Cachorros sentem frio: mito ou realidade?

Se você já se perguntou se seu cachorro pode ficar resfriado, está no artigo certo. Continue a leitura e descubra informações importantes para você e seu animal de estimação.
Cachorros sentem frio: mito ou realidade?
Sebastian Ramirez Ocampo

Escrito e verificado por veterinário e zootécnico Sebastian Ramirez Ocampo.

Última atualização: 20 abril, 2023

As estações do inverno chegam e é normal nos perguntarmos se nossos cães podem ficar resfriados. A resposta a essa pergunta pode variar em função da raça e conformação anatômica do nosso cão. Bem, embora seus ancestrais estivessem muito bem adaptados a baixas temperaturas, os caninos atuais não possuem as mesmas características dos lobos antigos.

Além disso, por serem considerados animais endotérmicos, ou seja, conseguem regular sua temperatura corporal de forma autônoma, os cães podem sentir frio dependendo da conformação de sua pele e pelagem, bem como das condições ambientais em que vivem. Como sabemos o quanto o bem-estar do seu animal de estimação é importante para você, trazemos informações valiosas para que você evite que seu cão passe frio durante o inverno. Continue a leitura e descubra as melhores dicas.

O meu cão é suscetível ao frio?

Como mencionado acima, os cães são animais endotérmicos. Portanto, eles podem regular sua temperatura corporal independentemente de o ambiente ser quente ou frio. No entanto, essa habilidade pode ser afetada principalmente pelas características físicas do cão.

Por exemplo, raças com pelagem abundante e espessa retêm melhor o calor gerado pelo corpo, tornando-as menos suscetíveis ao frio. O contrário ocorre com as raças de pelo curto, que se adaptam melhor a climas quentes. Segundo ele, cães como o husky, o são bernardo ou o bernese têm maior resistência às baixas temperaturas. Por outro lado, cães pinscher, chihuahuas ou galgos podem sofrer mais com mudanças bruscas de temperatura.

frio em cães

Por outro lado, é importante destacar que independentemente da raça do cão, existem algumas temperaturas que são impossíveis de suportar. De acordo com o artigo científico Hypothermia and targeted temperature management in cats and dogs (Hipotermia e gerenciamento direcionado da temperatura em cães e gatos), qualquer cão adulto pode sofrer de frio. Além disso, o documento afirma que, se a temperatura corporal do animal de estimação cair muito, ele pode correr o risco de hipotermia.

Como identificar se meu cachorro está com frio

Existem muitos sinais que podem indicar se um cachorro está com frio. Por um lado, assim como nos humanos, os movimentos musculares conhecidos como “tremores” são a primeira ação do corpo para tentar se aquecer internamente. Da mesma forma, mover-se devagar também é um indicativo de frio nos cachorros, já que os músculos e as articulações ficam rígidos devido às baixas temperaturas.

Por outro lado, as áreas do corpo com menor irrigação sanguínea são aquelas que tendem a esfriar primeiro. Portanto, orelhas, focinho e almofadas das patas gelados são um indício de que a temperatura corporal do cachorro caiu. Por fim, dormir demais também se manifesta como sinal de frio. Isso porque o corpo busca gastar o mínimo possível de calorias nos movimentos, com o objetivo de utilizá-las para aumentar a temperatura interna.

Como evitar

Existem várias estratégias para ajudar nosso animal de estimação a lidar com as baixas temperaturas. Entre as principais encontramos as seguintes:

  • Pelagem: especialmente em raças pequenas ou de pelo curto, o uso de roupas costuma ser uma estratégia muito útil. Desta forma iremos ajudá-lo a preservar a sua temperatura corporal, além de protegê-lo das geadas que podem ocorrer no inverno.
  • Camas quentes: devemos evitar que nosso animal de estimação se deite no chão durante os períodos de frio. Portanto, uma cama bem acolchoada, junto com alguns cobertores, pode ser suficiente para prevenir o frio em nosso cão.
  • Alimentos com alto teor calórico: conforme declarado em um artigo compartilhado no Journal of Applied Physiology, os cães precisam de altos níveis de calorias e carboidratos para regular sua temperatura no inverno. Portanto, procure obter um alimento que tenha essas propriedades.
  • Evite cortar o pelo dele: como descrito acima, cachorros de pelo curto tendem a sofrer mais com as baixas temperaturas. Por isso, se o nosso cachorro tiver algum pelo, tente não cortá-lo durante o inverno.
frio em cães

Complicações relacionadas ao frio

Em certos casos, o frio pode ser bastante prejudicial para os animais de estimação. Por um lado, devido às baixas temperaturas, os cães podem desenvolver doenças respiratórias como traqueobronquite, faringite, bronquite ou até pneumonia.

Por outro lado, de acordo com um documento publicado no Journal of Veterinary Internal Medicine, cães com osteoartrite, hérnia de disco ou displasias podem apresentar aumento da dor nas articulações devido ao frio.

Agora que você já sabe como identificar os sintomas do frio e a solução para tratá-los, é seu dever zelar pelo bem-estar do seu pet. Lembre-se de mantê-lo aquecido e fornecer-lhe todos os elementos necessários para que mantenha uma temperatura corporal adequada.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


    1. Brodeur A, Wright A, Cortes Y. Hypothermia and targeted temperature management in cats and dogs. Journal of veterinary emergency and critical care (San Antonio, Tex : 2001). 2017;27(2):151-63.
    2. Gorney AM, Blau SR, Dohse CS, Griffith EH, Williams KD, Lim JH, et al. Mechanical and Thermal Sensory Testing in Normal Chondrodystrophoid Dogs and Dogs with Spinal Cord Injury caused by Thoracolumbar Intervertebral Disc Herniations. Journal of veterinary internal medicine. 2016;30(2):627-35.
    3. Paul P, Donohue M, Holmes WL. Glucose metabolism in thyroidectomized and normal dogs during rest and acute cold exposure. Journal of applied physiology. 1975;38(2):236-40.
    4. Bigelow WG, Lindsay WK. Oxygen transport and utilization in dogs at low body temperatures. The American journal of physiology. 1950;160(1):125-37.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.