Biópsia canina: como é feita?

· dezembro 19, 2018

Graças à biópsia, é possível determinar o que aflige os cães e proceder a um tratamento subsequente ou intervenção cirúrgica.

Trata-se de uma técnica que consiste em coletar uma amostra de tecido para posterior análise microscópica. Assim, quando um cão está doente, o veterinário pode determinar se é necessário, além de outros testes, realizar uma biópsia.

Em que situações é recomendada uma biópsia em caninos? Como é feita? É necessário utilizar anestesia geral?

A seguir, veremos alguns dados que ajudarão a entender melhor esse procedimento, que pode causar preocupação nos donos de animais de estimação.

Antes da biópsia

Quando um cão está doente, a primeira coisa que o médico fará é criar um histórico médico completo para analisar a progressão da doença. 

Assim, o histórico irá incluir a idade do animal de estimação, informações sobre o início do problema, os tratamentos que foram praticados e sua eficácia.

O veterinário também irá realizar um exame físico, que incluirá a verificação da temperatura do cão, palpação do abdômen e auscultação do coração e pulmões.

Dependendo do tipo de sintomas, alguns testes podem ser necessários para determinar a causa do problema.

Dessa forma, exames de sangue, raios-x, ultrassonografias, tomogramas, entre outros, podem ser realizados.

Raio X da pata de um cachorro

Os resultados desses testes podem levar à necessidade de realizar uma biópsia para obter um diagnóstico definitivo. Essa situação ocorre principalmente no caso de o médico suspeitar de neoplasia.

Tipos de biópsias em caninos

Existem diferentes tipos de biópsias em cães, dependendo dos critérios que usamos para classificá-las. Os mais conhecidos são:

  • Dependendo do órgão ou tecido do qual o veterinário precisa pegar uma amostra para analisar, a técnica será diferente. Se uma pequena amostra de tecido for necessária, o tipo incisional pode ser realizado.
  • Quando um tumor é removido em sua totalidade, a técnica é chamada de excisional. Neste caso, as margens externas da massa também devem ser removidas, a fim de analisá-las para confirmar que o tumor foi retirado em sua totalidade.
  • Uma das biópsias mais frequentes em caninos é a da pele. Este procedimento é bastante simples, não é invasivo e envolve muito pouco risco para o animal.

A biópsia de pele é utilizada, geralmente, nos casos em que o diagnóstico não é claro, ou quando os tratamentos aplicados não tiveram efeitos positivos.

Além disso, com exceção da biópsia de pele, todos os outros tipos de biópsia requerem o uso de anestesia geral.

processo da biópsia canina

Como realizar uma biópsia canina

A técnica que será usada para extrair a amostra de tecido ou tumor dependerá de vários fatores, como o tipo de órgão envolvido e sua localização.

Existem basicamente quatro tipos de biópsias caninas, se considerarmos os critérios de classificação da técnica utilizada:

  • A primeira é a cirurgia abdominal exploratória. Essa técnica é muito invasiva, mas pode ser indispensável em certos casos. Além disso, tem a vantagem de permitir a coleta de amostras – biópsia incisional – de vários órgãos ao mesmo tempo.
  • A segunda técnica é uma biópsia realizada por meio de endoscopia. Através deste método, podem ser retirados pequenos fragmentos de tecido nasal, estômago, intestino ou cólon. Embora exija a aplicação de anestesia geral, esse tipo de biópsia não implica incisão cirúrgica.
  • O terceiro método para realizar uma biópsia em caninos é a biópsia da pele. Neste caso, dependendo da lesão, diferentes tipos de agulhas e instrumentos são usados. É minimamente invasiva e, dependendo do animal e do procedimento, pode ser realizada sem anestesia geral.
  • Finalmente, no caso do osso e da medula óssea, é possível realizar a biópsia com a ajuda de agulhas especiais.

Em todos os casos, a biopsia é muito útil, uma vez que permitirá determinar com precisão a doença do cão. Dessa forma, o veterinário poderá estudar as melhores opções para o seu tratamento.

Manipulação de amostras

Um dos passos importantes na biópsia canina é a manipulação da amostra obtida. Dessa forma, uma manipulação correta será determinante para a confiabilidade dos resultados da análise e, portanto, da certeza do diagnóstico.

A amostra deve ser manuseada o mínimo possível e com extrema delicadeza até que seja colocada no líquido de fixação. O volume desse líquido, geralmente formalina diluído a 10%, deve ser adequado.

Normalmente, recomenda-se uma quantidade de líquido equivalente a 10 vezes o volume da amostra.

Além disso, o tempo de fixação também deve ser rigorosamente respeitado e variará dependendo do tecido extraído.

  • Klopp, L. S., & Ridgway, M. (2009). Use of an endoscope in minimally invasive lesion biopsy and removal within the skull and cranial vault in two dogs and one cat. Journal of the American Veterinary Medical Association. https://doi.org/10.2460/javma.234.12.1573
  • Pratschke, K. M., Ryan, J., Mcalinden, A., & Mclauchlan, G. (2015). Pancreatic surgical biopsy in 24 dogs and 19 cats: Postoperative complications and clinical relevance of histological findings. Journal of Small Animal Practice. https://doi.org/10.1111/jsap.12262
  • Dupré, G., & Fiorbianco, V. (2017). Laparoscopy. In Complications in Small Animal Surgery. https://doi.org/10.1002/9781119421344.ch50