Os cães podem comer melancia?

Uma fruta mundialmente conhecida como a melancia é ideal para combater o calor e a sede. Embora possa não parecer, a melancia tem mais benefícios para os cães do que se poderia imaginar.
Os cães podem comer melancia?

Última atualização: 11 Junho, 2021

A melancia é uma fruta muito popular em todo o mundo. Seu alto teor de água (90%) a torna o complemento ideal para se refrescar em tempos extremos de verão ou durante as ondas de calor, que podem afetar humanos e animais em diferentes graus. A melancia é nativa da África, mas se espalhou pelo mundo todo.

Seu grande tamanho torna a melancia ideal para saborear em família. Sua versatilidade também abre as portas para o consumo da fruta em diferentes apresentações e com certeza em algum momento você já se perguntou se os cães podem comer melancia. Vamos responder essa questão abaixo.

Benefícios da melancia para os cães

A melancia fornece aos seres humanos centenas de propriedades benéficas para a saúde. A mesma coisa acontece com os cães, graças às vitaminas, aos minerais e às calorias que essa fruta fornece. Aqui estão alguns dos valores nutricionais a cada 100 gramas de melancia:

  • Água: 91,45 gramas.
  • Calorias: 30 quilocalorias.
  • Carboidratos: 7,55 gramas.
  • Vitamina C: 8,1 miligramas.
  • Cálcio: 7,7 miligramas.
  • Proteína: 0,61 gramas.

Além dos elementos já citados, a melancia contém altas porcentagens de fósforo, ferro, potássio, vitamina E e zinco. As vitaminas e os minerais que a melancia possui cumprem várias funções no corpo dos cães, relacionando-se da seguinte forma:

  • Vitamina C: ajuda a absorver o ferro corretamente.
  • Vitamina A: fortalece a visão dos cães.
  • Cálcio: necessário para a saúde dos ossos e para ter membros fortes.
  • Ferro: ajuda a combater e reduzir o risco de anemia em cães, segundo fontes profissionais.

 

Um cachorro apreciando um pedaço de melancia.

A melancia é diurética e digestiva

Além do teor de água, a melancia é uma fruta rica em vitamina C, essencial para o metabolismo. Além disso, é um diurético natural, que ajuda a promover o fluxo da urina. Consequentemente, protege os rins e o sistema urinário dos mamíferos, e os ajuda a limpar o intestino, segundo estudos.

Tem poucas calorias

Como a fruta é praticamente água, tem poucas calorias, por isso é ideal para cães com sobrepeso. Também pode ser incluída em sua dieta para evitar o efeito rebote. Além disso, pode ser consumida por cães que tenham peso ideal, pois ajuda a manter a forma, devido ao seu baixo teor calórico.

Contém citrulina

É necessário levar em consideração que a melancia é rica em citrulina, um composto orgânico α-aminoácido pertencente ao grupo dos aminoácidos não proteicos, que está envolvido no ciclo da ureia. Esse ciclo tem um papel fundamental na criação de proteínas no organismo e parece atuar como vasodilatador, segundo fontes profissionais.

A fonte citada e outros organismos mostram que a citrulina promove a recuperação muscular, sendo ideal para cães que costumam se exercitar muito durante o dia.

Combate a insolação

Graças ao fato de 90% da fruta ser água, a melancia é altamente recomendada nos meses mais quentes, pois ajuda a manter os cães hidratados e refrescados. A insolação provoca uma série de reações e consequências negativas no animal, que sofre devido à desidratação sofrida e à perda de açúcares. Portanto, é melhor evitar que isso aconteça.

É rica em antioxidantes

Diversas fontes registraram que a melancia é rica em antioxidantes, compostos que minimizam o impacto dos radicais livres no DNA dos seres vivos. Dessa forma, a melancia para cães pode melhorar sua saúde geral e retardar o desenvolvimento de doenças degenerativas.

A melancia é boa para cães?

Pelos benefícios já mencionados, a melancia é, sem dúvida, um alimento positivo para os cães. A sua grande quantidade de água evita que o seu cão desidrate. Dar essa fruta ao animal é uma forma diferente de satisfazer esse pilar fundamental em sua alimentação.

A melancia não representa nenhum risco de toxicidade para o seu cão, pelo contrário, proporciona muitos benefícios e nutrientes essenciais numa apresentação fresca e doce. No entanto, é aconselhável não abusar das quantidades recomendadas de melancia para cães.

Contraindicações da melancia para cães

O açúcar é um grande risco para cães que consomem melancia em grandes quantidades. 100 gramas dessa fruta contêm 6,2 gramas de açúcar, por isso deve ser administrada em pequenas quantidades a cães com diabetes. Da mesma forma, não é recomendada para cães com hipotensão ou insuficiência renal, porque reduz a pressão e contém potássio.

Quantidade recomendada

Para evitar transtornos futuros na saúde do seu cão, é recomendável que você ofereça a melancia sem sementes e sem casca. Desta forma, o cão não consumirá muita fibra e açúcar. Por outro lado, embora tenha muita água, não se deve abusar do seu consumo, por isso você não deve dar melancia ao seu cão todos os dias.

Também é importante oferecer apenas uma pequena quantidade na primeira vez que o cão comer melancia, para ter certeza de que ele não é alérgico. No caso dos filhotes, pode-se seguir as indicações mencionadas anteriormente e acompanhar, pois o seu sistema digestivo não está totalmente maduro.

 

Os cães podem comer melancia?

Como você viu, a melancia para cães é bastante positiva, desde que seu consumo não seja excessivo. Os minerais e as vitaminas que contém ajudam a melhorar a saúde do seu animal de estimação e tornam mais fácil para seu organismo evitar certas doenças. Por isso, você não deve hesitar em incluir melancia esporadicamente em sua dieta.

Pode interessar a você...
Verduras e frutas para cães
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Verduras e frutas para cães

Ainda que possa parecer estranho, as verduras e frutas também podem fazer parte da alimentação de nosso melhor amigo, ainda que a carne seja a base...



  • Mascotas diabéticas, American Veterinary Medical Association. Recogido el 10 de mayo de 2021 de: https://ebusiness.avma.org/files/productdownloads/LR_DiabeticPetsSpanish%202016.pdf
  • Bazabang, S. A., Monday, N., Adebisi, S. S., Makena, W., & Iliya, I. A. (2018). Hepatoprotective effects of aqueous extract of watermelon (Citrullus lanatus) seeds on ethanol-induced oxidative damage in Wister rats. Sub-Saharan African Journal of Medicine, 5(4), 129.
  • Naigamwalla, D. Z., Webb, J. A., & Giger, U. (2012). Iron deficiency anemia. The Canadian Veterinary Journal, 53(3), 250.
  • Tlili, I., Hdider, C., Lenucci, M. S., Riadh, I., Jebari, H., & Dalessandro, G. (2011). Bioactive compounds and antioxidant activities of different watermelon (Citrullus lanatus (Thunb.) Mansfeld) cultivars as affected by fruit sampling area. Journal of Food Composition and Analysis, 24(3), 307-314.