Carboidratos em petiscos para cães e gatos

· abril 29, 2019
Entre os nutrientes mais importantes que nossos animais de estimação precisam no seu dia a dia estão os carboidratos. Seja qual for a sua raça e tamanho, o desenvolvimento dos nossos bichinhos requer uma boa nutrição.

Para ajudá-lo a oferecer a melhor nutrição ao seu animal de estimação, a seguir falaremos sobre a adição de carboidratos em petiscos para cães e gatos, incluindo seus possíveis benefícios e riscos.

Uma dieta equilibrada é um dos cuidados essenciais de que seu animal de estimação precisa para preservar sua boa saúde. Independentemente de sua espécie, sexo e idade, todos os animais necessitam de uma nutrição ideal para se desenvolverem física e mentalmente.

O que são os carboidratos?

Os carboidratos são biomoléculas compostas de carbono, hidrogênio e oxigênio. Como nutriente na alimentação dos animais, eles representam a principal fonte para gerar energia imediatamente.

Durante o processo digestivo, essas biomoléculas são metabolizadas para dar origem, por fim, às moléculas de glicose. Ou seja, os carboidratos são convertidos em açúcares dentro do corpo do animal que os consome.

Quando o corpo precisa produzir energia rapidamente, ele primeiro se volta para as moléculas de glicose derivadas do metabolismo dos carboidratos. Isso acontece porque a glicose pode ser facilmente metabolizada, o que gera muita energia em pouco tempo.

No entanto, essa energia também é “gasta” rapidamente, por isso é necessário consumi-la com mais frequência para manter um metabolismo regular. Por sua vez, proteínas e gorduras boas exigem um processo de metabolização mais lento e gradual, por isso são fontes melhores de energia a longo prazo.

Ração canina

Tipos de carboidratos

Os carboidratos estão entre as biomoléculas mais encontradas na natureza, por isso estão presentes em quase todos os alimentos. Apesar de tenderem a aparecer em maior proporção nos alimentos de origem vegetal, outros, como laticínios e carnes, não estão isentos de carboidratos.

Atualmente, vários tipos de carboidratos são reconhecidos e classificados em dois grupos principais: carboidratos simples e carboidratos complexos.

Carboidratos simples

Carboidratos simples são aqueles que têm moléculas de glicose simples ou cadeias de açúcar que são fáceis de “quebrar”. Sua estrutura é rapidamente metabolizada, permitindo que a energia seja obtida imediatamente. Esses carboidratos são subdivididos em tipos:

  • Monossacarídeos: moléculas simples de glicose que são absorvidas diretamente e não requerem conversão. Os monossacarídeos são a galactose (presente no leite e seus derivados), frutose e glicose (presentes em frutas, legumes e mel).
  • Dissacarídeos: cadeias de açúcar simples e fáceis de quebrar, que requerem metabolização simples. Os dissacarídeos são a lactose (leite e derivados), maltose (cevada e mel) e sacarose (frutas e vegetais).

Carboidratos complexos

Os carboidratos complexos, também chamados de polissacarídeos, contêm cadeias de açúcar mais longas e difíceis de metabolizar; portanto, exigem um processo digestivo mais lento para serem absorvidos adequadamente. Neste grupo encontramos o amido (cereais, tubérculos e legumes), glicogênio (carnes) e fibras (frutas, verduras, cereais e leguminosas).

Petiscos para cães

A presença de carboidratos em petiscos para cães e gatos é ruim?

A questão dos carboidratos em petiscos para cães e gatos gera muita controvérsia, mesmo entre especialistas em nutrição animal. Sabe-se que, ao contrário do homem, esses animais têm um trato gastrointestinal curto, e não estão preparados para digerir cadeias de açúcares muito longas.

Lembre-se de que cães e gatos obtêm energia para o seu metabolismo principalmente a partir de moléculas de gordura, e não de carboidratos. De fato, a dieta natural dessas espécies seria baseada no consumo de carne e gordura de suas presas, e dificilmente incluiria cereais, legumes e outras fontes de proteína vegetal.

Portanto, não é recomendado incorporar polissacarídeos na dieta de cães e gatos, com a exceção lógica do glicogênio presente em baixas quantidades na carne. No entanto, o consumo moderado de carboidratos simples, presentes em frutas e vegetais, que também fornecem vitaminas e minerais, pode ajudar a suplementar a nutrição dos animais.

Por outro lado, os carboidratos não fornecem todos os nutrientes de que o corpo de cães e gatos precisa para se manterem saudáveis ​​e equilibrados. Por esta razão, sua dieta não deve ser baseada no consumo de carboidratos, uma vez que deficiências nutricionais podem surgir devido ao consumo insuficiente de proteínas, vitaminas e minerais.

Quantidade diária

Se analisarmos especificamente os petiscos para cães e gatos, os seus níveis de carboidratos não devem exceder 5% no caso dos gatos e 10% no caso dos cães.

Um consumo excessivo de carboidratos geralmente leva a problemas digestivos, como gases, diarreia e vômitos. Além disso, pode causar ganho de peso rápido e elevação dos níveis de glicose no sangue, o que tornará o animal mais predisposto à obesidade e diabetes.

  • Ernesto Rodolfo Hutter. 2015. Nutrición en caninos y felinos. Extraído de: http://www.vet.unicen.edu.ar/ActividadesCurriculares/AlimentosAlimentacion/images/Ducumentos/2015/Nutricion%20en%20caninos%20y%20felinos%20-%20Dr%20Hutter.pdf
  • Jof the American Animal Hospital Association. OURNA. 2010. Guías para la Evaluación Nutricional de perros y gatos. Extraído de: https://www.aaha.org/public_documents/professional/guidelines/nag_spanish_color.pdf