Cão com convulsão: o que fazer?

As convulsões são o resultado de distúrbios no sistema nervoso. Esses distúrbios se manifestam como uma desordem motora e, em alguns casos, com perda de consciência. Quando estamos diante de um cão com convulsão, uma avaliação do veterinário imediata é essencial.

As causas das convulsões podem ser diversas. Um erro comum é acreditar que é uma doença. Uma convulsão é um sintoma de uma patologia ou outro problema de saúde do animal.

Portanto, o diagnóstico do especialista indicará a origem e o tratamento adequado para um cão com convulsão. No momento de uma crise, o dono deve saber o que fazer. Sendo assim, a saúde do animal e a melhora do quadro dependerão do dono. Aqui mostramos algumas dicas.

Por que um cão tem convulsões

As causas podem ter origens diferentes, de eventos traumáticos a fatores congênitos. A ação de agentes externos, como medicamentos, também podem causar convulsões.

Cão com convulsão: como tratar

  • Se o animal recebeu um forte golpe na cabeça, isso pode causar convulsões. Nesses casos, o veterinário deve ser informado da possível causa do evento.

É muito provável que o especialista decida fazer um exame encefálico para avaliar possíveis lesões.

  • Distúrbios metabólicos. Algumas doenças metabólicas estão associadas com convulsões, assim como certos distúrbios hormonais. Por exemplo, hepatite, hipoglicemia e hipocalcemia.

O mesmo ocorre com patologias associadas à tireóide.

  • Infecções ou envenenamento. Quando o cão tem convulsões, é importante descartar uma infecção. Uma deles pode ser a meningite.

A intoxicação por medicamentos também pode causar convulsões.

  • Tumores de mama em cães, doenças degenerativas ou outras doenças são patologias que devem ser diagnosticadas pelo especialista. Especialmente, quando se está diante de um cão com convulsão.   

Em geral, os tumores cerebrais estão associados a convulsões e também a algumas doenças crônicas degenerativas. 

  • Convulsões também podem ser causadas por motivos congênitos ou hereditários. Algumas raças são propensas a sofrerem convulsões, entre outras coisas porque têm malformações cerebrais.

Como exemplos, há os chihuahuas, yorkshires e poodles. Nessas raças, a hidrocefalia é comum. Essa condição pode resultar em quadros de epilepsia.

Como ajudar um cão com convulsão

Antes da crise

Diante de um cão com convulsão, é importante ver imediatamente o especialista. O mesmo deve ser feito em caso de suspeita de algum distúrbio nervoso.

Por exemplo, uma medida preventiva é levar o cachorro para uma avaliação quando tiver recebido um forte trauma na cabeça, mesmo que não tenha ocorrido uma convulsão.

As convulsões têm três fases:

  •  A primeiro pode ser confundido com uma reação emocional. O cão fica mais nervoso, tremendo e com excessiva salivação. Essa condição pode durar até dois dias e se desenvolver em diversos episódios.
  • As próximas fases estão associadas à crise. Quando vemos um cão com convulsão, os músculos se contraem e o corpo se agita involuntariamente. Em alguns casos, o cão pode até mesmo perder a consciência.
  • Finalmente, o cão se recupera gradualmente. Possivelmente, um pouco confuso e desorientado.

No meio da crise

  • Quando nosso animal de estimação tem convulsões, é importante manter a calma. Os objetos que podem machucar o animal durante a crise devem ser removidos.
  • Não pegue o cachorro, nem tente agarrá-lo ou levantá-lo. Pelo contrário, travesseiros podem ser colocados em torno dele para evitar lesões.
  • Os estímulos sonoros ou leves podem prejudicar ainda mais o cão e, portanto, devem ser evitados. Também não é recomendável enrolá-lo em panos ou oferecer água e alimentos.
  • Observar o animal é um aspecto importante. Você deve evitar que sua cabeça se incline para trás e a língua saia para fora, porque isso pode sufocar o animal. Cão tendo convulsões: medo de veterinário

    Depois da crise 

    • Uma vez que a crise da epilepsia tenha passado, o veterinário deve ser imediatamente chamado. Ele dará as seguintes indicações.
    • O especialista pode perguntar quantas vezes a crise ocorreu? Quanto tempo durou? O que aconteceu antes da crise?
    • Além disso, o veterinário precisará saber se o cão está sob qualquer tratamento médico ou se recebeu algum traumatismo craniano.
    • Enquanto o animal estiver se recuperando, é importante dar espaço para ele respirar. Devemos também tentar fazer o cão recuperar a consciência, se ela foi perdida. Sob nenhuma circunstância, medicamentos devem ser fornecidos sem supervisão ou autorização de um veterinário.
    • O diagnóstico do especialista indicará as causas e o tratamento. Em geral, as convulsões estão associadas à epilepsia, mas não necessariamente um cão que tenha convulsões deve ser epiléptico.
Recomendados para você