Aves de rapina: saiba mais sobre esses animais

· outubro 12, 2018
Esses pássaros carnívoros têm garras fortes com as quais pegam suas presas. Assim, elas prendem as presas ao chão e rasgam a carne com seus bicos. Sua visão é excepcional, portanto, eles detectam pequenos animais mesmo voando alto.

As aves de rapina são algumas das aves mais admiradas do mundo animal. Elas não fazem parte de um grupo taxonômico específico. Na verdade, fazem parte de um grupo de espécies que têm em comum o fato de serem carnívoras. Essas aves são treinadas na arte da falcoaria.

Características comuns das aves de rapina

A maioria desses pássaros têm um bico curvo, o que lhes permite rasgar a carne de suas presas. Eles também têm garras fortes que lhes permitem capturar pequenos animais. Assim, prendendo as presas ao chão, eles podem rasgar sua carne com seus bicos.

Todas as espécies de aves de rapina têm um sentido de visão extremamente aguçado, comparado com outros animais. Possuem olhos grandes, com os quais podem detectar pequenas presas, como roedores. Mesmo assim, algumas espécies, como a águia-real, podem capturar presas maiores, como os cordeiros.

Aves de rapina noturnas

As aves de rapina noturnas são conhecidas como mochos ou corujas, também chamadas de estrigídeos e titonídeos, respectivamente. Essas aves são caracterizadas por terem adaptações que melhoram sua audição e reduzem o barulho que fazem ao voar.

Esses animais são mais ativos à noite, por isso, sua audição é muito mais importante que a visão. Assim, seu rosto é arredondado e seu bico é curto. Isso reduz qualquer interferência na antena parabólica natural que o formato particular de sua cabeça cria.

Essa forma concentra muito os sons de suas presas. Por isso, esses animais são muito sensíveis, mesmo aos menores movimentos.

Aves de rapina noturnas: coruja

Por outro lado, as penas de muitas dessas espécies são um autêntico trabalho de engenharia natural, que inspirou até engenheiros aeronáuticos. 

Suas aves têm três adaptações. A saber, uma faixa de penas rígidas na frente, uma crista flexível no exterior e uma plumagem aveludada no topo.

Isso faz com que o voo de aves de rapina noturnas, como o aluco ou a coruja, seja muito especializado. Esses animais têm a capacidade de detectar presas sob a neve. Ao mesmo tempo, são praticamente imperceptíveis aos animais que caça.

As asas dessas aves têm três adaptações: uma faixa de penas rígidas na frente, uma crista flexível no exterior e uma plumagem aveludada no topo.

Aves de rapina diurnas

Existem muitas espécies de aves de rapina diurnas. As mais conhecidas são as águias, porque são as maiores caçadoras e se espalharam pelos ecossistemas do planeta. Entre elas, destacam-se a águia imperial e o urubu, além das águias e gaviões, que são aves de rapinas notáveis para seu tamanho e suas técnicas de caça.

Falcões e peneireiros são menores, mas são os animais mais rápidos do mundo. O falcão-peregrino pode atingir 380 km/h. Por sua vez, açores e gaviões não chegam a essas velocidades, mas são muito ágeis e com grande capacidade de manobra. Isso permite que possam voar pelo meio das árvores.

Aves de rapina diurnas: águia

secretário é a ave de rapina diurna mais chamativa por causa de sua plumagem. Além disso, é a única que não caça no ar. Ele usa suas longas patas para golpear e prender suas presas. Esse animal pode ser encontrado em muitos ecossistemas africanos, principalmente no sul do Saara.

Falcões e peneireiros são menores, mas são os animais mais rápidos do mundo. O falcão-peregrino pode atingir 380 km/h.

Aves necrófagas

Essas aves podem ser incluídas entre as aves de rapina diurnas. A verdade é que os abutres são aves de rapina muito particulares. Embora outras aves de rapina, como o milhafre-real, também possam comer cadáveres.

Na realidade, urubus e condores são os especialistas genuínos nesse tipo de alimentação. Entretanto, dificilmente podem matar a presa sozinhos, apesar de serem as maiores aves de rapina.

Essas aves são muito pesadas. E, entre elas, está o condor-dos-andes, considerado a maior ave do mundo. Também se destaca o abutre-preto, que é a maior ave da Europa em envergadura. Essa ave também é muito presente na Espanha.

Atividade das aves de rapina

As aves de rapina são muito ameaçadas por remédios como o diclofenaco. Além disso, também são sensíveis a substâncias tóxicas, como o chumbo contido nas balas dos caçadores. Portanto, protegê-los é vital.

Afinal, elas cumprem a importante função ecológica de manter os pequenos mamíferos, como os roedores, sob controle. Nesse sentido, são aves especialmente importantes para manter o equilíbrio ecológico.

Por sua vez, os abutres são essenciais para prevenir a propagação de doenças e a contaminação de fontes naturais de água. De fato, a redução de suas populações produziu, infelizmente, crises humanitárias reais em países como a Índia.

Em suma, proteger essas aves traz muitos benefícios para o ser humano. Mais uma razão pela qual devemos proteger os ecossistemas do mundo.