Cães com câncer: como controlar a dor dos animais

· fevereiro 25, 2018

Cada cão pode experimentar a dor de uma maneira única e sua intensidade varia de acordo com o tipo de tumor e o organismo do animal. A seguir, diremos como reconhecer e manejar a dor em cães com câncer.

A dor em cães com câncer progride rapidamente e atinge níveis muito intensos. Ela pode diminuir drasticamente a qualidade de vida do animal, além de angustiar seu dono. Felizmente, a medicina veterinária vem desenvolvendo maneiras mais eficazes para diagnosticar e controlar os efeitos secundários do tratamento.

Dor nos processos cancerígenos

As dores geralmente são progressivas nos processos cancerígenos. Em seres humanos, apenas 25% dos pacientes relatam ter sofrido dor antes ou durante o diagnóstico. Esse número se eleva a 90% em pacientes com câncer avançado ou terminal.

Isso é explicado pela dor produzida durante os diferentes estágios do tratamento oncológico. Pacientes com câncer muitas vezes sentem dor aguda durante ou depois de quimioterapias e radioterapias.

Como reconhecer a dor em cães com câncer?

Diagnosticar, classificar ou medir a dor é difícil nos seres humanos e torna-se ainda mais nos cães. Os animais possuem sua própria linguagem e seu próprio código de conduta. E nem sempre somos capazes de traduzir e interpretar fielmente o que sentem, experimentam e expressam.

Dor em cães com câncer

Para discutir a dor em cães com câncer, devemos levar em conta as possíveis comparações com seres humanos. Obviamente, a experiência, as observações da medicina veterinária e seus avanços na oncologia animal também devem ser levados em consideração.

Cada cão pode experimentar a dor de uma maneira única e sua intensidade varia de acordo com o tipo de tumor e o organismo do animal. Cães idosos ou com baixa imunidade geralmente experimentam níveis de dor mais intensos.

Principais sintomas da dor em cães com câncer

  • Mudanças no comportamento em sua rotina.
  • Cansaço, depressão ou letargia.
  • Dificuldade em andar, parar em pé e se encostar.
  • Perda de apetite.
  • Expressões faciais alteradas.
  • Comportamentos defensivos ou reação negativa ao ser tocado.
  • Aumento do ritmo respiratório.
  • Queixas, grunhidos e outras vocalizações.
  • Perda de controle sobre as vias urinária e excretora.

Tratamento da dor em cães com câncer

O principal tratamento é combater a progressão do câncer para evitar a metástase o máximo possível. O cão será submetido a terapias oncológicas específicas (radioterapia, quimioterapia, cirurgias, etc.).

Cachorro sendo examinado pelo veterinário

Como já vimos, essas terapias podem causar muita dor no animal. O tratamento adicional da dor em cães com câncer pode aliviá-la.

Os analgésicos não opioides e os antinflamatórios não esteroides são a primeira opção de tratamento para dores leves. Os analgésicos opioides leves, como a codeína, começam a ser administrados quando a intensidade da dor é moderada.

Em casos mais graves, quando a dor é muito intensa, são prescritos medicamentos opioides fortes, como a morfina.

É importante lembrar que o veterinário é o único capacitado para receitar um tratamento adequado para cada animal.

Terapias alternativas e cuidados adicionais

Muitos métodos não farmacêuticos são capazes de aliviar a dor em cães com câncer e melhorar sua qualidade de vida. Porém, esses métodos não substituem a ação rápida de analgésicos. Entre as terapias alternativas, podemos destacar técnicas de acupuntura, aromaterapia, reiki, massagem e relaxamento.

Também é recomendado usar objetos e acessórios para proporcionar maior nível de conforto ao animal. Uma cama confortável, dispositivos de massagem, compressas, almofadas térmicas, etc.

Uma boa alimentação, que pode ser complementada com suplementos dietéticos, é essencial para fortalecer o sistema imunológico do animal.

Homem abraçando seu cachorro

Além disso, o amor e a dedicação são indispensáveis para a recuperação e o alívio da dor em cães com câncer.

Alívio da dor: experimentos com a neurotoxina P-saporina

Estudos recentes demonstraram a ação efetiva da neurotoxina P-saporina no controle da dor em cães com câncer. O objetivo dos estudos era analisar o comportamento dessa substância no sistema nervoso de cães com câncer ósseo.

Os experimentos foram realizados na Faculdade de Medicina Veterinária (EUA). Participaram mais de 70 cães mestiços e de raça definida, incluindo Labrador, Golden Retriever, Rottweiler e Pastor alemão.

Metade dos participantes receberam injeções da neurotoxina P-saporina (SP-sap) para complementar os cuidados veterinários. Enquanto a outra metade atuou como um grupo de controle, recebendo apenas cuidados veterinários padrão.

Os cães que receberam injeções com essa substância responderam positivamente após apenas seis semanas. Não excederam 5 ou 10% da intensidade de dor habitual no grupo controle. Além disso, se mostraram mais dispostos e obtiveram uma melhora no seu andar.

Os resultados renovaram as esperanças da aplicação da neurotoxina na medicina humana. Esse novo método para aliviar a dor em cães com câncer também poderia ser eficaz em seres humanos.