Cães independentes: conselhos para adestramento

Muitas pessoas adestram seus cães para que eles sejam obedientes, pacíficos, sociáveis e adaptáveis. Coisas como fazer suas necessidades no local adequado, se sentar e fazer alguns truques, encabeçam a lista de habilidades ensinadas. Mas… quantos donos se preocupam em formar cães independentes?

A princípio qualquer adestramento torna independente, de alguma forma, o animal que o recebe. Porém, existem técnicas, conselhos e perspectivas que devemos aplicar para termos cães cada dia mais autossuficientes. Isso também pode ser útil para cães que não respeitam seus donos.

Vejamos alguns conselhos que podem servir para conseguir cães independentes mediante um adestramento bem orientado.

A socialização é fundamental

O trabalho de socializar o nosso cão deve ocorre desde filhote. Para sermos exatos, o período crítico vai desde o primeiro mês e meio de nascimento até os 4 meses de idade. É ali onde devemos dar mais ênfase ao adestramento e suas formas. Evitando, é claro, tanto a violência quanto o consentimento exagerado.

Cão recebendo adestramento

Esta época deve ser de proteção e os donos têm que evitar qualquer tipo de trauma que possa afetar o animal posteriormente. Um susto com um carro ou maus-tratos vindos de uma criança, podem afetar a vida adulta do animal.

Em qualquer caso, a aprendizagem deve ser protegida. Sob esta lógica, o que se ensina deve consistir numa experiência clara e positiva para o filhote.

O problema do adestramento tradicional

As técnicas mais antigas convidavam o dono a educar seu cão somente quando o animal entrava na idade adulta. Atualmente, os métodos estão evoluindo, e muitos especialistas asseguram que o treinamento deve começar desde a mais tenra idade.

Além disso, a velha filosofia baseada na dominação e no controle estrito do dono sobre o cachorro está em discussão. Em contrapartida, muitos apostam que a aprendizagem deve ser guiada pela tolerância e pelo controle das circunstâncias externas.

Há donos que costumam utilizar métodos ortodoxos e excessivamente restritivos. Evidentemente, estes conseguem ter cães obedientes e submissos, mas através de castigos. É claro, eles não criaram cães independentes.

Seja o líder de seu animal de estimação

Um dos problemas fundamentais está na atitude dos próprios donos em torno de seus animais de estimação. O problema de alguns é que eles podem ser muito violentos ou nervosos, enquanto outros transmitem seus medos ao animal. Também há aqueles que se desesperam quando seus cães não os obedecem.

A isto se acrescenta o fato de que há raças que não são tão obedientes. Algumas das mais conhecidas com este inconveniente são as seguintes: Basset Hound, Shih-tzu, Pequinês, Chow-chow, Basenji, Buldogue, etc.

E por que estas raças são um pouco mais difíceis de se adestrar? A resposta é simples: estes são precisamente cães independentes, em contraste com as muitas variações que existem dentro da espécie canina.

Cães inteligentes costumam ser mais difíceis

Isto ocorre, em geral, porque as raças mais dotadas de inteligência têm personalidades bastante pronunciadas. Quando tentamos mudar seus códigos de conduta, encontramos uma resistência difícil de ser superada.

Na verdade, estes cães estão muito conscientes do que ocorre e do que queremos fazer. São perceptivos, sensíveis e relutam em deixar de serem si mesmos, diferente de outros cães mais obedientes e mais dependentes.

Nesses casos, o correto é que o nosso adestramento tenha uma razão de ser e seja dirigido de forma inteligente. A brincadeira, os prêmios, a comunicação e a paciência serão aspectos que devem ser manejados de forma magistral pelo dono.

Homem adestrando seu cão no parque

Cães independentes: a chave é não nos render

Render-se é tão ruim quanto usar pancadas e castigos com um cão inteligente. Se desejamos que ele aprenda um comando e ele resiste, não podemos nos render e passar para o comando seguinte. O animal de estimação pensará que nos venceu e nós teremos falhado como líderes.

A constância é mais do que importante, é necessária. Por isso, antes de realizar qualquer trabalho de adestramento, a primeira coisa a se pensar bem é o que queremos que eles aprendam e por qual motivo. Depois, teremos que suportar o desafio e sermos constantes.

Os cães são animais realmente inteligentes e que vivem em função de seus donos, muito além do que eles demonstram com suas ações e personalidade. Por isso, quando algo não funciona, o mais correto é modificar o método de aprendizagem e não o ensino.

A boa notícia é que a aprendizagem longa e difícil jamais se esquece. Quem bate em um cão para que ele aprenda, o fará obedecer por medo. Mas um cão feliz, disciplinado e com personalidade, foi domado através de muita inteligência humana.

Recomendados para você