Catosal para cães e gatos: dosagem e efeitos colaterais

A variedade de medicamentos veterinários pode ser impressionante. Neste espaço, vamos trazer informações sobre o catosal, um fármaco indicado para cães, gatos e outros animais domésticos.
Catosal para cães e gatos: dosagem e efeitos colaterais

Última atualização: 05 agosto, 2021

O mundo dos medicamentos para animais tem ficado cada vez mais amplo, avançado e complexo. Além disso, embora muitos dos medicamentos para humanos sejam familiares para nós, os de uso animal são, em sua maioria, desconhecidas para o público em geral.

Tudo isso pode causar confusão sobre os medicamentos indicados pelo veterinário. Para remediar isso, neste espaço falaremos sobre o catosal, um fármaco comumente administrado em um grande número de espécies animais. Se você quiser saber mais sobre seus recursos, continue lendo!

O que é o catosal?

O catosal é um medicamento na forma de solução injetável. É um líquido rosa e semitransparente. Ele pode ser usado em várias espécies animais, como cães, gatos, cavalos e gado. Como muitos outros, esse medicamento é composto por substâncias ativas e excipientes.

As substâncias ativas do catosal são duas: butafosfano e cianocobalamina, uma forma da vitamina B12. Estes são os compostos que conferem ao medicamento suas propriedades biológicas, além dos excipientes que lhe conferem suas qualidades físicas, entre outras coisas.

Por outro lado, o butafosfano atua como uma fonte de fósforo que pode ser aproveitado pelo metabolismo do animal. O fósforo é um elemento essencial para o funcionamento dos seres vivos, pois intervém em inúmeras reações bioquímicas.

Dentre elas, é importante destacar que esse elemento participa dos processos de fosforilação e desfosforilação, necessários em muitas vias metabólicas no âmbito celular. Também é parte integrante da síntese de glicose, uma importante fonte de energia.

Por outro lado, a B12 é uma vitamina hidrossolúvel que não pode ser sintetizada pelo metabolismo dos mamíferos. Portanto, deve ser incorporada de outras formas. Em situações normais, esse micronutriente é obtido por meio da dieta.

A vitamina B12 intervém em vários processos necessários para o corpo. Ela é essencial para o bom funcionamento do fígado, do tecido muscular, da pele, do cérebro e do pâncreas, entre muitas outras funções.

Além dos princípios ativos, o catosal é formado por n-butanol e hidróxido de sódio, que atuam como excipientes. Esses compostos não têm função biológica por si só, mas atuam como veículo químico e facilitam a ação das substâncias ativas.

 

 

Usos do catosal

Em cães e gatos, esse medicamento é usado como um tratamento para deficiências de vitamina B12 ou de fósforo e doenças relacionadas. Essas deficiências produzem uma série de sintomas nesses animais, entre os quais estão os seguintes:

  • Falta de energia.
  • Perda de apetite.
  • Perda de peso.
  • Diarreia ou vômito.
  • Fraqueza e dor muscular.
  • Confusão.

Diante desses sintomas, é melhor consultar um veterinário o mais rápido possível. Caso os déficits mencionados estejam por trás dessas condições, esse medicamento pode ser recomendado.

Da mesma forma, o catosal pode ser recomendado em caso de distúrbios metabólicos e doenças crônicas ou agudas. Seu uso também está previsto para convulsões, paralisia, anemia ou casos de desnutrição, mas deve ser sempre prescrito pelo profissional.

Dosagem para cães e gatos

Levando em consideração as diferenças fisiológicas, bem como o peso e o tamanho do animal, o catosal requer doses específicas para cada espécie, raça e espécime. O alcance de ação não é igual no caso de um gato e de um cão, pois a fisiologia desses animais é diferente e a massa total de cada indivíduo depende de vários parâmetros.

Para cães e gatos, a dose recomendada é entre 0,1 e 0,15 miligramas por quilo de peso do animal. Mais ou menos, isso equivale, respectivamente, a 10 e 15 miligramas de butafosfano por quilo do animal de estimação. No caso da cianocobalamina, é igual a 0,005 – 0,0075 miligramas por quilograma.

Essas doses são administradas por injeção, seja por via intravenosa, subcutânea ou intramuscular. A dose pode ser repetida uma vez por dia durante 3 dias seguidos.

Por outro lado, deve-se ressaltar que o medicamento só pode ser prescrito e administrado por um veterinário. Esse profissional tem os conhecimentos necessários para decidir as doses e os tratamentos adequados para cada caso específico: nunca automedique seu animal de estimação.

Efeitos colaterais e contraindicações

O catosal não tem efeitos secundários adversos descritos. Mesmo assim, existem algumas recomendações sobre seu uso que devem ser levadas em consideração na clínica veterinária.

Esse medicamento nunca deve ser usado se o paciente animal tiver hipersensibilidade prévia a alguma das substâncias ativas ou excipientes. Existem pouquíssimos estudos sobre a compatibilidade do catosal com outros medicamentos, por isso não deve ser usado se o animal já estiver recebendo outro tratamento.

Não foi detectado que esse composto produza efeitos sistêmicos relevantes em casos de sobredosagem de até 5 vezes a dose recomendada. Contudo, uma série de reações transitórias e locais foram observadas quando é administrado por via subcutânea, em comparação com as vias intramuscular e intravenosa.

O profissional que administrar o medicamento também deve tomar certas precauções. Esse composto pode causar irritações dérmicas e oculares, por isso é importante evitar o contato com os olhos e a pele. Caso ocorra exposição acidental, a área afetada deve ser lavada com água em abundância.

Existe a possibilidade, embora remota, de que qualquer medicamento produza uma reação adversa inesperada, principalmente nos casos de alergia. Apesar do que está descrito neste espaço, se algum efeito colateral for observado no animal, o ideal é entrar em contato com o veterinário rapidamente.

 

Um cachorro tirando sangue no veterinário.
This might interest you...
Quais são os medicamentos mais perigosos para os cães?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Quais são os medicamentos mais perigosos para os cães?

Os medicamentos devem ser usados com cautela, já que existem medicamentos para uso humano que são muito perigosos para os cães.