As cabras preferem que você sorria

· maio 25, 2019
Aparentemente, a capacidade de alguns animais para identificar certas expressões faciais se deve ao processo de domesticação das espécies.

Reconhecer as expressões faciais do ser humano é uma característica exibida por animais domésticos, como o cachorro, por exemplo. No entanto, parece que outros animais, tais como as cabras, também têm essa habilidade.

Já sabíamos que as ovelhas podem reconhecer as pessoas, e agora um estudo confirmou que os seus parentes próximos também reconhecem expressões faciais. Ambas as qualidades são muito úteis para animais domésticos dependentes do homem, e refletem uma grande inteligência.

As cabras preferem os sorridentes

Foi isso que a equipe de Alan McElligott, pesquisador da Universidade londrina de Queen Mary, conseguiu demonstrar. Nos seus experimentos, foi demonstrado que as cabras preferem interagir com pessoas sorridentes.

Para este estudo, a equipe de cientistas usou 20 cabras, às quais foram mostradas fotografias de rostos de pessoas com diferentes expressões: em um painel havia um rosto irritado, enquanto em outro havia uma expressão alegre.

Os pesquisadores acreditam que essa capacidade pode ser encontrada em outros animais domesticados para a criação animal, o que poderia levar a conclusões interessantes sobre a sua relação com a nossa espécie.

As cabras preferem os sorridentes

Para entender o quão maravilhosa é esta descoberta, é preciso esclarecer que cada espécie tem a sua própria maneira de se comunicar e as trocas de informações entre espécies diferentes são muito raras, como pode ocorrer com os pássaros que ajudam a procurar mel.

Até mesmo entre os primatas, que se comunicam através de expressões faciais, os significados são diferentes e um sorriso humano pode levar à desconfiança ou até mesmo ao medo nestes animais, algo que não acontece com as cabras, graças a um contexto evolutivo completamente diferente. Isso ocorre porque mostrar os dentes geralmente é uma forma de ameaça para muitos desses animais, como o macaco de Gibraltar, por exemplo.

O que isso significa?

Já se sabia que esses animais entendem a nossa linguagem corporal, mas parece que eles também podem entender a nossa linguagem facial. Assim, isso nos mostra que o cachorro não é a única espécie doméstica adaptada para se comunicar conosco.

O processo de domesticação implica mansidão: isto é, a seleção dos animais mais mansos e mais dados a se relacionar com o ser humano. Portanto, não é nada estranho imaginar que eles prefiram fazer isso com os mais amigáveis.

A domesticação da cabra

Vale a pena ressaltar que os animais de estimação não sofrem com outras pressões dos animais silvestres, como os predadores, por exemplo. Em vez disso, eles têm a relação com o ser humano como o grande moderador desse relacionamento.

A domesticação da cabra

Esse tipo de capacidade de compreender a expressividade humana ocorre com poucas espécies: os primatas podem entendê-las em maior ou menor grau, pois compartilham essa linguagem, embora o restante dos animais parece adquirir essa habilidade com a domesticação.

A cabra doméstica é considerada uma subespécie da cabra selvagem. A origem dessa domesticação seria encontrada na antiga Mesopotâmia, de onde se espalharam pelo resto do mundo.

Mesmo atualmente, a cabra ainda é um dos animais mais importantes do Oriente Médio, onde variedades domésticas e selvagens convivem em harmonia. Talvez essa seja uma das incríveis habilidades das cabras que também fizeram delas grandes companheiras do homem durante milhares de anos.