As pílulas anticoncepcionais podem afetar a saúde das gatas?

abril 3, 2019
Nós vamos responder à pergunta se as pílulas anticoncepcionais afetam a saúde das gatas e o motivo... Cuidado com os abusos e seus efeitos colaterais!

Embora a castração de animais de estimação seja a melhor maneira de evitar a reprodução, alguns donos de animais optam por outras alternativas não tão drásticas, como as pílulas anticoncepcionais. Nesse artigo, falaremos se elas podem afetar a saúde das gatas.

Pílulas anticoncepcionais para gatas: o que saber

Às vezes, os donos não querem que seus animais de estimação tenham filhotes, mas não decidem pela castração ou esterilização. Em outros casos, um problema de saúde animal – por exemplo, um problema cardíaco – impede a cirurgia, por mais simples que seja.

Pode acontecer também que a fêmea esteja se recuperando de uma outra cirurgia ou de alguma doença que não permita a prática da castração.

É nesses casos que os veterinários recomendam um tratamento alternativo: as conhecidas “pílulas anticoncepcionais” semelhantes às tomadas pelas mulheres.

São medicamentos administrados por via oral e cujo objetivo é evitar que cadelas ou gatas engravidem, evitando o aparecimento de cio e ovulação devido à sua grande contribuição de progestina.

Para que as pílulas sejam eficazes, é muito importante cumprir o tratamento ao pé da letra.  Ou seja, não se esqueça de nenhuma dose e respeite os dias de ingestão indicados pelo médico veterinário.

A melhor maneira de administrar a pílula é escondendo-a na comida, melhor ainda se for uma comida macia (queijo, patê, atum, alimento úmido). Dessa forma, garantiremos que será completamente consumida.

Pílulas anticoncepcionais para gatas: o que saber

Injeções contraceptivas são outra alternativa para evitar a reprodução; essas são administradas pelo veterinário com a periodicidade considerada adequada. A desvantagem desse tratamento é que devemos levar a gata para a clínica pelo menos uma vez por mês enquanto não quisermos que ela tenha filhotes.

Tomar pílulas anticoncepcionais traz riscos para a saúde das gatas?

Como podemos supor, um tratamento baseado em hormônios sintéticos não deve ser bom para o nosso animal de estimação, principalmente se for mantido por um longo período de tempo.

As pílulas anticoncepcionais devem ser administradas como um último recurso. Ou seja, quando o animal não pode ser castrados, pois podem ter efeitos nocivos na saúde das gatas.

Uma das principais consequências é que o seu consumo aumenta significativamente a possibilidade de desenvolver tumores malignos ou câncer de mama ou útero, devido ao desequilíbrio hormonal do sistema reprodutivo.

Por sua vez, esses comprimidos também aumentam a probabilidade do animal sofrer infecções diferentes, principalmente no útero – que é conhecido como nível piometra – e urinária. O uso abusivo desse medicamento também pode causar hemorragias graves.

Tomar pílulas anticoncepcionais traz riscos para a saúde das gatas?

Não apenas a saúde das gatas é afetada, mas também seu comportamento; predispõe o animal a uma vida sedentária, não querendo brincar ou não sendo tão ativo quanto antes e se tornar ansioso em relação ao alimento (resultando em excesso de peso). Há também casos de animais de estimação com grande perda de pelo fora da época da muda.

É necessário saber que esse método de contracepção não é 100% eficaz e pode gerar ciclos irregulares que também resultam em gravidez. O mais arriscado disso é que põe em risco a vida da gata e de seus filhotes.

Alguns filhotes podem nascer com má formação ou morrer em poucas horas. Para a mãe, ter filhotes sem vida em seu ventre também pode ser fatal, já que é mais difícil dar à luz a eles.

As pílulas anticoncepcionais podem ter muitos efeitos nocivos na saúde das gatas, por isso são recomendadas somente como último recurso, quando a castração não é viável.

Além disso, não é aconselhável realizar esse tratamento por um tempo muito longo, e é necessário fazer um acompanhamento com visitas periódicas ao veterinário para analisar a condição do animal.

  • Rivera, M. (2015). Control del ciclo reproductivo en la perra y en la gata | Argos Portal Veterinaria.