpo.

As profundezas abissais são lugares de difícil acesso em nosso planeta. O pouco que sabemos sobre eles nos permite garantir que, apesar de serem lugares inóspitos, abrigam muita vida e os animais que vivem no fundo do mar são incríveis.