Dieta e cuidados demandados por um cachorro diabético

abril 5, 2020
A dieta administrada ao cão diabético deve ser saborosa, equilibrada nutricionalmente e rica em fibras insolúveis. Além disso, deve atender a outros requisitos, como discutiremos neste artigo.

Em um cachorro diabético, o nível de insulina produzida é insuficiente para metabolizar a glicose. Lembre-se de que a insulina é um hormônio que retira a glicose do sangue e a transporta para as células do corpo, onde é usada como energia.

Como consequência, a concentração de glicose no sangue aumenta e, eventualmente, sobe para níveis nos quais os rins a deixam se infiltrar na urina.

Sinais e sintomas manifestados por um cachorro diabético

É importante entender que, na diabetes, a perda de glicose na urina arrasta a água através de um processo chamado osmose. Esse fenômeno causa a produção de volumes de urina maiores do que o normal. Consequentemente, a perda excessiva de água na urina é compensada com a sensação de sede e um aumento do consumo de água.

Assim, os principais sinais clínicos de um animal com diabetes mellitus são a poliúria (micção excessiva) e a polidipsia (consumo excessivo de água).

Além disso, o cachorro diabético tende a perder peso porque o corpo quebra as reservas de gordura e proteína (músculo) para produzir glicose e cetonas (um combustível alternativo) no fígado. Além disso, outros sinais clínicos de diabetes podem incluir catarata, polifagia (aumento do apetite), intolerância ao exercício e infecções recorrentes.

Cão diabético no veterinário

Objetivos do tratamento da diabetes canina

Essencialmente, como dono de um cachorro diabético, você precisa entender que os três principais objetivos do tratamento são:

  • A resolução de todos os sinais clínicos. Este ponto refere-se aos sinais acima mencionados, exceto a catarata. A cegueira causada pela formação de catarata ocorre na maioria dos cães diabéticos. No entanto, essa condição não depende do controle glicêmico.
  • Evitar a hipoglicemia induzida por insulina. A insulina é a base do tratamento para o cachorro diabético, mas é fundamental manter uma abordagem conservadora. A maioria dos cães diabéticos precisa de doses duas vezes ao dia para controlar adequadamente seus sinais clínicos. No entanto, a dosagem será determinada em conjunto com o seu veterinário.
  • A retomada do estilo de vida e nível de exercício habituais. A letargia, típica em cães diabéticos, tende a se resolver rapidamente. Sendo assim, os cães se tornam mais ativos e sensíveis logo após o início do tratamento com insulina.

Por que controlar a hipoglicemia induzida por insulina é tão importante?

A hipoglicemia grave resultante de uma overdose de insulina pode causar danos cerebrais irreversíveis, cegueira, convulsões e morte. Sinais clínicos leves incluem fraqueza, inquietação, anorexia e diarreia.

Diabetes em cães

Recomendações de dieta para um cachorro diabético

Idealmente, o cachorro diabético deve comer imediatamente antes do momento esperado de pico de atividade da insulina. Portanto, uma boa prática recomendável é alimentar o cão imediatamente após a injeção de insulina.

Essa medida simplifica bastante o regime de tratamento em casa e ainda permite que um bom controle glicêmico seja alcançado com facilidade. Além disso, muitos donos preferem esse regime porque acreditam que seu animal de estimação é recompensado após sofrer com a injeção.

Tabela 1: Resumo das recomendações atuais da dieta para cães diabéticos

Fator dietético Recomendação
Ingestão de calorias O suficiente para alcançar e manter uma condição corporal ideal.
Exigências nutricionais primárias Saboroso e nutricionalmente equilibrado.
A consistência é importante: forneça um número padrão de calorias e alimente o cão após cada injeção de insulina.
Outras recomendações nutricionais Aumente o teor de carboidratos complexos com uma alta proporção de fibra insolúvel incorporada nos alimentos.

Diminuição do teor de gordura, principalmente se houver pancreatite concomitante.

Horário das refeições O período pós-prandial deve idealmente coincidir com o período máximo de atividade exógena de insulina.
Cães diabéticos com doença concomitante Os requisitos nutricionais de qualquer doença concomitante devem ter prioridade sobre o tratamento dietético para a diabetes.
  • Rucinsky, R., Cook, A., Haley, S., Nelson, R., Zoran, D. L., & Poundstone, M. (2010). AAHA diabetes management guidelines for dogs and cats. Journal of the American Animal Hospital Association, 46(3), 215-224.
  • Fleeman, L. M., & Rand, J. S. (2001). Management of canine diabetes. Veterinary Clinics: Small Animal Practice31(5), 855-880.
  • Hoenig, M., Laflamme, D. P., Klaser, D. A., Singer, M. J., & Ferguson, D. C. (2001). Glucose tolerance and lipid profiles in dogs fed different fiber diets. Journal of veterinary pharmacology and therapeutics, 2, 160-169.
  • Rand, J. S., Fleeman, L. M., Farrow, H. A., Appleton, D. J., & Lederer, R. (2004). Canine and feline diabetes mellitus: nature or nurture?. The Journal of Nutrition, 134(8), 2072S-2080S.