Causas da despigmentação do focinho do cachorro

Filhote de cachorro na grama

Os casos de despigmentação do focinho do cachorro são cada vez mais comuns. Por isso, não se pode descuidar desse pequeno, mas importante órgão dos bichos de estimação.

Não é só o nariz humano que revela como se encontra o estado de saúde ou humor. O focinho dos cães fala muito sobre o estado de saúde deles. Alterações no seu aspecto, umidade ou textura podem ser sintomas de algumas doenças.

O que é a despigmentação do focinho do cachorro?

A perda de coloração do focinho do cachorro acontece quando o animal apresenta despigmentação nessa parte do rosto. A área costumava ser preta ou marrom, mas, gradualmente, fica com a cor de pele (um tom rosa claro).

Cão da raça labrador e seu dono

No entanto, nem sempre o focinho manchado é sinônimo de doença. Existem fatores naturais e inatos ao cachorro que podem ocasionar a despigmentação do focinho dele.

Uma característica de nascença

Algumas raças de cachorro apresentam despigmentação desde o nascimento, sendo essa uma característica, inclusive, cobiçada para preservar a linhagem. Esse fenômeno acontece, principalmente, com o pastor-australiano, o border collie e o pitbull-americano.

A mudança na coloração do focinho canino também pode ser uma reação à ausência de luz solar durante o inverno. A coloração é recuperada com a chegada do verão. É comum acontecer com cachorros com pelagem clara e de climas frios, como o husky-siberiano, o cão-esquimó e o malamute-do-Alasca.

O focinho dos cães também pode clarear com o tempo, sendo um indício de longevidade.

Contudo, se um cachorro, que não se enquadra nessas condições específicas, apresentar perda de coloração do focinho, isso pode ser um mau sinal. Recomenda-se procurar o veterinário o quanto antes.

O que pode provocar a perda de coloração do focinho no cachorro?

A despigmentação do focinho pode ter como causa disfunções internas do organismo ou causas externas:

Causas internas:

  • Deficiência de vitaminas do complexo B.
  • Doenças autoimunes ou sistêmicas.
  • Disfunções autoimunes e/ou sistêmicas.

Esse é o caso do Lúpus, da Síndrome úveo dermatológica, hipotireoidismo, do pênfigo e do vitiligo. Essas doenças costumam ter como principal sintoma a irritação e a despigmentação das mucosas e do focinho.

Focinho Dudley

Essa anomalia genética tem como sintoma principal a despigmentação do focinho do cachorro. Ela não apresenta riscos graves para a saúde do animal.

Alergias

Alguns cachorros têm mais tendência que outros a desenvolver alergias. O processo alérgico ocasionado pela exposição ao plástico pode provocar a despigmentação do focinho. Recomenda-se escolher recipientes metálicos para dar de comer e beber aos cachorros.

Causas externas da despigmentação do focinho

  • Exposição excessiva ao sol

Os cães são mais sensíveis ao sol do que os seres humanos. E o focinho é muito vulnerável à exposição excessiva aos raios solares. As queimaduras e irritações podem provocar a despigmentação. Por isso, é comum que os cães que vivem nas ruas apresentem o focinho manchado.

Como prevenir a despigmentação do focinho do cachorro?

1. Alimentação balanceada

A causa mais comum de despigmentação do focinho canino é uma alimentação desequilibrada, que gera deficiência na quantidade de vitaminas do complexo B.

Uma alimentação balanceada se baseia no equilíbrio entre quantidade e qualidade. Não é aconselhável acreditar em todos os anúncios de publicidade sobre os alimentos. O mais importante é entender que não existe precisamente um alimento que seja melhor ou pior. O que existe são alimentos que são mais indicados para o nosso bichinho de estimação, conforme sua raça, porte, idade e estilo de vida.

Por isso, a escolha do alimento deve seguir as orientações do veterinário. O dono deve respeitar as determinações e evitar a introdução de alimentos humanos na dieta do cachorro. Isso pode acabar resultando em distúrbios no organismo do animal.

2. Proteção contra os raios solares

A exposição excessiva aos raios solares ultravioletas emitidos pelo sol é danosa para os animais e os humanos. Os cães podem sentir ardência, apresentar queimaduras, irritações, despigmentação e risco de desenvolver câncer.

Existem filtros solares adequados para cachorros. Antes de expor o animal, é fundamental proteger toda a extensão de sua pele, incluindo, o focinho e as orelhas.

Cão deitado ao sol

3. Visitas periódicas ao veterinário

Muitas vezes, é difícil diagnosticar doenças sistêmicas e autoimunes em cachorros. Por isso, recomenda-se levá-los periodicamente ao veterinário e manter em dia seus exames de rotina, sua caderneta de vacinação e a desparasitação do animal.

Existem muitas doenças silenciosas no reino animal. Por isso, os mínimos sintomas, como a despigmentação do focinho do cachorro, não devem ser ignorados.

Fonte da imagem principal: Marta Jimenez