Animais surpreendentes que crescem com a luz

Desde lesmas-do-mar até salamandras: esses animais podem aproveitar naturalmente a energia do sol.
Animais surpreendentes que crescem com a luz
Luz Eduviges Thomas-Romero

Escrito e verificado por a bioquímica Luz Eduviges Thomas-Romero.

Última atualização: 21 dezembro, 2022

Existem animais que crescem com luz? A qualidade de transformar energia luminosa em energia química é, classicamente, o poder do reino vegetal. No entanto, agora é reconhecido que existem espécies animais que crescem graças à fotossíntese.

Basicamente, o crescimento das espécies animais se beneficia da relação simbiótica com algas unicelulares, que realizam fotossíntese para obter energia. Este artigo apresenta dois exemplos.

O que é uma relação simbiótica?

Por definição, a relação simbiótica estabelece uma íntima associação entre organismos de diferentes espécies, que retribuem benefícios mútuos em seu desenvolvimento vital.

Dentro das células de plantas ou algas, os plastídios são organelas cuja principal função é produzir e armazenar compostos químicos. Assim, essas organelas controlam processos como fotossíntese, síntese de lipídios e aminoácidos, e também determinam a cor de frutos e flores. Excepcionalmente, estes são exportados para células animais que se alimentam de algas.

1. Lesmas-do-mar

As lesmas do mar podem regenerar seu corpo.

Falaremos primeiro das lesmas-do-mar, pertencentes à ordem Sacoglossa, que se alimentam de algas sifonáceas. Essas espécies sequestram plastídios de algas ingeridas dentro de células em sua glândula digestiva. Esta incorporação é facilmente evidenciada à medida que as células digestivas assumem a cor das algas.

Em algumas lesmas, incluindo as do gênero Elysia, os plastídios podem permanecer morfologicamente intactos, funcionando por semanas e meses. É o caso da lesma-do-mar chamada Elysia chlorotica, um pequeno gastrópode de 5 centímetros de comprimento.

Este estranho animal parece uma folha. É verde quando o sol brilha e se espalha como se quisesse aproveitar a luz e o calor. Esta espécie se alimenta de algas filamentosas como Vaucheria littorea. Os cloroplastos roubados contêm clorofila, o pigmento que capta a luz durante a fotossíntese. Então, graças a esses elementos, a lesma exibe sua cor.

É interessante saber que o molusco adquire cloroplastos durante seu desenvolvimento, ou seja, durante a transição da forma larval para a forma adulta. Curiosamente, a lesma parece se alimentar de algas apenas no início de sua existência e, posteriormente, extrai sua energia exclusivamente da fotossíntese.

A salamandra manchada

Seu nome científico é Ambystoma maculatum. Esta espécie estabelece uma associação entre seus embriões e as algas verdes das quais se alimenta (Oophila amblystomatis).

Relatórios recentes mostraram que essa simbiose é mais íntima do que o relatado anteriormente. Assim, concluiu-se que as células das algas invadem as dos tratos reprodutivos adultos e de seus embriões durante o desenvolvimento. Os cloroplastos permanecem funcionais ao longo da vida.

Uma vez dentro, a alga metaboliza o dióxido de carbono produzido pelo embrião e fornece oxigênio como resultado da fotossíntese. Este é um magnífico exemplo de simbiose, e o único exemplo conhecido é um organismo endossimbiótico intracelular em vertebrados.

Por outro lado, a alga parece se beneficiar dos abundantes suprimentos de nitrogênio e fósforo encontrados no embrião.

Unidos para a eternidade?

Curiosamente, essa simbiose entre a alga verde e a salamandra pode existir além do estágio embrionário inicial. Os cientistas conseguiram rastrear a autofluorescência emitida pela clorofila e DNA de algas nas salamandras da próxima geração.

A invasão de células de algas nos tecidos da salamandra representa uma associação única entre um vertebrado e uma alga eucariótica, com implicações para pesquisas sobre o reconhecimento célula-célula, possível troca de metabólitos ou DNA e congruência entre estruturas do hospedeiro e da população simbionte.

Uma salamandra empoleirada no musgo.

Nota final

Em suma, essa relação também pode ser vista como a capacidade incomum de escravizar partes ou a totalidade de outro organismo. Este processo especial tem um impacto claro no funcionamento das teias alimentares e dos ecossistemas. Além disso, ilustra um dos principais mecanismos pelos quais a vida na Terra provavelmente evoluiu.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Kerney, R., Kim, E., Hangarter, R. P., Heiss, A. A., Bishop, C. D., & Hall, B. K. (2011). Intracellular invasion of green algae in a salamander host. Proceedings of the National Academy of Sciences, 108(16), 6497-6502.
  • Rauch, C., Tielens, A. G., Serôdio, J., Gould, S. B., & Christa, G. (2018). The ability to incorporate functional plastids by the sea slug Elysia viridis is governed by its food source. Marine Biology, 165(5), 82.
  • Scott F. Gilbert, J. Sapp, and A. I. Tauber. (2012). “A Symbiotic View Of Life: We Have Never Been Individuals”. Quarterly Review Of Biology. Volume 87, Issue 4. 325-341. DOI: 10.1086/668166 https://works.swarthmore.edu/fac-biology/165

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.