Cauda equina em cães: causas e tratamentos

A cauda equina em cães é uma doença degenerativa que causa fortes dores no animal. Aprenda aqui a identificá-la a tempo para facilitar a vida.
Cauda equina em cães: causas e tratamentos

Última atualização: 09 Novembro, 2021

Se você notar que seu cão não consegue se sentar corretamente, sofre alterações repentinas de humor ou mostra sinais de dor ao se levantar, ele pode estar enfrentando um caso de cauda equina em cães. É importante conhecer os sinais indicativos da condição, principalmente se o espécime for mais velho e estiver fraco.

Para ajudar você a entender melhor essa doença, neste artigo vamos apresentar todas as informações básicas sobre as causas, os sintomas e o tratamento necessário. Preste atenção, pois será muito útil.

O que é a cauda equina em cães?

Também conhecida como cauda de cavalo ou estenose lombossacra, a cauda equina em cães é uma doença degenerativa que afeta a articulação lombossacra, ou seja, onde termina o quadril e começa a cauda do cão (vértebras L7-S1). À medida que esses ossos se degeneram, o canal da medula espinhal se estreita e esta é comprimida.

Isso produz uma dor intensa na área e dificuldades de movimento no cão. Também é possível que apareça uma hérnia de disco secundária ao processo degenerativo, o que piora muito o estado do animal.

Um exemplo de cauda equina em cães.

Causas da cauda equina em cães

A causa mais comum é a própria passagem do tempo, que degenera naturalmente os ossos do animal. No entanto, também pode ocorrer por razões muito diferentes. Destacamos as seguintes:

  • Luxação vertebral.
  • Infecção nas vértebras.
  • Tumor vertebral.
  • Tumor em vias nervosas.
  • Traumatismos.
  • Fratura vertebral.
  • Anomalias congênitas, como a espinha bífida.
  • Espondilose (qualquer forma de degeneração da coluna vertebral).
  • Displasia do quadril.
  • Herniação do último disco intervertebral.

Predisposições genéticas

Embora qualquer cão possa sofrer de cauda equina, ela aparece com mais frequência em cães idosos e de médio a grande porte. Existem também raças que correm maior risco de sofrer com isso, como o pastor-alemão, que é propenso a problemas de quadril em geral. Outras raças suscetíveis incluem o labrador, o golden retriever, o boxer e o bulldog.

Sintomas da doença

Os sinais mais claros dessa doença são vistos no terço posterior do corpo do cão. Na cauda equina dos cães, é fácil perceber que o animal não levanta a perna para urinar, não balança a cauda excessivamente, tem dificuldade para caminhar ou se levantar e apresenta redução da atividade geral. O humor alterado e irritável também é comum.

É característico ver como os cães com cauda equina arrastam as unhas das patas traseiras ao caminhar.

A cauda equina também apresenta uma série de sinais clínicos que são detectados ao visitar o veterinário. Aqui estão os mais importantes:

  • Dor lombar ou lombalgia.
  • Claudicação intermitente unilateral ou bilateral.
  • Dor ao caminhar.
  • Fraqueza ou paralisia da cauda e da região pélvica.
  • Atrofia muscular do terço posterior do corpo.
  • Alteração nos reflexos das patas traseiras.
  • Incontinência urinária e fecal.

Diagnóstico da cauda equina em cães

A cauda equina em cães tem sintomas muito gerais que são facilmente confundidos com osteoartrite de idade avançada. Além disso, não apresenta sinais distintivos — como incontinência — até que o quadro esteja muito avançado. Na fase sintomática, o cão sente muitas dores e o tratamento não é tão eficaz como nas fases anteriores.

Na clínica, uma série de exames básicos são realizados para determinar a causa da lesão. O mais comum é a radiografia, com a qual se verifica o diagnóstico diferencial com outras causas que podem apresentar sintomas semelhantes, como tumores ou fraturas. Uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética também pode ser necessária.

Tratamento da doença

O tratamento administrado ao cão irá variar de acordo com o estado de avanço da cauda equina e a incapacitação que ela produz no animal. Em casos muito graves, apenas o tratamento paliativo será viável, mas se for diagnosticado a tempo, é possível tentar retardar a evolução ou operar o paciente.

Tratamento paliativo da cauda equina em cães

Quando o caso é inoperável (ou a funcionalidade não puder ser recuperada), será implementado um programa para melhorar a qualidade de vida do cão. Para fazer isso, várias estratégias são usadas:

  • Controle da dor: essa seção é fundamental, pois como já foi dito, a dor sentida pelo cão é intensa e incapacitante.
  • Arnês de suporte: usados para levantar manualmente os quartos traseiros do cão para ajudá-lo a andar melhor.
  • Cadeiras de rodas: indicadas para quando houver imobilização total das pernas.
  • Tratamentos complementares: fisioterapia e acupuntura são alguns dos mais utilizados.

Tratamento cirúrgico da cauda equina em cães

Quando se espera a recuperação da mobilidade e da qualidade de vida do cão (ou quando o medicamento não funciona), intervir cirurgicamente na área é uma solução válida. O objetivo é descomprimir a medula espinhal.

O procedimento escolhido é denominado laminectomia dorsal. Para realizá-lo, abre-se exatamente a região vertebral L7-S1 e é extraída a lâmina, que é a parte posterior da vértebra que cobre o canal vertebral. Isso cria espaço para a medula espinhal, aliviando a pressão.

A operação pode variar dependendo de muitos fatores, como a presença de hérnias ou outras lesões que requeiram intervenções específicas.

Tratamento médico da cauda equina em cães

Uma vez que a intervenção cirúrgica é uma opção invasiva e cara, em casos ainda tratáveis muitas vezes tenta-se controlar a progressão da degeneração com terapia medicamentosa que contém o seguinte:

  • Anti-inflamatórios e analgésicos: para aliviar o processo inflamatório e doloroso.
  • Condroprotetores e vitaminas B: ajudam a controlar a progressão da osteoartrite primária ou secundária.
  • Antibióticos: somente se a cauda equina for consequência de um processo infeccioso.
  • Quimioterapia se a origem for tumoral.
  • Repouso total ou parcial.
Existem muitos cuidados para um cão esterilizado.

A última coisa que você deve saber sobre a cauda equina em cães é que o diagnóstico precoce é essencial para garantir a qualidade de vida do animal ou sua recuperação da doença. Embora possa parecer osteoartrose no início, também é um motivo para visitar o veterinário. Se você mantiver a mentalidade de evitar que seu cão sofra o máximo possível, a prevenção será muito mais eficaz.

Pode interessar a você...
7 cuidados com nossos cães durante o verão
Meus Animais
Leia em Meus Animais
7 cuidados com nossos cães durante o verão

Cães durante o verão podem sofrer muito com o calor, então, como donos, devemos cuidar deles com mais atenção durante essa época do ano.

 



  • Martín, G. Surgery of the lumbosacral spine. Cauda equina syndrome and neoplasias. Canis et Felis (España).
  • Morales Restrepo, A. (2020). Caso de estenosis degenerativa lumbosacra en hembra Pastor Alemán (Doctoral dissertation, Corporación Universitaria Lasallista).
  • Mejía, E. C. S. (2008). Síndrome de cauda equina. Ortopedia, neurología y rehabilitación en pequeñas especies. Perros y gatos, 451.
  • Orellana, R., & Antonio, R. (2003). Diagnóstico clínico y radiológico de síndrome de inestabilidad lumbosacra en perros pastor alemán adultos. Memoria de titulación.